i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Greve dos caminhoneiros

Indústria e varejo têm perdas bilionárias devido aos bloqueios das rodovias

Após uma semana com as rodovias bloqueadas decorrente da greve dos caminhoneiros, indústria e varejo sentem a escassez de matéria-prima e de canais para distribuir a produção

  • PorRodrigo Ghedin
  • 28/05/2018 11:31
Nos mercados, perecíveis já estão em falta. | Aniele Nascimento/Gazeta do Povo
Nos mercados, perecíveis já estão em falta.| Foto: Aniele Nascimento/Gazeta do Povo

Os bloqueios das rodovias brasileiras decorrentes da greve dos caminhoneiros tem reflexos na indústria e no varejo. Segundo órgãos setoriais consultados pela reportagem, entre prejuízos e interrupções em fábricas, as perdas da indústria e do varejo são bilionárias.

LEIA:Tudo sobre a greve dos caminhoneiros

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) estima que as perdas de vendas no varejo brasileiro podem chegar a R$ 5,4 bilhões por dia. A entidade afirmou, em nota, que “o prejuízo nas vendas dos bens não duráveis como alimentos, remédios e gasolina pode ser visto como um primeiro alarme” e, caso a crise persista, “o problema pode se estender para as vendas de bens duráveis como veículos, eletrodomésticos e materiais de construção”.

A Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) divulgou nota na quinta (24) informando que as empresas do estado poderiam deixar de vender o equivalente a R$ 550 milhões por dia, caso haja a paralisação completa das linhas de produção. Segundo a assessoria de imprensa da Fiep, a maioria das empresas está parada porque não tem matéria-prima e as que têm ficaram sem espaço para estocar o produto acabado. Praticamente todas as empresas no mínimo pararam parcialmente.

No Brasil, ainda de acordo com cálculos de economistas da Fiep, as empresas podem estar deixando de vender até R$ 6,5 bilhões por dia.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) informou, na última sexta-feira (25), a paralisação de todas as montadoras de veículos no Brasil. O setor gera R$ 250 milhões de impostos por dia e, “por isso, esta paralisação gerará forte impacto na arrecadação do país”.

Varejo

O mesmo cenário foi considerado pela Associação Paulista de Supermercados (Apas), que estima que o setor deixou de vender R$ 1,3 bilhão nos últimos cinco dias de greve. O cálculo descarta os dois primeiros porque, até então, os mercados ainda tinham estoque de produtos perecíveis, os primeiros a sumirem das prateleiras com o desabastecimento.

A Ebit, que acompanha o varejo digital no Brasil, reduziu a estimativa de faturamento para o mês de abril em 7,4 pontos percentuais, uma redução de R$ 280 milhões. Segundo André Dias, diretor executivo da Ebit, as vendas nos dias de greve foram 20% menores que o esperado, devido à incerteza por parte do consumidor em relação à entrega dos produtos. Os setores de eletrônicos e eletrodomésticos foram os que mais perderam participação desde o início da greve; às vésperas da Copa do Mundo, a venda de TVs, que estavam crescendo, foram impactadas.

A Abit, que representa a indústria têxtil e de confecções, informou que mais de 70% dos associados enfrentam problemas provocados pelo desabastecimento. Em nota, a associação disse que “não há como medir exatamente o prejuízo”, mas que “em termos de impostos, imaginamos o risco de perda de R$ 90 milhões por dia sobre o faturamento anual, considerando o ICMS, PIS/COFINS”. Por dia, o setor fatura R$ 450 milhões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.