i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Câmbio

Para evitar alta, BC fará leilões de dólar até o fim do ano

Os leilões de swap ocorrerão de segunda a quinta-feira, com oferta de US$ 500 milhões em contratos por dia. Total comercializado chegará a US$ 100 bilhões

  • PorFolhapress, Reuters e Agência Brasil
  • 22/08/2013 16:54

Diante da valorização do dólar em relação ao real, o Banco Central anunciou um programa de leilões de swap cambial -- que equivalem à venda de dólares no mercado futuro -- que vai durar pelo menos até 31 de dezembro e chegar à oferta de US$ 100 bilhões. O objetivo, segundo o BC, é "prover hedge cambial aos agentes econômicos e liquidez ao mercado de câmbio". A moeda norte-americana rompeu nesta semana o patamar de R$ 2,45 reais, maior desde 2008. A alta do dólar tem causado preocupação em relação à inflação e ao endividamento das empresas brasileiras.

A autoridade monetária já tem feito esses leilões com frequência no mercado para tentar conter a alta da moeda americana. O anúncio do programa de prazo mais longo, porém, que terá início nesta sexta-feira (23), ajuda a dar previsibilidade aos investidores a respeito das intervenções.

Os dois leilões desta quinta, nos quais o BC ofereceu US$ 4 bilhões, já compõem a estratégia de usar parte dos US$ 373,5 bilhões das reservas internacionais para segurar o câmbio. O banco não informou quanto conseguiu colocar no mercado, mas a operação teve êxito, contendo a valorização do dólar, que fechou o dia cotado a R$ 2,432, com queda de 0,78%.

Operação

Os leilões de swap ocorrerão de segunda a quinta-feira, com oferta de US$ 500 milhões em contratos por dia. Às sextas-feiras, o BC oferecerá US$ 1 bilhão por meio de linhas de crédito em dólar com compromisso de recompra -outro mecanismo que também é utilizado para empurrar as cotações da moeda americana para baixo

Se o BC julgar necessário, poderão ser oferecidos mais dólares. Até hoje, foram injetados US$ 40 bilhões no mercado, sendo a grande maioria por meio de swaps. Uma parte menor, cerca de US$ 3,8 bilhões, foram liberados por meio de leilões de linha.

Atuação

O Banco Central estima dispor de US$ 60 bilhões para as operações até 31 de dezembro. No entanto, se houver necessidade, pode ser mais. O BC dará continuidade a o processo nesta sexta (23), com mais uma atuação forte no mercado, e já comunicou às instituições financeiras credenciadas a operar com câmbio que fará um leilão, às 11h15, para venda de mais US$ 1 bilhão, com compromisso de recompra no dia 2 de janeiro de 2014.

Repercussão

A medida foi bem recebida por economistas do mercado financeiro, que destacaram que o programa reduzirá a volatilidade no mercado, mas sustentaram que o viés do dólar é de alta em relação ao real. "Isso mostra a firme determinação da autoridade monetária a não deixar que esse câmbio saia do lugar", afirmou o economista-chefe da Gradual Investimentos, André Perfeito.

Para o economista-chefe do INVX Global, Eduardo Velho, a medida mostra que o BC não quer utilizar a política monetária, elevando a taxa básica de juros, para conter a valorização do dólar no Brasil. "O BC sinaliza com essa ação que ele não vai dar um choque monetário. Ele vai usar a política cambial para cobrir essa demanda", disse Velho.

Desde de outubro de 2008, o BC não adotava um programa de intervenção cambial tão grande. Na ocasião, auge da crise internacional, o BC fez um programa de injeção de 50 bilhões de dólares no mercado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.