i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Indústria automotiva

Renault confirma produção de dois novos carros no Paraná

Montadora localizada em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba, promete três lançamentos em 2017 para ampliar o portfólio de veículos

  • PorFábio Cherubini
  • 02/08/2016 19:36
Ghosn, presidente da Renault: investimento mantido. | Rodolfo BUHRER/Divulgação
Ghosn, presidente da Renault: investimento mantido.| Foto: Rodolfo BUHRER/Divulgação

O presidente mundial da Aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, anunciou nesta terça-feira (2) a fabricação de dois novos veículos na fábrica da Renault em São José dos Pinhais, na Grande Curitiba. Os modelos serão vendidos a partir de 2017 e incrementarão o portfólio de utilitários esportivos da marca, segmento que mais cresce no Brasil. Entre eles estão o compacto Kwid, que substituirá o Clio como carro de entrada da marca, e o SUV compacto Captur. Além deles, o país receberá o modelo de maior porte Koleos, que virá inicialmente importado da Coreia do Sul e poderá ser fabricado na Argentina.

O executivo não revelou o valor dos investimentos feitos na planta para a fabricação dos novos produtos e nem disse quantos postos de trabalho serão criados, já que estes estão atrelados ao ritmo da recuperação do mercado brasileiro. Entretanto, a montadora confirmou a manutenção de um ciclo de aportes na ordem de R$ 500 milhões iniciados em 2014.

No acumulado do ano, a venda de automóveis caiu 24,7%, mas houve o esboço de uma possível reação em julho, quando os emplacamentos tiveram uma alta de 5,6%. “O Brasil deve fechar o ano com dois milhões de carros vendidos, mas se voltarmos aos patamares de anos anteriores, quando chegamos aos 3,6 milhões, poderemos contratar mais pessoas”, declarou ele.

A escolha dos SUVs como “motores” para o crescimento da Renault se deve ao sucesso da categoria no Brasil. Segundo Ghosn, o segmento responde por 15% do mercado consumidor, mas há a projeção de que essa fatia se amplie em 25% nos próximos anos. Por meio dos lançamentos, a marca quer aumentar o market share de 7,37% para 8% em até dois anos. No entanto, a meta é conquistar 10% das garagens brasileiras.

Para a produção do compacto Kwid, que será vendido como utilitário de entrada da marca, a fabricante trouxe ao país uma nova plataforma. O Brasil é o segundo a recebê-la, depois da Índia, e poderá usá-la como base para outros produtos. Entre os motores que irão equipá-lo está um inédito 1.0 de três cilindros feito exclusivamente pela montadora. Já o Captur terá a mesma base do Renault Duster, modelo com o qual conviverá lado a lado nesse segmento.

Participação no mercado

A Renault responde hoje por 7,37% do mercado brasileiro de veículos e comerciais leves. No acumulado do ano, a montadora emplacou 83.253 modelos, segundo a Federação das Concessionárias (Fenabrave). O número é 26,7% menor que o mesmo período de 2015, quando licenciou 105.465 carros.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.