i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Impostos

Reforma tributária: quais são as propostas à mesa e o caminho a ser percorrido no Congresso

  • 19/07/2020 21:20
  • Atualizado em 20/07/2020 às 11:25
Comissão mista da reforma tributária no Congresso, instalada em 2020
Parlamentares na instalação da comissão mista da reforma tributária, em fevereiro deste ano.| Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

O esgotamento das pautas ligadas à pandemia do coronavírus no Congresso Nacional abriu espaço para que o Parlamento voltasse a dar atenção à reforma tributária. O próprio presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que quer dar prosseguimento às discussões em agosto.

Mas, para que as alterações no sistema tributário de fato avancem, deputados e senadores terão que entrar em acordo sobre qual proposta será levada adiante. Duas propostas de emenda à Constituição já estão em tramitação no Congresso desde o ano passado: a PEC 45, da Câmara; e a PEC 110, do Senado. Agora, um novo texto deve entrar no jogo, enviada pelo governo federal.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, garantiu que entregará a primeira etapa da reforma tributária idealizada pelo governo ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), na próxima terça-feira (21). Se o texto de fato for enviado, a proposta do governo chegará no momento em que Maia e Alcolumbre buscam superar um desentendimento precisamente por conta da reforma tributária.

O episódio que gerou a rusga tem suas origens na comissão mista instalada pelas duas Casas para buscar unificar as duas PECs da reforma. A ideia da comissão era evitar uma disputa por protagonismo entre deputados e senadores: com as discussões no grupo, uma única proposta seria levada adiante no Congresso, o que evitaria que as PECs ficassem “na gaveta” depois de aprovadas nas respectivas Casas de origem.

A pandemia, porém, acabou travando os trabalhos. Como a comissão ainda não retomou as discussões, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, resolveu dar prosseguimento à reforma idealizada pelos deputados – o que irritou Davi Alcolumbre. Depois de um mal estar, o próprio Maia disse ter conversado com Alcolumbre, pedindo a retomada da comissão mista. “Não queremos aprovar a reforma da Câmara, mas a proposta do Congresso Nacional, junto com o governo federal”, afirmou o presidente da Câmara.

O que está nas propostas da Câmara e do Senado

Consta nas duas PECs em tramitação no Congresso a unificação dos impostos sobre o consumo, na forma de tributos do tipo IVA (Imposto sobre Valor Agregado). Na matéria dos senadores, originada de um relatório do ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly, nove tributos são transformados em dois. Assim, os seguintes tributos deixariam de existir:

Federais:

  • Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  • Imposto sobre Operações Financeiras (IOF);
  • Programa Integração social (PIS);
  • Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep);
  • Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins);
  • Salário-educação;
  • CIDE-Combustíveis.  

Estadual:

  • Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS).

Municipal:

  • Imposto sobre Serviços (ISS).

No lugar deles, passariam a ser cobrados um Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), que seria de competência estadual; e um imposto seletivo, federal, que incidiria sobre produtos como bebidas alcoólicas. Outro tributo que deixaria de existir, a Contribuição sobre Lucro Líquido (CSLL) seria incorporada ao Imposto de Renda.

De modo geral, a proposta que tramita na Câmara, formulada pelo economista Bernard Appy, segue na mesma linha da matéria originada no Senado. Nessa PEC, entretanto, o número de impostos extintos é menor: IPI, PIS, Cofins, ICMS e ISS seriam fundidos em um Imposto sobre Bens e Serviços.

Outra diferença está na gestão dos recursos. Na proposta da Câmara, a arrecadação seria compartilhada entre União, estados e municípios – que poderiam fixar alíquotas distintas para o mesmo tributo. A intenção, nesse caso, é não desrespeitar o princípio de autonomia dos entes federativos, presente na Constituição.

A PEC 45, da Câmara, também prevê a possibilidade de criação de um tributo exclusivo, que seria de competência federal. Com isso, a União poderia taxar produtos como cigarros e bebidas alcoólicas, para desestimular o consumo. O texto propõe, ainda, um mecanismo de devolução de recursos para os mais pobres, que originaria uma nova forma de transferência de renda do governo para famílias em situação de vulnerabilidade social.

Onde entra a reforma tributária do governo?

A equipe econômica, por sua vez, promete enviar uma proposta de reforma tributária ao Congresso desde o ano passado. Um primeiro texto teria sido concluído ainda em 2019, mas acabou não sendo encaminhado depois de polêmicas envolvendo a criação de um imposto sobre pagamentos, semelhante à CPMF. À época, o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra – um entusiasta do imposto único – foi demitido do cargo por conta da ideia.

O ministro Paulo Guedes, porém, nunca desistiu de um imposto desse tipo. A ideia de Guedes é usar a tributação dos pagamentos para substituir os impostos que recaem sobre a folha de salários. Com a rejeição a um imposto mais amplo, como a CPMF, o ministro agora cogita implementar uma contribuição que se restrinja aos pagamentos do comércio eletrônico, com alíquota de 0,2%.

Essa, entretanto, seria apenas uma das alterações propostas pelo governo. A ideia de Guedes é enviar as mudanças em etapas ao Congresso, para evitar que a rejeição ao imposto sobre pagamentos contamine toda a discussão. Ainda não está claro, entretanto, em quantas partes a reforma será fatiada. No ano passado, o atual secretário da Receita, José Roberto Tostes Neto, afirmou que seriam quatro etapas.

Ao que tudo indica, a primeira fase, a ser encaminhada nesta semana, também envolveria a criação de um imposto sobre valor agregado. Mas, nesse caso, seria um IVA Dual, ou seja, implementado aos poucos. Os primeiros tributos unificados seriam federais (PIS e Cofins), que dariam lugar a um imposto com alíquota de 12%. Só depois seriam incluídos o ICMS, estadual, e o ISS, municipal, para, por fim, haver a padronização das alíquotas.

Segundo o que já havia sido publicado pelo governo, além do IVA Dual e da contribuição sobre pagamentos, a reforma de Guedes incluiria etapas com mudanças no Imposto de Renda e com a criação de um imposto seletivo a partir do IPI. Mas, até agora, não há detalhes concretos sobre essas ideias.

12 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 12 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • H

    Humberto de Oliveira Macedo

    ± 15 horas

    Provavelmente vai acontecer o que sempre acontece na Banânia. Colocam várias propostas boas e umas compensações ao Estado. Durante a tramitação e votação, todas as boas propostas vão caindo, sendo aprovado apenas as compensações. O que sobra é conta para a população pagar e mais dinheiro para a farra em Brasília.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcelo Fortes

    ± 18 horas

    Eu que cheguei a sonhar com a diminuição do Estado e diminuição de impostos...Reforma tributária nesse país nunca é pra pagar menos, qdo esse processo acabar vamos descobrir a verdade. Por mim fica como está , já sei o que esperar. Em tempo troco a reforma tributária por uma desburocratização de verdade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Luiz Otavio Prates

    ± 18 horas

    Pois é. O que era bom e útil ao Brasil ja estão querendo estragar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Paulo Santos

    ± 21 horas

    Precisamos de uma reforma política, para podermos cobrar diretamente o deputado eleito por nossa região. Maia por exemplo não teria sido eleito. Ele está boicotando o Brasil.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcus Pinheiro Machado

    ± 21 horas

    voce acredita em Papai Noel ?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos Roberto

    ± 22 horas

    Olhando a foto em detalhes, chega dar um frio na espinha. O Brasil seria bem melhor sem eles!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Roberto Rocha Passos

    ± 23 horas

    A foto da matéria é o exemplo de atraso por todas as adjetivações negativas que circundam o poder legislativo do Brasil, hoje e ontem!!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • P

    Plínio

    ± 23 horas

    Parece tudo bonito, mas para os pequenos empresários, alem da tributação, enfrentamos o emaranhado burocrático criado por nossos dignissímos governadores em especial. Alem do já citado enquadramento de um produto no NCM, enfrentamos o pantanoso terreno das normas de Substituição Tributária, quando a venda ocorre entre Estados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • Y

    Yuri Nunes

    ± 23 horas

    A reforma tributária é a mais importante e esperada das reformas. Vamos torcer para que traga prosperidade e justiça social, sem malabarismos e truques mágicos dos deputados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • W

    Walter

    ± 23 horas

    Ficou claro que a simplificação no recolhimento dos impostos consta na proposta. Reduz tempo e custo das empresas. Em um segundo momento, o da migração da cobrança de impostos sobre o consumo, e não mais sobre a produção, ficou um pouco confuso. Necessita de mais esclarecimentos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alcir Carlos Sereni

    ± 1 dias

    Fazem 35 anos, quando ainda ingressava na faculdade que esta discussão existe, justamente por Luiz Carlos Hauli, acho, como contador que a proposta dele é a melhor. Hoje levo duas horas de trabalho para enquadrar corretamente um tributo, isto é, um NCM, produto que está incluso na nomenclatura comum do mercosul.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DANIEL MENDES DA SILVA CANDIDO

    ± 1 dias

    Só fico a favor desse imposto sobre transações eletrônicas se todos os demais impostos sobre o consumo forem extintos. Não posso acreditar que além de pagar pela transferência ainda virá mais um IVA (ou IBS) de sabe-se lá que alíquota terá.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]