i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Aviação

Ministro da Defesa diz que torce para que negócio entre Embraer e Boeing dê certo

Raul Jungmann se reuniu com o diretor financeiro da Boeing e afirmou que o governo torce para que o acordo entre a americana e a Embraer dê certo

    • Estadão Conteúdo
    • 02/02/2018 09:49
    Raul Jungmann, ministro da Defesa. | Evaristo Sa/AFP
    Raul Jungmann, ministro da Defesa.| Foto: Evaristo Sa/AFP

    O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que o governo federal torce para que a fabricante brasileira de aviões Embraer firme um acordo com a americana Boeing, desde que isso não implique em poder externo sobre a Embraer. As empresas discutem um acordo desde o ano passado. “[O governo] quer que dê certo, torce para dar certo. Eu inclusive me reuni com o diretor financeiro da Boeing e sua equipe e disse a ele: ‘olha, encontre uma maneira, sejam criativos’”, afirmou o ministro.

    LEIA TAMBÉM:Por que Airbus e Boeing resolveram entrar no segmento da Embraer?

    Para Jungmann, é preciso criar um tipo de parceria que impeça que outro governo tenha poder sobre a Embraer, responsável por projetos do governo federal. “O nosso problema é que, se o controle passa para um terceiro país, as nossas decisões ficam subordinadas àquele país - por exemplo, ao Congresso americano. Se o Congresso americano amanhã decidir que não é de seu interesse o desenvolvimento de um reator nuclear ou o ciclo completo nuclear que a Marinha faz, se ele tem o controle da Embraer isso está rompido”, disse.

    LEIA MAIS notícias sobre a Embraer

    “É uma parceria. Crie uma terceira empresa. Como nós fazemos isso? Não sei. Eu sei o que não pode [fazer]. Nenhum país do mundo vende uma empresa estratégica de defesa. Não é por nacionalismo, ultra-nacionalismo ou qualquer tipo de preconceito com os americanos ou a Boeing. Nós apostamos que dê certo, mas temos um limite que remete a um projeto nacional autônomo, que é o limite que a gente impõe”, continuou o ministro, completando que “a gente aposta nessa parceria porque o mercado aeronáutico global está mudando e é importante tanto para a Embraer como para a Boeing”.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.