i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Febre aftosa

Técnicos do Ministério vão reavaliar rebanho do PR

  • PorGazeta do Povo Online
  • 21/12/2005 16:51

Técnicos do Ministério da Agricultura virão a Curitiba na terça-feira (27) para uma reunião de trabalho com os técnicos da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Paraná (Seab), para reavaliar o rebanho do estado, mais especificamente, os animais da propriedade Fazenda Cachoeira, na região Norte do Paraná, onde foi descoberto, segundo o ministério, um foco da doença.

O governo do Paraná, na semana que vem, espera chegar ao final do impasse sobre a decretação de foco de febre aftosa no estado. O encontro entre os técnicos foi acordado durante uma reunião, nesta quarta-feira (21) entre o secretário da Agricultura e vice-governador, Orlando Pessuti, o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, e deputados da bancada federal do Paraná. Segundo Pessuti, o encontro dos técnicos "servirá para uma análise detalhada das novas investigações feitas pelo governo estadual".

"Temos elementos suficientes hoje que demonstram que esse foco de febre aftosa deve ser cancelado", afirmou o secretário ao site do governo estadual.

Motivo da audiênciaO pedido de audiência em Brasília foi feito para que o ministério pudesse reavaliar o ato de declaração do foco de febre aftosa no Paraná e ocorreu em função dos resultados laboratoriais negativos dos exames realizados com 48 amostras coletadas de animais da propriedade, supostamente, infectada.

Ministério não volta atrásPor outro lado, o ministro Roberto Rodrigues disse que o ministério não tem condições de retroceder no ato, tomado como base nas normas internacionais em função da sorologia positiva encontrada nos primeiros exames e na vinculação epidemiológia com a origem dos animais da Fazenda Bonanza, no Mato Grosso do Sul.

RespostaO secretário Pessuti argumentou ao ministro que retomasse o compromisso firmado com ele por Rodrigues - se os exames de sorologia Probang dos animais da Fazenda Bonanza dessem positivo, seria reconhecido o foco; se dessem negativo, o governo federal decretaria o Paraná livre de febre aftosa.

"Se o ministério tinha uma sorologia positiva no dia 5, agora ele tem os 46 resultados negativos", atestou Pessuti.

"Queremos a verdade"Pessuti lembrou que o governador Roberto Requião ponderou que o governo estadual poderá até tomar medidas práticas para evitar que o estabelecimento de foco de aftosa traga mais prejuízos, mas que não abrirá mão da verdade.

"Nós não concordamos com o foco de aftosa, temos mais elementos a partir do aprofundamento das investigações que confirmam nossa posição e buscamos uma solução final a partir dessa reunião do dia 27", concluiu Pessuti.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.