i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Desvios

Dez meses depois de intervenção do BC, Santos vai à falência

  • PorO Globo/Globo Online
  • 20/09/2005 16:40

O juiz da 2.ª Vara de Falências e recuperação Judicial de São Paulo, Caio Marcelo Mendes de Oliveira, decretou nesta terça-feira a falência do banco Santos. Em seu despacho, o magistrado menciona que o BC, que foi quem requereu a falência do Santos, apurou que seria ncessário um aporte da ordem de R$ 2,45 bilhões para que o banco "voltasse à normalidade".

O valor do passivo a descoberto apurado pelo BC no Santos soma na verdade R$ 2,236 bilhões, sem se levar em conta as perdas causadas pelo banco a fundos de investimentos que carregavam seus títulos e aos BNDES, cujos repasses de recursos foram em boa parte desviados para o exterior pelos administradores do Santos.

O juiz cita ainda desvios na administração do banco, que chama de ilícitos apurados pela comissão de inquérito do próprio BC, tais como emissões de debêntures sem registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), aquisição de cédulas de crédito rural já quitadas, transferência de valores do banco para empresas ligadas ao seu controlador, Edemar Cidi Ferreria, e aplicação de recursos públicos (do BNDES, com "finalidades diversas das previstas em lei").

No despacho, o magistrado determina o prazo de 15 dias para a habilitação de créditos, bem como a suspensão de ações e execuções contra o banco (com as ressalvas legais). E nomeia como administrador judicial Vânio Aguiar, que até ontem era o liquidante nomeado pelo Banco Central no banco Santos.

Na verdade, Aguiar está no Santos desde novembro do ano passado, quando o BC decretou a intervenção no banco de Cid Ferreira. Na época estimava-se que o rombo no Santos fosse da ordem de R$ 700 milhões, menos de um terço do real valor apurado pelos interventores. Em março a intervenção foi transformada em liquidação extrajudicial e novamente Aguiar foi indicado pelo BC para dirigir o processo. Agora, dez meses depois da intervenção do BC, o Santos teve sua falência decretada.

Os advogados de Cid Ferreira contestam os números apurados pelo BC, principalmente com o volume de provisões feitas pelo liquidante, e devem recorrer da decisão da 2ª Vara de Falências.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.