Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Nova Economia
  4. Lançamento de marketplace aumenta expectativa para que Amazon venda de tudo no Brasil

negócios

Lançamento de marketplace aumenta expectativa para que Amazon venda de tudo no Brasil

Empresa se limitou, até o momento, a vender livros físicos e digitais e os seus serviços adicionais, como o Kindle, o Kindle Unlimited e o Amazon Web Services

  • Jéssica Sant’Ana
Nos Estados Unidos, além de vender de tudo on-line, a Amazon possui lojas físicas.  | Bigstock
Nos Estados Unidos, além de vender de tudo on-line, a Amazon possui lojas físicas.  Bigstock
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Desde quando a Amazon chegou ao país no fim de 2012, uma pergunta ronda o mercado: “Quando a gigante do e-commerce americano vai começar a vender de tudo no Brasil?” A empresa se limitou, até o momento, a vender livros físicos e digitais e a comercializar os seus serviços adicionais, como o Kindle, seu leitor eletrônico, o Kindle Unlimited, plano de assinatura digital, e o Amazon Web Services, armazenamento na nuvem. Mas a expectativa é que oferta de produtos cresça em breve e a principal sinalização para isso foi a abertura do site brasileiro da Amazon para ser um marketplace

LEIA MAIS sobre negócios e tecnologia

Siga a @gpnovaeco no Twitter

Em abril deste ano, a companhia americana transformou o seu e-commerce no Brasil em um marketplace de livros. Qualquer pessoa física ou jurídica pode vender livros novos, usados ou seminovos através do site da Amazon.com.br. Basta fazer o cadastro e se comprometer a entregar os produtos, além de pagar as taxas exigidas.  

Antes, a Amazon vendia somente livros novos que ela mesma negociava com fornecedores. O lançamento acrescentou 100 mil obras em português ao catálogo da companhia e, para alguns analistas de mercado, indica uma preparação da empresa para começar a vender novas categorias de produtos em seu site, sob o modelo de marketplace.  

“O lançamento do marketplace é um claro sinal que ela [Amazon] vai testar o formato no Brasil primeiro vendendo livros de terceiros e, se tudo der certo, vai abrir o site para vender outras categorias, como eletrônicos e até vestuário, já que ela é muito forte lá fora na área de vestuário”, afirma um executivo da área, que prefere não ser identificado.  

A consultora especializada em varejo Ana Paula Tozzi, CEO da AGR Consultores, também acredita que o marketplace da Amazon vai permitir, em um futuro próximo, que terceiros vendam diversas categorias, além de livros. “A Amazon tem uma estrutura de marketplace que eu acredito ser o futuro. É uma estrutura simples e completa, onde ele cuida de todo a logística, armazenamento e entrega”, explica a executiva, que também afirma que a empresa americana pode começar a oferecer o serviço completo no Brasil.  

“Hoje, é muito custoso manter operações próprias de logística e TI, mesmo para as grandes empresas”, afirma Tozzi. “É natural que surja um grande player no Brasil que vai concentrar todo esse serviço. Nos Estados Unidos, quem fez isso foi a Amazon”, completa a executiva.  

Atualmente, o marketplace de livros da Amazon não cuida da logística para quem anuncia em seu site. O vendedor parceiro é o responsável por entregar os produtos conforme a descrição do item e é avaliado regularmente pela gigante do e-commerce. Mas, no exterior, a empresa já oferece soluções para cuidar de todo o processo de venda do parceiro. 

Expansão lenta

A entrada da Amazon no Brasil em outros segmentos que não de livros é esperada pelo mercado há algum tempo. A empresa estreou no Brasil no fim de 2012, vendendo livros digitais e o seu leitor digital Kindle. Em 2015, ela passou a vender também livros físicos e, agora em 2017, abriu seu site no país para ser um marketplace somente na área de livros.  

A expansão lenta é atribuída a fatores culturais e a complexidade tributária no Brasil. Até por isso, Pedro Guasti, CEO da consultoria especializada em comércio digital E-bit, afirma que o caminho mais simples para a Amazon é abrir seu site para que terceiros vendam categorias diversas do que ela mesma gerenciar a compra e venda de produtos diversos.  

“A Amazon está no Brasil desde 2012. Ela vem em um processo de conhecer o país. É claro que a pretensão dela deve ser maior do que vender o que ela vende agora, que é basicamente livros e o Kindle. O mais provável é ela ser um canal para que terceiros possam vender de tudo”. E ele, apesar de preferir em não falar em prazos para isso acontecer, acrescenta: “É claro que vai modificar o equilíbrio de forças, tanto do varejo físico quanto do digital”.

Procurada, a Amazon afirma que "não especula sobre planos futuros”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE