i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ex-presidente da nissan

Por decisão da Justiça, Carlos Ghosn deve passar o ano novo na prisão

O empresário, que está sob custódia, já é alvo de três denúncias

    • Folhapress
    • 23/12/2018 12:17
    Ghosn recebeu uma terceira denúncia, baseada na acusação de "tokubetsu haininzai" ("crime de traição especial") | ERIC PIERMONT/AFP
    Ghosn recebeu uma terceira denúncia, baseada na acusação de "tokubetsu haininzai" ("crime de traição especial")| Foto: ERIC PIERMONT/AFP

    A pedido da Promotoria de Tóquio, a Justiça japonesa prorrogou, neste domingo (23), por dez dias a prisão de Carlos Ghosn, 64, ex-presidente do conselho de administração da Nissan, detido desde 19 de novembro.  

    A detenção provisória de Ghosn já havia sido foi prorrogada por 48 horas na manhã da última sexta-feira (21, fim de noite de quinta, 20, no Brasil). Agora, ele tem prisão prevista até 1º janeiro, quando os procuradores japoneses poderão pedir nova prorrogação de dez dias se julgarem necessário. 

    Leia também: A rotina na prisão do brasileiro mais poderoso da indústria automotiva

    A decisão da Justiça ocorre logo após a Promotoria japonesa anunciar a terceira denúncia contra Ghosn, baseada na acusação de "tokubetsu haininzai" ("crime de traição especial") —no caso, traição financeira em relação à Nissan. 

    No sistema judiciário japonês, "tokubetsu hainin" é usado geralmente para incriminar membros do alto escalão das empresas, que se aproveitam do patrimônio da empresa em benefício próprio e, com isso, causam prejuízos a ela. Prevê uma pena de até 10 anos e multa de até 10 milhões de ienes, ou ambos.

    Ghosn havia sido detido inicialmente por 20 dias, até 10 de dezembro, quando foi interrogado sobre supostas fraudes cometidas. Ele é suspeito de ter ocultado US$ 44 milhões (R$ 169 milhões) do valor total de sua remuneração, entre 2010 e 2015. 

    A Promotoria, então, pediu a prorrogação por mais dez dias, que foi aceita, para investigar as suspeitas de fraudes do executivo brasileiro de 2015 em diante.

    >>  A saída de Ghosn abre espaço para a batalha entre Renault e Nissan

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

      Fim dos comentários.