i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Indústria

Produção industrial recua 1,3%

  • 10/03/2006 18:10

Rio (AE) – Os dados da produção industrial vieram piores que as estimativas mais pessimistas. Após a forte expansão de 2,4% em dezembro ante novembro, a indústria iniciou o ano "acomodada". Em janeiro, houve queda de 1,3% na produção ante dezembro, desempenho pior do que as projeções dos analistas de mercado, que não esperavam resultado inferior a -0,40%.

Para o coordenador de indústria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Sílvio Sales, os resultados de janeiro mostram uma "acomodação após um crescimento significativo", mas não revertem a tendência de crescimento do setor. Paulo Mol, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), vê uma atividade econômica "estável, levemente positiva, com recuperação bastante gradual e lenta".

Júlio Gomes de Almeida, diretor executivo do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), ficou surpreso com a queda, que atribui a um cenário de incertezas. "Há oscilações muito fortes, típicas de um setor que saiu do pior mas ainda não tem uma sistemática de crescimento mais definida", avalia.

O sinal emitido pelo nível de atividade da indústria só não foi pior porque o IBGE divulgou também dados positivos, como crescimento de 3,2% ante janeiro de 2006 e aumento no indicador de média móvel trimestral, considerado o principal sinal de tendência no curto prazo. A produção no trimestre encerrado em janeiro foi 0,6% maior do que no trimestre terminado em dezembro. Sales considera esse o principal exemplo que não houve ainda "reversão" na tendência de crescimento da produção da indústria.

Ele explicou que a acomodação pode refletir ainda uma normalização dos estoques, que parecia ter sido concluída em dezembro. No entanto, o técnico alerta que somente os dados de vendas da indústria, tabulados pela CNI, a serem divulgados na semana que vem, poderão revelar a relação entre o movimento de estoques e os dados da produção da indústria.

Em janeiro houve queda na produção em 12 dos 23 segmentos industriais ajustados sazonalmente (sem influências típicas do período). Os destaques de queda na produção nessa base de comparação foram veículos automotores (-7,6%), farmacêutica (10,2%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-6,1%). Esses três segmentos vinham de um crescimento forte em dezembro ante novembro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.