i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Reconhecimento facial é usado em aeroportos dos EUA e desperta alerta sobre privacidade

  • PorGeoffrey A. Fowler
  • Nova York
  • Washington Post
  • 20/06/2019 13:00
Reconhecimento-facial-aeroporto
Uso de sistema de reconhecimento facial em aeroporto americano| Foto: Bill O'Leary/The Washington Post

Você não precisará retirar o seu bilhete para poder embarcar no voo para Cancun no portão 18, da JetBlue, no aeroporto JFK, o maior de Nova York. Guarde o seu passaporte, também. Todo este custo de conveniência é seu rosto. A tecnologia de reconhecimento facial não está comprovada e, em grande parte, não regulamentada - mas já está chegando a aeroportos nos Estados Unidos.

Nos “portões eletrônicos” da companhia aérea JetBlue e nos protótipos anteriores, a companhia aérea escaneou 150.000 rostos nos últimos dois anos para verificar os viajantes internacionais antes de embarcarem.

Em Atlanta, a Delta possui um "terminal biométrico" que usa seu rosto no check-in, despacho de bagagens, segurança e embarque. Ele diz que o escaneamento ajudam a agilizar o embarque em nove minutos nos voos internacionais, economizando dois segundos por passageiro.

Isto tem todos os ingredientes de uma armadilha de conveniência. É assim que a tecnologia invasora da privacidade - o material do estado policial da China - se insinua na vida americana. Principalmente em nome da eficiência, as companhias aéreas e o governo dos EUA estão, em larga escala, examinando os rostos de pessoas que não são suspeitos de crimes. Este é o maior passo dos Estados Unidos, até agora, para tornar normal o tratamento de nossos rostos como dados que podem ser armazenados, rastreados e, inevitavelmente, roubados.

Por enquanto, o reconhecimento facial no aeroporto é focado em viajantes internacionais e é voluntário. Ou, melhor, os cidadãos dos EUA têm o direito de recusar.

Mas os aeroportos são lugares estressantes, onde muitos de nós estão inclinados a negociar todo tipo de liberdade pela promessa de segurança ou conveniência. Como um passageiro embarcando no portão 18 me disse: "Não me importo se é preciso ficar sem roupa, desde que entre neste avião e fique seguro".

Aqui está a realidade: Até agora, o reconhecimento facial do aeroporto tem muito pouco a ver com o aumento da segurança de vôo. Os passageiros já são rastreados para isso por seres humanos e máquinas. E os sistemas de reconhecimento facial acabam recorrendo a verificações humanas com muito mais freqüência do que as autoridades gostam de falar.

Venha comigo em uma viagem ao aeroporto. Como esta armadilha àprivacidade está sendo colocada? Por meio de tecnologia que é impulsionada pela política de imigração e pelas necessidades de negócios.

Reconhecimento facial: sorria para a câmera

Você já pode estar familiarizado com o reconhecimento facial ao desbloquear um iPhone com o FaceID. O que está acontecendo no portão de embarque é muito diferente.

Quando você entra no portão eletrôniuco da JetBlue, coloca os pés em marcadores azuis e olha por alguns segundos em direção a uma caixa à sua direita. Uma câmera interna tira uma foto do seu rosto - às vezes duas ou três, se não conseguir uma boa foto.

Quando você desbloqueia um iPhone, suas digitalizações de rosto nunca vão para a Apple ou até mesmo deixam seu telefone. Mas em um portão eletrônico, seu rosto é capturado pela companhia aérea e depois comparado com um banco de dados de rostos da US Customs and Border Protection (CBP), que informa se você está liberado para embarcar.

O sistema precisa de fotos de viajantes para comparar com as pessoas no portão. De onde vêm esses? Do Departamento de Estado, que reúne os pedidos de passaportes e de visto Esta é uma das razões, por enquanto, o reconhecimento facial no aeroporto é limitado aos viajantes internacionais.

"A tecnologia é muito superior em termos de identificação de incompatibilidades de fotografias do que apenas seres humanos em geral", diz Daniel Tanciar, vice-diretor executivo de transformação de entrada e saída do CBP.

No entanto, em comparação com o desbloqueio de um iPhone, descobri que a digitalização facial do aeroporto não funciona tão bem. O portão eletrônico da JetBlue me deixou passar mais de dez vezes quando o testei com a ajuda da companhia aérea. Para surpresa de todos, também me reconheceu usando óculos escuros.

Mas outros passageiros não tiveram tanta sorte. Em dois vôos que observei, o portão eletrônico não funcionou para 15% dos passageiros.

A JetBlue diz que um não reconhecimento pode acontecer por uma série de razões: talvez o passageiro não tenha uma foto de referência em arquivo, esteja olhando do sentido contrário, a uma distância menor para a câmera ou tenha barba. Não encontrei evidências de que falhasse com mais frequência com dados demográficos específicos. Mas estudos acadêmicos mostraram que alguns sistemas de reconhecimento facial têm mais dificuldade em ler pessoas de cor e mulheres.

As taxas de sucesso no mundo real que presenciei são muito menores do que as taxas de compatibilidade técnica de 98% citadas pelo Departamento de Segurança Interna para vender a ideia a membros do Congresso e ao público.

Os passageiros que não eram reconhecidos pelo computador precisavam ter seus passaportes verificados por humanos. Isto não foi uma grande perturbação nos vôos que observei. Mas o que acontece com as pessoas com rostos que os computadores não conseguem ler quando o reconhecimento facial é usado em todo o aeroporto?

Reconhecimento facial no portão eletrônico da JetBlue, no aeroporto JFK, em Nova York. Foto: Geoffrey A. Fowler/Washington Post
Reconhecimento facial no portão eletrônico da JetBlue, no aeroporto JFK, em Nova York. Foto: Geoffrey A. Fowler/Washington Post| The Washington Post

O problema dos 1%

Dadas as preocupações que isto suscita, quão grande é exatamente o problema que o reconhecimento facial resolve?

Historicamente, a América não exigia que as pessoas que partissem do país fossem verificadas por funcionários da Alfândega. Depois dos ataques terroristas de 11 de setembro, o Congresso exigiu exames biométricos adicionais nas saídas - mas apenas para estrangeiros, não para americanos. Então, em 2017, o presidente Donald Trump emitiu uma ordem executiva para acelerar o desenvolvimento de um programa biométrico de entrada e saída nos aeroportos, incluindo reconhecimento facial nos 20 principais aeroportos até 2021.

Os políticos podem debater a importância da imigração para a segurança interna. Tecnicamente falando, essas verificações faciais podem capturar pessoas que ficam além do tempo previsto em seus vistos, determinando se a pessoa que sai do país é realmente o portador do visto. E em 2018, apenas cerca de 1% dos detentores de visto permaneceu mais tempo do que o previsto. Todas as pessoas em um manifesto de voo são aprovadas para viajar muito antes de terem seu rosto digitalizado.

Tanciar, do CBP, me disse que ele não concorda com a minha avaliação de que este uso de tecnologia de reconhecimento facial não está relacionado com a segurança. “Tudo o que fazemos na fronteira é para a segurança", diz ele.

Na melhor das hipóteses, parece que controles faciais oferecem apenas melhorias marginais. Todo mundo passa por um posto de segurança antes de chegar ao portão de embarque.

As companhias aéreas têm seus próprios motivos comerciais para dar apoio ao reconhecimento facial. ou seja, a velocidade. "Estávamos procurando oportunidades para reduzir os pontos de fricção na jornada do cliente", disse-me Caryl Spoden, diretor de experiência do cliente da JetBlue.

A eficiência pode deixar os clientes mais felizes e reduzir os custos. Quando os passageiros podem despachar bagagens e embarcar por conta própria, há menos trabalho mecânico para os funcionários, que podem ser transferidos para interagir com os clientes em outros lugares ou se tornarem desnecessários.

O que preocupa os defensores das liberdades civis é que os aeroportos fazem varreduras em todos, incluindo os cidadãos dos americanos. É verdade que os aeroportos já são lugares que você tem que apresentar identificação. Mas ter um computador faz isso abre o potencial de abuso que a Constituição deveria nos proteger. As pessoas nos EUA não podem ser procuradas a menos que sejam suspeitas de crimes. E o anonimato é um pilar da liberdade de expressão.

"Se cedermos a isto, estamos permitindo que o governo e as companhias aéreas criem bancos de dados gigantes de reconhecimento facial de todos nós", diz Jennifer Lynch, diretora de contenciosos de vigilância da Electronic Frontier Foundation.

Funcionários tomaram algumas medidas para limitar a invasão de privacidade. A alfândega diz que elimina as fotos que recebe dos cidadãos após 12 horas. JetBlue e Delta dizem que não guardam as fotos que tiram das pessoas.

Os funcionários da alfândega e da companhia aérea também enfatizam que a participação no reconhecimento facial é voluntária. "Este não é um programa de vigilância, no qual os viajantes sabem que a foto está sendo tirada e é em locais onde os documentos de viagem físicos são verificados", diz Tanciar.

Muito conveniente para se evitar

Mas se tudo correr como planejado, essas zonas especiais de escaneamento facial nos aeroportos estão prestes a se multiplicar.

A Transportation Security Administration (TSA), que administra as linhas de triagem nos aeroportos americanos, também tem um roteiro para levar a biometria aos postos de controle para os viajantes domésticos. À medida que o tráfego nos aeroportos cresce, as varreduras faciais "podem melhorar a segurança e melhorar a experiência do passageiro", disse Austin Gould, administrador assistente da TSA, ao Congresso em uma audiência na semana passada. Ele não ofereceu evidências de como a tecnologia de reconhecimento facial pode melhorar a precisão dos testes de identificação versus técnicas manuais.

E como a TSA seria capaz de fazer exames de rosto a todos os americanos? A TSA ainda está descobrindo isso, mas Gould disse que os passageiros com passaportes podem ser verificados no banco de dados da Alfândega, enquanto outros americanos podem ter um computador para ler a foto em sua identificação física.

É claro que as companhias aéreas não precisam esperar pelo governo para construir esses sistemas. Com poucas leis e sistemas de reconhecimento facial aprimorados por anos de testes no aeroporto, eles poderiam construir seus próprios bancos de dados. Não é difícil imaginar um que ofereça embarque mais rápido ou outros prazeres em voo em troca de uma checagem rápida. O serviço de segurança Clear pago, e que é oferecido em alguns aeroportos dos EUA, já usa leituras biométricas de seus olhos e dedos.

As companhias aéreas e os aeroportos também vêem oportunidades de negócios em nossos rostos. Alguns sistemas de entretenimento a bordo já possuem câmeras que podem ser usadas para identificar passageiros. Em 2017, quando a JetBlue lançou seu primeiro protótipo de reconhecimento facial, o diretor de produtos da empresa, Michael Stromer, disse em uma entrevista que poderia imaginar um dia usando a tecnologia de reconhecimento facial para personalizar as interações com os clientes e até mesmo determinar o humor dos passageiros.

Na China, os aeroportos estão inovando. No aeroporto internacional Shuangliu, em Chengdu, quiosques de informações interativas usam uma varredura facial para oferecer atualizações de status de voo personalizadas e ajudar a encontrar o caminho para até o portão de embarque.

Para ser claro, isso não aconteceu até agora nos EUA. Até onde sabemos, também não houve uma violação da base de dados do CBP ou dos sistemas de câmeras das companhias aéreas.

Mas ainda temos o poder de decidir se nossos rostos serão tratados como sendo dados. Sem objeção, o que provavelmente acontecerá é que a identificação facial se tornará muito conveniente para evitar, mesmo que as leis ou a pressão pública continuem a torná-la voluntária.

Ao interrogar a TSA durante a audiência da semana passada, o deputado Stephen Lynch, dea Massachusetts, disse: "Você está dizendo voluntariamente. Você pode renunciar ao seu direito ao anonimato e esperar a longa fila, ou você pode desistir dos direitos constitucionais e entrar na fila rápida."

Você vai querer sair no check-in? Na retirada de bagagem? Nos pontos de verificação de segurança? No portão? E quando você quer pedir um lanche a bordo?

E quando esse dia chegar, de que desistiremos apenas para nos movermos um pouco mais rápido pelo aeroporto?

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • Z

    Zé Costa.

    ± 0 minutos

    Deixa de ser atrasado, à cinco anos eu já entro na Europa sem apresentar passaporte, só com o reconhecimento facial. Isso de privacidade, já é discussão morta . Hoje através do seu celular as autoridades, sabem onde você esteve , quando esteve e ate com quem você esteve, Pequeno Irmão, como já dizia Orson Wells.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]