i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Taxa média

Juro ao consumidor atinge menor patamar desde 1994

  • PorO Globo/Globo Online
  • 21/12/2005 11:48

A taxa média de juros cobrada das pessoas física caiu 1,3 ponto percentual em novembro e atingindo 60,4% ano ano. É o menor valor desde a série histórica iniciada em junho de 1994, mostra pesquisa do Banco Central divulgada nesta terça-feira. Na média geral, que inclui também os juros pagos pelas empresas, a queda foi de 1.1 ponto percentual em novembro, atingindo 47,1% ao ano.

No cálculo que inclui apenas as empresas, a taxa média de juros ficou em 32,4% ao ano em novembro, o menor patamar desde fevereiro. Na contramão, ficou o juro do cheque especial subiu 0,6 ponto percentual, passando de 148,6% para 149,2% ao ano. É a taxa mais elevada desde março de 2003, quando atingiu 152,2% ano.

Para o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes, esse é um aumento fora da curva e reflete a concentração desse tipo de crédito em determinada instituição bancária que tem taxas mais elevadas e que acaba puxando essa média para cima. Tanto é que, até o dia 9 deste mês, houve uma queda expressiva de 2.2 pontos percentuais nesta modalidade, caindo para 147% ano.

Lopes afirmou que a taxa de juros média geral continuou caindo nos primeiros dias de dezembro e que as perspectivas para o crescimento do crédito são positivas. "Em um cenário de inflação, convergindo para a meta, de taxas mais acomodadas, abre-se espaço para maior tomada de recursos. O crédito, como um todo vai crescer em 2006", acredita.

Lopes afirmou que os indicadores de novembro mostram um crescimento substancial no volume de crédito, tanto para pessoas jurídicas, como para pessoas físicas, sinalizando, na opinião dele, um início da retomada de crescimento da atividade econômica.

Em novembro, o volume de crédito na economia alcançou R$ 589,8 bilhões, atingindo 30,5% do PIB. Os financiamentos concedidos pelos bancos privados chegaram a R$ 242,5 bilhões, com acréscimo de 2,9% no mês e de 22,6% em 12 meses, com destaque para o segmento de pessoas físicas, outros serviços e comércio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.