i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Negociação política

Congresso vai aceitar acabar com as desonerações em troca da reforma tributária?

  • Brasília
  • 20/07/2020 22:20
Ministro da Economia, Paulo Guedes, levará o projeto de reforma tributária ao presidente do Congresso, nesta terça-feira (21): governo barganha pela manutenção do veto ao projeto de desoneração da folha.
Ministro da Economia, Paulo Guedes, levará o projeto de reforma tributária ao presidente do Congresso, nesta terça-feira (21): governo barganha pela manutenção do veto ao projeto de desoneração da folha.| Foto: Pedro França/Agência Senado

O governo federal entrega ao Congresso nesta terça-feira (21), às 14h30, o projeto inicial de reforma tributária elaborado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. A cerimônia representará um passo importante na luta que o Palácio do Planalto trava para tentar reverter um jogo que, hoje, tem placar desfavorável ao governo de Jair Bolsonaro: a manutenção do veto presidencial ao projeto de lei que instituiu a desoneração na folha de pagamentos até o fim de 2021.

O veto foi imposto por Bolsonaro durante sua sanção à lei que o Congresso aprovou como produto da Medida Provisória (MP) 936, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda e permitiu a empresas reduzirem jornadas de trabalho e salários, em virtude da pandemia de coronavírus. No processo de conversão da MP em lei, os congressistas estenderam até 2021 a desoneração da folha de pagamento de 17 setores. A medida, na opinião dos parlamentares, ajuda na geração de empregos. Já o Executivo considerou a decisão inconstitucional e onerosa aos cofres públicos, por isso o veto.

A apresentação do projeto da reforma tributária ao Congresso indica aos parlamentares uma alternativa às desonerações estipuladas no projeto derivado da MP. A ideia do governo é convencer os deputados e senadores de que a proposta de reformulação abordará a desoneração de modo mais qualificado do que o contemplado na lei sancionada recentemente. O projeto que Guedes deve levar ao Congresso é um esboço inicial da reforma completa, focado no momento apenas em dois tributos federais, PIS e Cofins.

Antes da apresentação da proposta, o governo executará outra etapa de sua estratégia para tentar reverter o jogo. Será a realização de uma reunião virtual entre seus líderes no Congresso, incluindo as bancadas de todas as casas. O encontro está previsto para a manhã desta terça, com o objetivo de criar um discurso a favor do veto.

A proposta de reforma e a reunião se soma ao fator tempo, que o governo espera que jogue a seu favor. Havia a expectativa, há alguns dias, de que a análise do veto se desse na semana corrente. Isso seria prejudicial ao governo, já que o cenário atual é pela rejeição do veto —- o que se tornou mais complexo após Guedes sugerir que a alternativa à desoneração pode ser a criação de um novo imposto, que seria aplicável sobre transações via internet e foi apelidado de "CPMF digital".

Mas a votação para agora foi descartada: a Câmara encontra-se envolvida nas discussões relacionadas ao projeto do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que tem monopolizado as atenções de parlamentares de governo e oposição. No Senado, a agenda da semana ainda não foi definida pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP). Mas como a apreciação de um veto é feita em sessões do Congresso, onde estão presentes deputados e senadores, não haveria como deliberar agora sobre a decisão de Bolsonaro.

Congresso avalia que já cedeu

A derrubada do veto tem sido mencionada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), com frequência desde a sanção da lei por Bolsonaro, ocorrida no último dia 6. Por exemplo, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, no dia 12, Maia alegou que a ideia de desonerar a folha de pagamento não é incompatível com a reforma tributária: “a reforma tributária tem uma transição de dez anos. O Congresso aprovou a prorrogação (da desoneração) por apenas um ano. Uma coisa não inviabiliza a outra".

Nesta segunda-feira (20), em entrevista coletiva na Câmara, o deputado disse que "a proposta [de reforma tributária] do governo vem em boa hora". Maia destacou que tanto Câmara quanto Senado têm projetos de reforma em curso, mas disse que isso não o levará a reprovar a iniciativa do Executivo: "o governo trata de dois impostos. Nós tratamos dos cinco. PIS-Cofins ele trata, nós incluímos IPI, ICMS, ISS. Nós achamos que o impacto para a melhoria do ambiente de crescimento do Brasil é muito grande. Mas se as condições existirem apenas para votação do projeto do governo, nós vamos avançar do mesmo jeito".

Maia também disse que a desoneração não deve ser compensada pela criação de novos impostos. Sem citar diretamente a proposta de Guedes, lembrou da CPMF ao dizer que "a política de gerar um imposto para financiar um bom programa, ela foi feita entre 1994 e 2008. Gerou 9% de carga tributária nova e o impacto foi muito pequeno na melhoria da qualidade de vida dos brasileiros".

O líder do Cidadania na Câmara, deputado Arnaldo Jardim (SP), disse que acredita na derrubada do veto e também que a bancada do seu partido votará contra a decisão de Bolsonaro. Para ele, "o Congresso já cedeu" ao concordar com a extensão das desonerações até 2021, já que inicialmente se discutia a manutenção do quadro até 2022. "Não podemos abrir mão de um veto por conta de uma promessa de uma 'semireforma' por parte do governo", acrescentou.

Já a deputada Erika Kokay (PT-DF) também aposta na derrubada do veto, como "um movimento do Parlamento de defesa de si mesmo". "Foi um projeto que teve muito respaldo no Congresso, por isso a tendência de rejeição", afirmou. Para a petista, o governo "age com chantagem" ao indicar a apresentação da reforma tributária como alternativa às desonerações. "Isso é ação de um governo que não tem coragem de tributar quem deveria", disse.

O deputado Hiran Gonçalves (PP-RR) colocou que outra dificuldade para o governo é que a votação tende a ocorrer em um período de baixa harmonia entre Congresso e Palácio do Planalto. "O atraso da liberação de recursos gerou um mal-estar na base", disse o deputado, em relação ao pagamento de emendas parlamentares que não foram efetivados. Ele acrescentou que o tema gera controvérsia, assim como o Fundeb, e que negociações serão necessárias até o dia da votação.

Desoneração foi decisão do Congresso

A extensão da desoneração da cobrança até o fim de 2021 foi decidida pelos parlamentares durante a tramitação da MP no Congresso. A medida contou com apoio de associações patronais. Desde o anúncio do veto de Bolsonaro, instituições têm divulgado notas e posicionamentos sobre os impactos que o fim da desoneração poderia causar ao mercado de trabalho.

Documento da Central Brasileira do Setor de Serviços (Cebrasse), por exemplo, alega que "a tributação da folha no Brasil é de 43%, uma das maiores do mundo. Na contramão das melhores práticas econômicas dos países mais desenvolvidos. Nos Estados Unidos, a tributação é 29% e no Chile 9%. Por outro lado, temos 13 milhões de desempregados, sendo que o setor é o que tem mais capacidade de gerar empregos".

A desoneração tem sido tentada, nos últimos anos, por diferentes governos. A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse, em entrevista de 2017, quando já estava distante do Palácio do Planalto, que determinar desonerações ao setor produtivo foi um dos seus principais arrependimentos na gestão da política econômica. "Eu acreditava que, se diminuísse impostos, teria um aumento de investimentos. Eu diminuí e me arrependo disso. No lugar de investir, eles aumentaram a margem de lucro", disse, em referência aos empresários brasileiros.

10 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 10 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • I

    Intruso

    ± 3 horas

    Eu sou natural de um município do interior do sul do Brasil, onde mais ou menos 70% dos jovens não tinham nenhuma qualificação profissional e portto sem TRABALHO. A falta de oportunidade de aprendizagem impera de norte a sul do País. A esmagadora maioria da população não entende nada de energia elétrica, mecânica, carpintaria, construção civil, agricultura e gastronomia. E nem os q fazem faculdade sabem praticar resultado. Conheço muitos engenheiros q ñ sabem fazer projetos. CONCLUSÃO: está faltando conhecimento APLICADO, PRÁTICO. Continuamos no mundo teórico, filósofos, historiadores e "juristas", músicos, etc. Em razão disso falta renda, e por conseguinte falta receita pública (impostos)..

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    STF

    ± 4 horas

    Governo entende que “reforma” é aumento de impostos. Quando precisamos de “redução” de impostos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Tarso

    ± 4 horas

    Reforma tributária deverá ser boa para os de sempre. Mais um fardo nas costas na classe média.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Walter

    ± 4 horas

    Reforma tributária com muito pouco esclarecimento para concluir alguma coisa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nilson Macan

    ± 5 horas

    Se houver desoneração da folha de pagamento que custa entre 28% e 35% ou mais, sobre o salário é uma boa. Não há almoço gratis, de alguma forma todos vamos contribuir com a previdencia. Não há mágica. Se cortarem todos os gastos superfluos do Judiciário Legislativo e Executivo , QUE DEVEM SER EXTINTOS, não cobre 10% dos gastos com a Previdencia.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • S

      STF

      ± 4 horas

      Inocente

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • B

    BENJAMIN GONZALEZ MARTIN

    ± 5 horas

    Se a OAB é contra e os socialistas tb é porque é boa mesmo. Força Paulo Guedes!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rubens Farias

    ± 6 horas

    Uma VERGONHA, mais um imposto para os políticos roubarem. Há décadas atrás criaram ao CPMF para a saúde, roubaram tudo e vemos agora com a pandemia como está a saúde no Brasil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSMAR PORTUGAL VAZ

    ± 6 horas

    É sempre assim . Vamos aumentar impostos porque é mais fácil e , de preferência , um imposto cruel. covarde , em cascata que só deu certo no Brasil a tal CPMF . Fácil de tirar do povo e fácil de roubar pelos politicos . Que maravilha !! Bolsonaro , que prometeu que não aumentaria impostos agora já começa a já começa a mentir . Que vergonha !!! Esperamos que mude de ideia porque o brasileiro não aguenta pagar mais impostos .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    STF

    ± 7 horas

    Nunca vi reduzirem impostos no Brasil. Essa manobra vai acabar aumentando carga tributária novamente. Menos consumo, menos empregos e aí governo quer compensar com mais impostos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.