i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ações

Petrobras desaba após rebaixamento de nota

Empresa perdeu na terça-feira o chamado grau de investimento, espécie de selo de local seguro para investir, da agência de classificação de riscos Moody’s,

    • Folhapress Web
    • 25/02/2015 12:29

    As ações da Petrobras operam com forte queda nesta quarta-feira (25), um dia após a agência de classificação de risco Moody’s rebaixar a nota de crédito da empresa. Com a queda dos papéis, a Bolsa brasileira tem desvalorização superior a 1%.

    Às 10h52, o Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha queda de 1,37%, a 51.163 pontos. Das 68 ações negociadas, 52 caíam, 14 subiam e duas se mantinham inalteradas no horário.

    Dilma: rebaixamento da Petrobras representa “falta de conhecimento”

    A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira que o rebaixamento do rating da Petrobras para grau especulativo pela agência de classificação de crédito Moody’s representa “falta de conhecimento” e garantiu que a estatal vai se recuperar.“Acho que é uma falta de conhecimento direito do que está acontecendo na Petrobras”, disse Dilma a jornali

    Leia a matéria completa

    As ações da Petrobras operam com forte queda nesta sessão. Às 10h52, os papéis preferenciais, mais negociados e sem direito a voto, caíam 7,70%, a R$ 9,10. As ações ordinárias, com direito a voto, tinham queda de 7,28%, a R$ 9,03, no mesmo horário.

    Governo teme que rebaixamento da Petrobras contamine nota do Brasil

    O rebaixamento da nota de crédito da Petrobras pela agência Moodys caiu como um balde de água fria na equipe econômica do governo Dilma Rousseff. O grupo, formado pelos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Babosa, além do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, vem se esforçando desde o fim do ano passado para melho

    Leia a matéria completa

    A empresa perdeu na terça-feira o chamado grau de investimento, espécie de selo de local seguro para investir, da agência de classificação de riscos Moody’s, considerada uma das mais austeras em suas avaliações.

    O motivo foi a crescente dificuldade de a empresa conseguir publicar o balanço auditado, levantar dinheiro no mercado de capitais e o impacto que isso terá em seu caixa nas próximas semanas.

    A queda dos papéis é resultado da saída de investidores estrangeiros, que precisam se adequar a seus regimentos, afirma Roberto Indech, analista da corretora Rico. “Era uma decisão esperada, mas como só após o rebaixamento os investidores são obrigados pelos regimentos dos fundos de investimento a retirar os recursos, o impacto maior se dá hoje. Esses fundos não podem investir em empresas com grau especulativo”, diz.

    O rebaixamento, que ocorre duas semanas após a troca no comando da estatal, terá como consequência a saída de investidores, como fundos de pensão e de investimento, que não podem colocar dinheiro em ações e dívidas de empresas consideradas de alto risco de calote, como é agora a Petrobras.

    Sem balanço auditado, a estatal não conseguia levantar recursos no mercado de capitais. A mudança deve tornar ainda mais caro o financiamento da companhia. Também deverá impactar os custos de financiamento de toda a cadeia de óleo e gás, que tem na Petrobras a principal intermediadora junto aos bancos e ao mercado financeiro. Pelo menos R$ 9 bilhões em papéis de fornecedores da Petrobras estão nos fundos de investimentos.

    BRASILEIROS

    A dúvida agora, afirma Indech, é se o governo vai capitalizar ou não a empresa neste ano e como se daria essa capitalização. “A Petrobras vai ter dificuldade em encontrar financiamento mais barato, então o custo de sua dívida sobe mais ainda para manter os investimentos”, afirma o analista da Rico.

    O rebaixamento da estatal pela Moody’s também pode sinalizar que a nota de crédito do Brasil será cortada pela agência de classificação, afirma Indech. “O mercado ainda deu um certo fôlego para o [Joaquim] Levy (ministro da Fazenda), mas a empresa não teve essa chance. Isso indica que a Moody’s pode rebaixar, sim, a nota de crédito do Brasil.”

    Em relatório, Eduardo Velho, economista-chefe da gestora INVX Global Partners, disse que as agências Standard & Poor’s e Fitch também devem rebaixar a nota de crédito da empresa.

    DÓLAR

    No mercado cambial, o dólar voltou a subir ante o real, após o alívio provocado na terça-feira pelo discurso de Janet Yellen, presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano). Às 10h57, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, tinha alta de 1,07%, a R$ 2,864. No mesmo horário, o dólar comercial, usado em transações no comércio exterior, subia 1,09%, a R$ 2,865.

    A presidente do Fed falará hoje ao meio-dia (horário de Brasília) na Câmara, após discursar na terça ao Senado. Mas não deve haver muita novidade no teor de seu discurso em relação ao de ontem, avaliam analistas.

    A alta da moeda americana é resultado do aumento da aversão ao risco no país após o rebaixamento da Petrobras. Lá fora, as principais moedas emergentes operam em baixa em relação ao dólar, após o alívio também na situação grega, com a aprovação do pacote de reformas proposto pela Grécia como forma de conseguir a prorrogação de seus empréstimos.

    O real é a moeda que mais sofre depreciação em relação ao dólar nesta sessão. Das 24 principais moedas emergentes, 17 têm apreciação em relação ao dólar.

    Nesta manhã, o BC brasileiro deu sequência a suas atuações diárias e vendeu a oferta total de até 2.000 contratos de swap cambial (que equivalem à venda de dólares no mercado futuro). Foram vendidos 500 contratos para 1º de dezembro de 2015 e 1.500 para 1º de fevereiro de 2016, com volume correspondente a US$ 97,9 milhões.

    O BC fará ainda mais um leilão de rolagem dos swaps que vencem em 2 de março, que equivalem a US$ 10,438 bilhões, com oferta de até 13.000 contratos. Até agora, a autoridade monetária já rolou cerca de 85% do lote total.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.