i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Consumo

Inadimplência do consumidor cresceu 13,8% no 1º semestre

  • PorGlobo.com
  • 30/07/2005 13:14

A inadimplência do consumidor voltou a cair em junho, mas continua maior do que em 2004. Segundo dados da Serasa, a inadimplência da pessoa física caiu 3% em relação a maio, mas ficou 15,9% acima se comparada a junho de 2004. Com esse resultado, a inadimplência do consumidor terminou o primeiro semestre do ano com alta de 13,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nos últimos três meses a taxa de inadimplência apresentou variação média negativa, de 0,9%. Os economistas da Serasa explicam que a queda da inflação, basicamente de preços de produtos essenciais, como alimentos, permitiu um tímido aumento da massa de salários em junho. Em contrapartida, o consumidor continua endividado e sofre os efeitos das altas taxas de juro na ecomomia, que freia a criação de empregos e a recuperação efetiva da renda.

A inadimplência do consumidor em junho foi maior na emissão de cheques. Os registros de cheques sem fundo representaram 35,8% do total do índice e o valor médio da dívida não paga foi de R$ 526,79. A segunda maior causa da inadimplência foi o não pagamento de cartão de crédito e dívidas com financeiras, com 34,2% do indicador e valor médio de R$ 254,59. A seguir estão as dívidas bancárias, com 28,2% do total e valor médio mais alto, de R$ 1.024,28. Os títulos protestados representam há três anos menos de 2% das dívidas não pagas e o valor médio

Apesar do número de registros de inadimplência ter caído na comparação com maio, em junho os valores médios não pagos aumentaram. A alta foi de 6% nos cartões de crédito e financeiras e de 12,7% na dívida bancária. O maior aumento, no entanto, foi de 21,7% nos cheques sem fundos e de 17,3% no valor das anotações de protestos.

Também a inadimplência de empresas caiu. A redução foi de 3,2% em junho, na comparação com maio. Em relação a junho de 2004, no entanto, a alta é de 18,4%. O resultado do primeiro trimestre foi ruim, pois a inadimplência de empresas aumentou 10,4% em relação a igual período do ano passado. O juro alto é a principal causa do calote, segundo a Serasa.

Os economistas acreditam que o indicador possa melhorar no segundo semestre, já que o Banco Central interrompeu a seqüência de alta na taxa básica de juros, a Selic.

- Certamente terá impacto positivo na atividade econômica e aliviará as pressões sobre as finanças das empresas, colaborando para a redução da inadimplência. A incerteza fica por conta do risco de contaminação do cenário econômico pela crise política - diz a empresa.

No caso das empresas, os títulos protestados representam a maior fatia da inadimplência, de 40,5%, com valor médio de R$ 1.420,95. A seguir aparecem os cheques sem fundos, com 39,4% e valor médio de R$ 1.197,65. As dívidas bancárias representam 20,1% do total e o valor médio é de R$ 3.268,62.

Veja também
    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.