Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Projeto do senador José Serra (PSDB-SP), que tramita na Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ), propõe retirar da Petrobras a exigência de que a estatal seja operadora exclusiva dos campos de petróleo no pré-sal, como forma de fortalecer a empresa no cenário atual de crise. De acordo com o senador, a Petrobras não tem condições de, atualmente, atender à exigência de participação mínima de 30% nos grupos de exploração e produção do pré-sal.

Para Serra, o fim da obrigatoriedade de participação da Petrobras no pré-sal seria positivo para a empresa, porque ajudaria a preservar sua saúde financeira, melhoraria as expectativas do mercado com relação à petroleira e também poderia aumentar a celeridade na exploração da camada de petróleo no pré-sal, com empresas mais robustas financeiramente.

PIS e Cofins sobem para 80 mil empresas

Governo prevê arrecadar R$ 2,7 bilhões com a tributação sobre receitas financeiras até o fim do ano. Medida entra em vigor em 1º de julho

Leia a matéria completa

“O projeto elimina a obrigatoriedade, mas não elimina a possibilidade de a Petrobras ser a única operadora do pré-sal. A empresa não tem condição de assumir esse encargo. Se a exploração ficar dependente da Petrobras, não avançará”, disse Serra.

O senador destacou que a exploração do pré-sal tem urgência para o país, pois a oferta interna de petróleo em um futuro próximo dependerá dessa exploração, sobretudo a partir de 2020.

Ele lembra, ainda, que a sucessão de escândalos envolvendo a Petrobras criou uma situação quase insustentável para a companhia, que tem um programa de investimentos da ordem de US$ 220 bilhões até 2018.

A Petrobras não quis comentar a proposta.

Estatal reafirma que não há data para divulgar balanço

  • são paulo

A Petrobras voltou a afirmar, em resposta a questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que os trabalhos do Comitê Especial e das áreas da companhia envolvidas na elaboração das demonstrações contábeis estão em andamento. “A Petrobras trabalha para disponibilizar essas demonstrações o mais breve possível. No entanto, ainda não há data definida para a divulgação”, afirma.

A empresa lembra, conforme divulgado em 23 de dezembro, que criou um Comitê Especial para atuar como interlocutor (reporting line) das investigações internas independentes conduzidas pelos escritórios Trench, Rossi e Watanabe e Gibson, Dunn & Crutcher. Este Comitê atua de forma autônoma e possui linha de reporte direta ao Conselho de Administração, diz a estatal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]