i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
corte

Para economistas, rebaixamento pela Fitch reflete e aprofunda crise

Para o economista da UFRJ Luiz Carlos Prado, cenário de incertezas é ‘deprimente’ para a percepção externa

    • Agência O Globo
    • 16/12/2015 13:38

    A perda do grau de investimento pelo Brasil já era esperada e foi causada pelo ambiente político, que tem dificultado o ajuste da política fiscal, segundo avaliação do presidente do Itaú BBA, Cândido Bracher.

    “Difícil ficar surpreso com essa notícia da Fitch. A gente pode atribuir esse movimento à incerteza política, que impede que a gente tenha uma clareza de perspectivas, de como vamos lidar com a política fiscal”, afirmou.

    Ao perder grau de investimento por duas das três grandes agências de avaliação de risco — o país já tinha perdido o selo de bom pagador pela Standar & Poor’s —, o Brasil tende a ser menos atrativo para investidores estrangeiros nos mercados financeiros.

    Bracher lembra que o Brasil já esteve nessa situação — o grau de investimento veio apenas em 2008 —, mas que agora o país tem uma melhor condição do lado externo, com baixa dívida e reservas internacionais de mais de US$ 390 bilhões.

    “Mas, no passado, a crise externa dava uma urgência à resolução dos problemas, porque tinha o risco de moratória. Agora, não temos esse senso de urgência, então estamos demorando muito para superar essa dificuldade política”, explicou.

    Agência de classificação de risco Fitch tira selo de bom pagador do Brasil

    Agora, o país é considerado grau especulativo por duas agências

    Leia a matéria completa

    Reorganização

    O economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito, avalia que o rebaixamento da nota de crédito brasileira pela segunda agência de classificação de risco, a Fitch, combinado com os rumores de mercado sobre uma possível saída do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, pressiona o Planalto e a classe política em geral a parar e reorganizar as bases da economia.

    “Talvez agora o ajuste fiscal possa ser um pouco mais escalonado. Levy está sendo pressionado a fazer um ajuste fiscal de curto prazo, em meio a uma recessão profunda. Um ajuste de médio e longo prazo pertence agora à vontade dos políticos”, disse o economista.

    Perfeito acredita que o país perderia o selo de bom pagador na Fitch de qualquer forma, com a permanência de Levy ou uma possível troca no ministério da Fazenda. O economista avalia que o rebaixamento não está ligado apenas à questão do superávit primário de 2016 (0,7% como queria Levy e entre zero e 0,5% como propôs o Planalto).

    Fazenda diz que decisão da Fitch remete às dificuldades do ambiente político

    Agência de classificação de risco tirou selo de bom pagador do Brasil nesta quarta-feira (16)

    Leia a matéria completa

    “O rebaixamento tem a ver com a trajetória de crescimento da dívida pública do país, que deve ultrapassar os 70% do PIB em breve. O Brasil pagou R$ 506 bilhões em juros nominais nos últimos 12 meses. Sem fazer o ajuste fiscal, a trajetória dessa dívida torna-se explosiva”, afirmou o economista, lembrando que a incerteza política torna ainda mais complicada a condução do ajuste.

    Impasse político

    Para o professor Luiz Carlos Prado, do Instituto de Economia da UFRJ, o rebaixamento da nota de crédito do Brasil pela Fitch, que tirou o grau de investimento do país, é reflexo do atual cenário de incertezas políticas e econômicas e contribuiu para aprofundar ainda mais a crise.

    “Diante da atual situação é irrelevante dizer o que deve ser feito, com relação a políticas econômicas, pois o cenário não permite mudanças bruscas. O que precisa acontecer são as forças políticas da situação e da oposição acordarem pontos mínimos, sobre orçamento, gastos públicos e investimentos, para que em meio a crise se continue operando a economia brasileira. Essa paralisação na tomada de decisão aliada a um cenário econômico internacional adverso é que preocupa”, analisa o economista.

    Rebaixamento não muda ajuste em curso, diz Banco Central

    BC vê recuperação da economia ‘à frente’

    Leia a matéria completa

    Prado classifica esse cenário de incertezas como “deprimente” para a percepção externa: “Quando você olha de fora, a percepção é que a crise está paralisando a capacidade de se fazer política econômica no Brasil.”

    Para o economista, enquanto não houver um acordo entre situação e oposição, o campo econômico continuará “paralisado e com notícias ruins”: “Seria importante se o Congresso acordasse em torno de alguma agenda sob o ponto de vista econômico para que essa transição política, na qual não sabemos se este governo fica ou sai, seja menos custosa para a população. Mas de nenhum dos lados há uma proposta consistente para se enfrentar esse problema.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.