i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
indústria

Produção sobe, mas sinaliza desaceleração

A atividade industrial do Paraná aumentou 3,1% em junho, mas caiu 1,6% no segundo trimestre, interrompendo uma série de seis altas

  • PorAlexandre Costa Nascimento
  • 09/08/2011 21:25
 |
| Foto:

A produção industrial paranaense aumentou 3,1% na passagem de maio para junho, na série com ajustes sazonais, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apenas outros quatro estados, dos 14 pesquisados, elevaram sua produção no mês. Na média nacional, a atividade industrial recuou 1,6%.

O resultado de junho representou a segunda alta consecutiva da indústria paranaense, algo que não ocorria desde agosto de 2009. Apesar da melhora em relação aos meses anteriores, o nível de produção do estado ainda ficou abaixo ao de janeiro deste ano.

Na análise trimestral, o desempenho foi negativo: o nível de produção interrompeu uma sequência de seis trimestres de taxas positivas e recuou 1,1% no segundo trimestre, na comparação com o resultado dos três primeiros meses do ano.

Para o economista Fernando Abritta, da coordenação de pesquisa do IBGE, o indicador trimestral aponta para uma tendência de desaceleração na economia paranaense. "A indústria ainda mantém os resultados positivos sob um cenário de desaceleração, crescendo seis trimestres seguidos, mas um pouco menos a cada trimestre, demonstrando uma clara perda de ritmo, que culminou no primeiro resultado negativo. Essa perda de dinamismo foi observada em nove dos 14 setores no Paraná", diz.

O economista, entretanto, ressalva que essa tendência de queda na comparação trimestral ocorre em todo o país. "A indústria brasileira vem desacelerando por conta das medidas do governo, como o aumento das taxas de juros e outras medidas de restrição ao crédito. Além disso, o setor externo também está afetando os resultados, assim como o cenário do câmbio valorizado", avalia.

O diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desen­volvimento Econômico e Social (Ipardes), Gilmar Mendes Lou­renço, credita o fraco desempenho trimestral à queda de 5,9% verificada em maio. "Foi um mês de queda atípica. Não faria uma leitura tão negativa, já que o peso maior foi no mês de maio. Em termos de tendência, ainda consideraria o mês de junho como um indicativo de recuperação, podendo haver uma recuperação ou uma acomodação", avalia.

Tendência incerta

Para ele, o desempenho da indústria no segundo semestre ficará sujeito aos desdobramentos do cenário macroeconômico. "É difícil projetar uma recuperação no ano como um todo. O mais provável é que a indústria registre desempenhos modestos em razão do cenário internacional, ainda imprevisível", avalia. Ainda assim, diz Lourenço, os empresários que apostam no crescimento da economia brasileira no médio e longo prazos não devem suspender planos de investimento em andamento.

Segmentos

Na comparação de junho de 2011 com junho de 2010, a produção estadual subiu 1,6%. O impacto positivo mais significativo sobre o resultado global veio do segmento de veículos, com alta de 22,3% influenciada, em grande parte, pela maior fabricação de caminhões, caminhão-trator e chassis de caminhões e ônibus.

O relatório do IBGE também destacou a contribuição do setor de refino de petróleo e álcool (alta de 8,9%) e de produtos químicos (14,6%). A maior queda ocorreu no setor de edição e impressão (-21,6%). Segundo Lourenço, o resultado é consequência da queda na demanda governamental e da elevada base de comparação.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.