i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Proposta vai ao Congresso

Reforma administrativa: como o mercado reagiu à retomada da agenda reformista

  • 01/09/2020 20:18
Anúncio do envio da reforma administrativa ao Congresso, nesta terça-feira (1), animou o mercado financeiro.
Anúncio do envio da reforma administrativa ao Congresso, nesta terça-feira (1), animou o mercado financeiro.| Foto: Marcos Corrêa/PR

Em uma semana sem expectativa de grandes novidades na agenda econômica — as divulgações do Orçamento para 2021, da prorrogação do auxílio emergencial e da queda do PIB já eram esperadas —, o governo tirou uma carta da manga e surpreendeu o mercado. O anúncio do encaminhamento da reforma administrativa ainda nessa semana agradou. Os efeitos imediatos foram bolsa de valores subindo e dólar caindo, além da expectativa gerada para a apresentação da proposta na quinta-feira (3).

Longe de ser um movimento de euforia, o anúncio da reforma administrativa foi entendido como uma “trégua” entre o Planalto e a equipe econômica. O presidente Jair Bolsonaro cedeu e aceitou enviar o projeto esse ano – em junho, ele havia declarado que a proposta ficaria para o ano que vem por não haver “timing político”. O ministro Paulo Guedes também recuou e topou ampliar o gasto público neste ano prorrogando o auxílio emergencial em mais quatro parcelas de R$ 300 – inicialmente, a equipe econômica defendia um valor menor para essa extensão do benefício.

A questão é simples: o governo não pode “queimar” essa carta apresentando uma proposta ruim de mudança nas regras para os futuros servidores, sob pena de perder ainda mais crédito com o mercado. E a reforma será mais enxuta, uma vez que só vai afetar os próximos concursos, sem alterações nas carreiras de quem já está no serviço público, o que diminui o impacto fiscal da medida.

Depois de um mês de agosto tumultuado, em que baixas na equipe de Guedes e sinalizações dúbias do Executivo e Legislativo em relação ao compromisso com a responsabilidade fiscal azedaram o humor dos investidores, a retomada da agenda reformista mudou os ânimos.

No acumulado de agosto, o Ibovespa fechou o mês com queda de 3,44%, revertendo uma sequência de quatro meses consecutivos de alta. Na segunda-feira (31), o pregão teve queda de 2,72%, maior recuo diário desde 30 de abril, e a B3 ficou abaixo do patamar dos 100 mil pontos. Para analistas, esse resultado foi uma resposta ao projeto de Orçamento, que não comporta o aumento de gastos calculado para fazer o Renda Brasil do jeito sonhado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Mas, nesta terça-feira (1º) inverteu a chave. A bolsa não só recuperou a queda de ontem como avançou e fechou o pregão com alta de 2,82%, subindo para o patamar de pouco mais de 102 mil pontos. O dólar, por sua vez, caiu 1,75% e fechou o dia vendido a R$ 5,38, menor valor em três semanas.

Anúncio da reforma administrativa surpreendeu

O mercado já esperava a divulgação de um resultado ruim do PIB nesta terça e a queda de 9,7% no segundo trimestre estava dentro do intervalo projetado por muitos economistas. Ainda assim, esse é o tipo de notícia que tem um impacto ruim quando é anunciada e desanima os investidores. “Nada melhor do que num dia de anúncio de PIB recessivo, soltar uma reforma que todo mundo está esperando”, diz Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos.

Na avaliação dele, o governo teve muito ruído de comunicação ao longo de agosto e o anúncio da reforma administrativa soa como uma bandeira de paz entre Bolsonaro e Paulo Guedes, na sequência de um dia ruim para o mercado. “Tem uma tentativa de mensagem que é o seguinte: ‘estou arrumando a minha casa e estamos alinhados’ e o xeque-mate é a reforma administrativa. Para os investidores, isso é visto com excelentes olhos, porque o ministro voltou a ter voz ativa”, analisa.

A sinalização de que está disposto a mexer nas regras do funcionalismo faz parte de um processo dinâmico, na visão de Fábio Klein, analista de contas públicas da Tendências Consultoria. Para ele, a debandada da equipe de Guedes — um dos secretários que pediu demissão, Paulo Uebel, saiu insatisfeito com a morosidade do governo em relação à reforma administrativa —, acendeu um alerta.

“Até então, o governo estava quieto sobre como tratar o desafio fiscal pós-pandemia. No curto prazo, se entende que se justificam os auxílios governamentais em vários aspectos, com aumento de gastos. Mas você está construindo um desafio fiscal enorme para o pós-pandemia. O governo estava quieto e os mercados, complacentes”, avalia.

Na medida em que o tempo foi avançando e as medidas de combate à pandemia foram sendo prorrogadas, houve tanto uma pressão por mais gastos públicos para este ano quanto para os próximos, como é o caso do Renda Brasil, programa que deve substituir o Bolsa Família na transferência de renda. Consultas e ideias para flexibilização do teto de gastos incomodaram o mercado e provocaram reação do governo, que defendeu, mas se contradisse nesse processo.

Mesmo o Orçamento para 2021, ainda que austero e marcado pelo arrocho fiscal, não considera contaminações dos gastos da pandemia para o próximo ano. A própria prorrogação do auxílio emergencial é um ponto de dúvida: em tese, os pagamentos devem ser finalizados em dezembro, mas dependendo da modelagem do calendário por parte da Caixa Econômica, podem se estender pelo próximo ano. Ainda em relação ao orçamento, há um descompasso entre teto, que é baixo, e piso de gastos, que é elevado, embora haja elementos que desacelerem esse avanço.

“Para manter o teto de gastos para os próximos anos, o país tem que avançar nas reformas. É a agenda que ajuda a conter as despesas e evitar o rompimento do teto. O anúncio da reforma administrativa casa com tudo isso”, avalia Klein.

O economista Fabio Astrauskas, CEO da Siegen, consultoria especializada em recuperação de empresas, também segue essa linha de análise de pressão sobre o gasto público. “O anúncio da reforma tem um efeito mais voltado para apaziguar, acalmar, um possível pessimismo do mercado em relação às perspectivas de déficit público do governo para o ano que vem”, pontua.

Para ele, são duas questões a serem feitas: a necessidade de extensão do auxílio emergencial e de onde sairá o dinheiro para bancar tudo isso. Em relação à prorrogação, para ele é pacífico que é um momento em que o governo precisa promover medidas de socorro para as camadas mais vulneráveis da população. Agora, os recursos para pagar por isso estão atrelados às discussões de reforma tributária e cumprimento de teto de gastos, já difíceis de equilibrar.

“Com a extensão do auxílio e queda do PIB, se percebeu que só a reforma tributária não será suficiente para acomodar o Orçamento do governo. Aí veio a carta que sobrou: não tem mais onde mexer e tem que fazer a reforma administrativa”, avalia.

Mudança na estrutura administrativa será cobrada

O governo passará por uma prova de fogo nas próximas semanas, na avaliação de Rodrigo Franchini, da Monte Bravo. Como já tinha divulgado a reforma tributária e agora soltou a administrativa, não tem mais nada, o que aumenta a pressão para que elas passem.

Uma vez aprovada a mudança administrativa, o governo ganha força e flexibilidade para outras mudanças, como a criação de impostos. Mas, se fraquejar, criar crises internas e não aprovar essa agenda, vai enfraquecer o ministro Paulo Guedes e repercutir no mercado – investidores tendem a desanimar e perder confiança no projeto do país.

“Se a proposta não for profunda como se espera ou se o governo não tiver força política de aprovação dentro da base, esse otimismo vai embora. Esse exagero tem que tomar cuidado: devolver uma bolsa a 94 mil pontos, em três dias de volatilidade, derruba rapidinho”, analisa.

A cobrança do mercado virá. “O governo vai ter que voltar com essa reformas e o mercado não vai deixar esquecer. Será um grande plano pra 2021, um saldo positivo para o Brasil honrar duas dívidas”, avalia Franchini.

Fabio Astrauskas, da Siegen, pondera que esse movimento especulativo de parte do mercado, com sobe e desce, vai seguir acontecendo, a depender da satisfação ou não com as propostas a serem apresentadas. Mas a preocupação maior é com 2021, porque a situação é mais complexa do ponto de vista estrutural.

“Sem reforma tributária e administrativa, vamos ter muita dificuldade de equilibrar as contas públicas e retomar uma trajetória de crescimento sólida e a retomada vai depender principalmente da geração de emprego, que o governo vai estimular no ano que vem. E não será suficiente somente a geração de emprego no setor privado”, avalia.

Nesse sentido, o economista entende que o próprio governo terá de promover políticas de geração de emprego. Por isso, uma reforma administrativa sem mexer em quem já está no serviço público será pouco eficaz. Na ponta da tributária, o fatiamento e adiamento das discussões empurram o problema para frente, mas se torna imperativo discutir a concentração de riqueza e mudar o foco de tributação do consumo para a renda.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Felipe Magalhaes

    ± 0 minutos

    Então só tem a reforma tributária e a administrativa ? Porque ngm fala da reforma POLITICA., que ao meu ver é o que afunda o país de verdade!! Ah sim, nao falam porque nao querem tirar do deles né, só tiram dos outros, os deles só aumentam e aumentam.... Se bolsonaro deixar fazer essa reforma administrativa, eu mudo de lado, e levo todo mundo que levei para o lado do bolsonaro para outro lado. Desacredita não!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • E

      Edgoski

      ± 3 dias

      Sem concurso público não há igualdade de oportunidades. O concurso é fundamental para que todos possam fazer a mesma prova e garantir o acesso ao serviço público de forma democrática. A estabilidade é garantia de que o funcionário público não seja alvo de perseguições políticas e demitido depois de muito estudar para passar no concurso, sem contar ainda todo o conhecimento adquirido ao longo da carreira, muito específico da gestão pública. Receber um salário decente é o mínimo que se espera do Estado (exceto salários exorbitantes, é claro!) e deveria servir como incentivo à iniciativa privada, que por sua vez só explora o trabalhador pagando migalhas para garantir lucro.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      2 Respostas
      • D

        DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

        ± 2 dias

        O melhor concurso para avaliar a capacitação de alguém é o dia a dia do empregado: o desempenho dele na prática.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

      • R

        RUY

        ± 2 dias

        É o surrado bla bla bla dos concursos. Como empresas particulares criam quadros competentes e estáveis, sem tais concursos ? Salários devem vir pelo mérito. Não existe especificidade na gestão publica que não seja dominada pelo empenho e competência. O resto é justificativa que não resiste á uma análise isenta. Rotatividade é característica de dinâmica administrativa, não de perseguições.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

    • S

      Sergio

      ± 3 dias

      A tendência da reforma administrativa é criar cargos que facilita o empreguismo semelhantes as milícias do prefeito Crivella do Rio, e ainda ficam aliciando os pacientes eleitores nas portas dos hospitais. E todos eles eram cabos eleitorais de campanha que elegeu o prefeito. Antes da CF/88 a maiorias dos funcionários entraram nos órgãos públicos sem concurso e com indicações de políticos e não tinham estabilidades. Vai voltar aos tempos antigos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      1 Respostas
      • D

        DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

        ± 2 dias

        Pelo menos, se o empregado for ruim a população não terá que aturar ele para sempre. Saiu o político, sai ele também.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

    • R

      Rogério

      ± 3 dias

      Em qualquer empresa privada que faça uma reforma administrativa, seus efeitos alcançam todos os funcionários. Isso acontece no mundo real. Porém, no serviço público os efeitos dessa reforma somente terão efeito para aqueles funcionários que ainda nem foram contratados... Parece piada mas é verdade!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • C

        CANISIO DE SOUZA

        ± 3 dias

        Depois da reforma administrativa, esperamos que alguém lembre da Reforma Política, que seria a mais importante para o povo, claro que os políticos não gostariam que isto acontecesse (diminuição do nº dos deputados e senadores, etc.).

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • D

          DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

          ± 2 dias

          Para isso seria necessário até uma nova Constituição: algo que eu sou totalmente a favor.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • N

        Nm

        ± 3 dias

        Duas reformas extremamentes importantes e necessárias. Espero que o Congresso Nacional, FAÇA SUA PARTE. A reforma que sair depende exclusivamente de DEPUTADOS E SENADORES, quem devem ter um senso de DEVER e PATRIOTISMO, que nunca demonstraram. essa é a parte mais difícil das reformas. Há que se considerar os partidos da esquerda Psol, PT, PDT, Pecebão e outros que não querem nada disso a pretexto de direitos adquiridos, defesa do "trabalhador"... e a mesma lenga lenga de sempre.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • O

          Osvaldo

          ± 3 dias

          Parabéns !! Finalmente a reforma administrativa ..espero que aprovem ..as futuras gerações agradecem ..só tem um caminho em frente ...o que ficou para trás já era ....

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • L

            Luca

            ± 3 dias

            Parabéns Paulo Guedes!! Essa reforma administrativa é imprescindível. Pena que não vai pegar os servidores de agora

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • A

              Ana Luiza

              ± 3 dias

              Uma reforma linda até o último dia... quando decidirão que democracia é dobrar os vencimentos do funcionalismo com os pobres pagando a conta. Assim será aprovada.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • M

                MARCELO DE PAOLA

                ± 3 dias

                Nao há outra saída desde sempre! Tem que fazer a lição de casa mas isso nao rende votos, daí fazem uma reforma meia boca e segue quase tudo como está. É o cachorro que corre atrás do rabo. Resta torcer para que finalmente o bicho consiga alcançá-lo.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                Fim dos comentários.