i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Abertura comercial

Retomada argentina aumenta exportações de automóveis do Paraná

Mais aberta ao comércio exterior, a Argentina respondeu por 91% do aumento das exportações automotivas do Paraná em 2016

  • PorJoão Guilherme Frey
  • 12/06/2016 20:24
A Renault anunciou a contratação temporária de 550 trabalhadores para atender a uma encomenda de 8 mil veículos. | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
A Renault anunciou a contratação temporária de 550 trabalhadores para atender a uma encomenda de 8 mil veículos.| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

O resultado das exportações do setor automotivo paranaense nos primeiros cinco meses de 2016 mostra uma recuperação nas vendas externas de automóveis, autopeças e acessórios. A principal responsável por essa retomada é a Argentina, que vem se reabrindo ao comércio exterior desde a posse do presidente Mauricio Macri, em dezembro de 2015. Essa reaproximação tem beneficiado a indústria automotiva paranaense, que tradicionalmente destina grande parte de sua produção para o país vizinho.

INFOGRÁFICO: Veja o peso da Argentina para a indústria automotiva paranaense

Entre os meses de janeiro e maio deste ano, o setor automotivo do estado exportou US$ 495 milhões, US$ 163 milhões a mais que no mesmo período do ano passado. O incremento nas vendas para a Argentina foi responsável por 91% deste crescimento. Nos cinco primeiros meses do ano, a Argentina comprou 62% do total das exportações do setor no Paraná.

Siga o perfil da editoria de Economia no Twitter

Para o gerente de relações internacionais e negócios exteriores da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Reinaldo Tockus, a reinserção da Argentina no comércio exterior tem consequências muito positivas para a indústria paranaense. “A retomada da Argentina pode ser um motivador para as indústrias que estão no mercado e também para quem quer entrar. O governo argentino está favorecendo o comércio exterior, eles retiraram restrições negociais e barreiras foram aliviadas”, diz. Para ele, estas são estratégias interessantes para retirar, tanto o Brasil como a Argentina, da situação econômica em que se encontram.

Além da pauta tradicional de comércio, novos produtos ajudaram a retomada das exportações. Pela primeira vez, a fábrica da Volkswagen em São José dos Pinhais exporta componentes. Eixos traseiros produzidos na planta estão sendo enviados desde abril para a fabricação do SpaceFox na unidade de Pacheco, na Argentina. Na época do anúncio da transação, o diretor da unidade paranaense, Luis Pinedo, afirmou que a exportação das peças para a Argentina representa uma nova oportunidade de negócio para a fábrica de São José do Pinhais que, segundo ele, busca constantemente ampliar sua atuação nos mais diversos mercados.

A retomada das exportações também possibilitou a abertura de vagas no setor, que tem experimentado seguidas demissões. No fim de maio, a Renault anunciou a contratação temporária de 550 trabalhadores para a fábrica de veículos de passeio, no Complexo Ayrton Senna, em São José dos Pinhais. Segundo a montadora, as admissões são para atender a uma encomenda de 8 mil veículos dos modelos Duster, Sandero e Logan. A produção é uma demanda de quatro mercados da América do Sul – Argentina, Chile, Colômbia e Peru.

O mercado externo também tem sido o destino de boa parte da produção de caminhões da Volvo. Atualmente, 35% dos veículos vão para fora do país, especialmente para Argentina, Chile e Peru. Há três anos, este número era de 15%.

Exportações de veículos devem crescer 21% em 2016

No cenário nacional, a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) prevê diminuir a produção de automóveis em 18%. Entretanto, de acordo com um relatório divulgado na segunda-feira (06) os fabricantes acreditam em um início de reação do mercado até o fim deste ano. A previsão divulgada pela Anfavea é de que as vendas externas de veículos cresçam 21% em 2016. “No caso das exportações, a busca por novos mercados aliada ao câmbio favorável puxou o número para cima”, avalia Antonio Megale, presidente da instituição.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.