i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fazenda Cachoeira

Mais 52 exames dão negativo para febre aftosa no Paraná

  • PorValmir Denardin e Mariana Londres-Gazeta do Povo
  • 23/12/2005 07:23

O Laboratório Nacional Agropecuário (Lanagro), de Belém (PA), encaminhou nesta quinta-feira à Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab) mais 43 testes negativos para febre aftosa em bovinos da Fazenda Cachoeira, em São Sebastião da Amoreira (Norte do Paraná). Esses exames se somam aos 48 concluídos na semana passada e reforçam o argumento do governo paranaense, que ainda tenta convencer o ministério a voltar atrás na decisão que levou ao anúncio, no último dia 6, de um foco da doença na fazenda. Até agora, são 91 resultados negativos para a identificação do vírus aftósico na propriedade, de um total de 209 amostras coletadas.

A Seab recebeu também nove exames negativos de animais da Fazenda Santa Isabel, no município de Grandes Rios, onde também havia a suspeita de um foco de aftosa. Os resultados são de exames Probang e Elisa, realizados no líquido do esôfago e da faringe dos animais. Nos próximos dias, o Lanagro deverá concluir outros 133 testes em materiais coletados no Paraná.

Na próxima terça-feira, técnicos do ministério vêm a Curitiba para definir com colegas da Seab os termos de um acordo técnico para solucionar o impasse em torno da questão. Embora insista na tese de que todas as provas apontam para a inexistência de aftosa no rebanho paranaense, o vice-governador e secretário Orlando Pessuti já deu sinais de que o governo estadual aceitará o sacrifício sanitário das 1.760 cabeças da Fazenda Cachoeira. Embora considerada injusta, a medida seria a única forma de recuperar o status de área livre de febre aftosa com vacinação no prazo de seis meses.

O advogado Ricardo Jorge Rocha Pereira, que representa o pecuarista André Carioba, dono da Fazenda Cachoeira, disse que usará os resultados negativos dos exames Probang como prova para defender, na Justiça, o argumento de que o Ministério da Agricultura tem uma interpretação errada das normas da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). "A constatação de aftosa pelos critérios do ministério – de sorologia positiva, vinculação epidemiológica e sinais clínicos da doença – só é válida para áreas onde não é feita a vacinação, o que não é o caso do Paraná", afirma.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.