i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Serviços

Países ricos pedem abertura do Brasil

  • Por
  • 02/03/2006 19:24

Genebra (AE) – O Brasil recebeu ontem pedidos para a abertura de 13 setores da economia para investimento estrangeiro. Os países ricos, liderados pelos Estados Unidos e União Européia, enviaram à Organização Mundial do Comércio (OMC) uma lista de solicitações para que o país faça concessões na área de serviços na atual negociação da Rodada de Doha. Os governos da China, Índia, África do Sul e Tailândia receberam pedidos semelhantes.

Os países desenvolvidos querem que o Brasil dê maiores facilidades para que empresas estrangeiras possam atuar em áreas como energia, meio ambiente, serviços financeiros, telecomunicações, serviços audiovisuais e serviços legais. O Brasil alega que já é aberto em grande parte desses setores e a prova seria os investimentos recebidos nos últimos anos em telecomunicações e a entrada de bancos estrangeiros.

Para alguns governos, em especial da UE, sem essas concessões o Brasil e outros países emergentes não terão muitas chances de obter uma maior liberalização do comércio agrícola. Apesar de os pedidos estarem sendo liderados pelos americanos e europeus, Canadá, Noruega, Japão e Nova Zelândia também querem o fim dessas restrições no Brasil. Entre os países em desenvolvimento, apenas dois aderiram aos pedidos feitos à Brasília: Chile e México, que querem a abertura do mercado nacional para informática, construção e transporte marítimos.

Para os Estados Unidos, a abertura nesses setores gerará crescimento e desenvolvimento da economia brasileira e um incremento de US$ 1,4 trilhões para o comércio mundial se todos os mercados emergentes se liberalizarem completamente. Argumento duvidoso, na opinião de diplomatas brasileiros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.