i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estados Unidos

Plantio recorde derruba cotações de soja e milho

Relatório de área plantada elaborado pelo governo norte-americano surpreende analistas de mercado e aponta crescimento dos grãos

  • PorLuana Gomes
  • 30/06/2009 21:12
Produtores norte-americanos finalizam plantio de soja no Meio-Oeste dos EUA: cerca de 4% da área ainda precisa ser semeada | Mike McGinnis/Agriculture Online
Produtores norte-americanos finalizam plantio de soja no Meio-Oeste dos EUA: cerca de 4% da área ainda precisa ser semeada| Foto: Mike McGinnis/Agriculture Online

Os Estados Unidos irão cultivar na temporada 2009/10 a sua maior área de soja e a segunda maior área de milho da história. É o que indica o primeiro relatório de área plantada do USDA (o departamento de agricultura do país), divulgado ontem pelo órgão. Nas contas do governo americano, o plantio da oleaginosa crescerá 2% ante o ciclo anterior, para 31,3 milhões de hectares. Já o cereal ocupará extensão 1% superior à do ano passado, num total de 35,2 milhões de hectares.

Os números surpreenderam o mercado, que esperava uma área de milho menor e um plantio de soja ainda maior que o projetado pelo USDA. Como os trabalhos de campo começaram em ritmo lento nos EUA por causa do clima frio e seco durante a primavera, analistas imaginavam que os produtores seriam obrigados a transferir para a oleaginosa áreas inicialmente planejadas para o cereal. "No final de maio, entretanto, condições climáticas mais favoráveis permitiram o avanço dos trabalhos de campo", afirma o USDA no relatório.

Bolsa de Chicago

A notícia de que o cereal iria ganhar terreno nos EUA em 2009 e não perder, como era previsto, pressionou o preço do grão, que encerrou os negócios do dia no limite de baixa na Bolsa de Chicago (CBOT). O contrato julho/09, de primeira posição, terminou o pregão cotado a US$ 3,4775 o bushel (25,4 quilos), o equivalente a US$ 8,21 por saca de 60 quilos. É o menor valor de fechamento desde o início de março. Na avaliação de Flávio França Jr., analista da Safras&Mercado, apesar de os números do USDA terem repercutido de maneira negativa no mercado, não devem alterar a tendência de longo prazo para o cereal, que continua positiva.

No caso da soja, explica o analista, a tendência também é de preços mais altos no futuro. Ontem, contudo, a oleaginosa terminou o pregão em baixa na CBOT. A exceção foi o primeiro contrato (jul/09), qua avançou pouco mais de 11 pontos, para US$ 27,05 a saca. Os demais vencimentos caíram entre 2 e 6 pontos na sessão de ontem.

No mercado interno, o milho acompanhou o tom negativo, mas a soja resistiu à queda das cotações internacionais. No Paraná, o preço do cereal recuou 1,16% e o da oleaginosa avançou 0,68%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.