i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

Remédios vão ficar até 5,51% mais caros

Reajuste entra em vigor no dia 31 e vale para 20 mil produtos diferentes. Fitoterápicos e homeopatia não estão incluídos

  • PorGlobo Online
  • 10/03/2006 16:46

BRASÍLIA - Os remédios vão ficar até 5,51% mais caros a partir do dia 31 de março. A decisão da Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) foi anunciada nesta sexta-feira e será publicada no Diário Oficial da União da próxima segunda-feira.

Os reajustes devem atingir cerca de 20 mil apresentações de medicamentos e seguirão três faixas diferenciadas: 5,51%, 4,57% e 3,64%. A aplicação dos percentuais vai seguir alguns critérios, como competição do medicamento e sua participação no mercado. Produtos homeopáticos e fitoterápicos não serão atingidos, porque seguem outra regra de aumento.

Segundo a CMED, se todas as empresas adotarem os reajustes nas diversas faixas no limite máximo, o reajuste médio, ponderado pelo faturamento, é estimado em 3,97%.

A CMED informou ainda que os novos valores vão vigorar por um ano e, em casos em que forem comprovadas infrações, as empresas podem receber multas que variam de R$ 212,00 a R$ 3,2 milhões.

A Federação Brasileira da Indústria Farmacêutica (Febrafarma) criticou o percentual do reajuste autorizado. Em nota, a entidade diz que os aumentos serão insuficientes para cobrir a alta de custos enfrentada pela indústria farmacêutica. A Febrafarma argumenta que, de janeiro de 2001 a fevereiro deste ano, o Índice de Preços por Atacado (IPA), calculado pela Fundação Getúlio Vargas, acumulou inflação de 84,06%, enquanto os reajustes de medicamentos foi de 58,90%.

"Os efeitos negativos do controle (de preços) só não serão piores este ano porque a desvalorização do dólar representou um fator favorável para um setor importador de matérias-primas", diz a nota da Febrafarma. A entidade acrescenta que o contingente de consumidores de medicamentos não aumentou nos últimos anos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.