i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
PIB

Retomada em “V”? Por que o país pode crescer neste trimestre, mas encolher no próximo

  • 23/07/2020 20:57
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que a retomada da economia em "V", com uma queda profunda seguida de uma recuperação veloz, já começou, mesmo que não seja com plena intensidade.
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que a retomada da economia em “V”, com uma queda profunda seguida de uma recuperação veloz, já começou, mesmo que não seja com plena intensidade.| Foto: Pixabay

Após a onda de indicadores econômicos negativos em abril, resultados mais recentes fizeram com que o Ministério da Economia afirmasse que o pior já passou. O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, diz que a retomada da economia em "V" – ou seja, com uma queda profunda seguida de uma recuperação veloz – já começou, mesmo que não seja com plena intensidade. No mercado financeiro, o Boletim Focus aponta para uma melhora nas expectativas para o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, com a mediana das projeções para 2020 em -5,95%.

De fato, maio e junho tiveram um conjunto de indicadores positivos, como o aumento de vendas no varejo (13,9% em maio, segundo o IBGE), da produção industrial (7% de alta em maio, também de acordo com o IBGE) e da emissão de notas fiscais eletrônicas da Receita Federal (que, em junho, teve resultados positivos inclusive na comparação com 2019). Entre especialistas, entretanto, a palavra mais frequente é "cautela": não está dado que esses resultados sinalizam uma recuperação que será sustentada ao longo do tempo.

“Eu não vejo uma retomada em ‘V’. Seria bom que ocorresse, mas acho pouco provável”, diz Claudio Frischtak, economista e sócio fundador da Inter.B Consultoria. Ele atribui os resultados positivos de maio e junho a uma “descompressão” no consumo e na atividade econômica como um todo. O argumento é de que, durante o período de isolamento social, a demanda por alguns bens ficou reprimida, seja por conta da incerteza provocada pela pandemia ou pela própria impossibilidade de comprar em decorrência do fechamento das lojas físicas.

“Muitas pessoas gostam de ter a experiência do consumo presencial. Ao mesmo tempo, milhões estavam recebendo o auxílio emergencial. Mas não vejo um impulso sustentável disso nos próximos meses, porque esse elemento de repressão vai se diluir ao longo do tempo”, avalia Frischtak.

Benefício de R$ 600 impediu que resultados negativos fossem ainda piores

O auxílio emergencial é elemento chave para entender esse fenômeno. O benefício de R$ 600 já chegou a mais de 65 milhões de brasileiros, segundo o último boletim da Caixa Econômica Federal. No total, R$ 128 bilhões já foram transferidos aos trabalhadores informais, considerados os mais vulneráveis durante a pandemia. Inicialmente previsto para durar três meses, o auxílio foi prorrogado por mais dois após acordo entre o Congresso e o governo federal.

A importância do auxílio emergencial durante a pandemia, na recomposição de ao menos parte da renda dos trabalhadores afetados pela crise, é inconteste entre os economistas. Guilherme Magacho, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e professor da Universidade Federal do ABC (UFABC), explica que o auxílio conseguiu mitigar os efeitos da crise do coronavírus.

“A queda na atividade foi muito menor por conta do benefício. As melhoras que vimos nesses últimos dois meses são, em grande medida, resultado desse tipo de política”, afirma o professor. Ele salienta que, ao proporcionar algum tipo de renda a cidadãos que ficaram impossibilitados de trabalhar durante a pandemia, o auxílio provocou um efeito em cascata, movimentando toda a cadeia de consumo.

A questão é que o benefício pesa nas contas públicas: por mês, são necessários mais de R$ 50 bilhões para bancar o programa. Parece claro, portanto, que não há espaço para que o governo simplesmente torne o benefício permanente sem que haja descontrole fiscal – o que, no médio e longo prazo, teria consequências ainda mais graves para a economia brasileira.

O Ministério da Economia já cogita integrar ao menos parte dos beneficiados pelo auxílio emergencial em um novo programa de transferência de renda, mais abrangente, que se chamaria Renda Brasil. Dificilmente, porém, todos os contemplados atualmente seriam incluídos no novo programa. Além disso, o valor do benefício deve ser menor.

“Certamente, se o auxílio for retirado abruptamente, e não de forma gradual, vai haver mais um baque em uma economia já combalida”, completa o professor.

Fim do auxílio deve trazer trabalhadores de volta ao mercado – mas sem garantia de ocupação

Outro fator precisa ser considerado quando se fala na retirada do auxílio emergencial. Naturalmente, os beneficiários do programa vão voltar ao mercado de trabalho quando o programa acabar – o que deve engordar a massa de trabalhadores que não conseguem recolocação. Os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do IBGE – o indicador oficial do desemprego – já mostram que a taxa de desocupação só não cresceu ainda mais durante a pandemia porque parte dos trabalhadores simplesmente deixou de procurar emprego.

No período de março, abril e maio, a taxa de ocupação chegou a 12,9%, o que equivale a 12,7 milhões de trabalhadores sem emprego. Ao mesmo tempo,  a taxa de participação na força de trabalho caiu de 54,5% no trimestre móvel de dezembro de 2019 a fevereiro de 2020 para 49,5% entre março e maio deste ano. A próxima divulgação da PNAD Contínua, com dados de junho, será no dia 29.

“Temos que lembrar que, nesse meio tempo, empresas quebraram. Mesmo que o impacto da retirada do auxílio emergencial não seja tão grande, certamente estaremos piores no final deste ano do que estávamos quando ele começou”, diz Magacho.

Além do descompasso entre a oferta de emprego e o número de pessoas procurando uma ocupação, o economista Claudio Frischtak aponta que outros caminhos que poderiam acelerar a retomada – os investimentos e as exportações – também não devem ter resultados amplamente positivos em 2020.

Do lado dos investimentos, a incerteza deve retrair o apetite do setor privado, e o governo federal tem pouco ou nenhum espaço para aumentar os gastos públicos depois da pandemia. Nas exportações, a crise na economia mundial deve impedir que as vendas brasileiras apresentem desempenho suficiente para sustentar a segunda perna do “V” na retomada.

Gestão da crise sanitária deve ser determinante no ritmo da retomada da economia

O pano de fundo de toda essa discussão, entretanto, não pode ser deixado de lado. Afinal, de nada adianta a flexibilização do isolamento social ou a disposição em retomar as atividades se a crise sanitária não tiver sido controlada.

“É inegável que o auxílio emergencial teve um efeito e que, quando ele deixar de existir, vai haver uma redução na atividade”, concorda Luciano Nakabashi, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, vinculada à Universidade de São Paulo (USP). “Mas está ficando cada vez mais claro que o processo de retomada depende muito mais do controle do coronavírus do que de qualquer outra coisa”, avalia.

E engana-se quem pensa que basta suspender a quarentena para que tudo volte ao normal. Nakabashi aponta que, nesse caso, a retomada vai além de decisões de governos para permitir ou não a abertura da atividade econômica. “Com o coronavírus, as pessoas deixaram de interagir socialmente, o que acaba afetando a economia. O cenário de recuperação em ‘V’ é possível, mas não é o único. Não está dado. Vai depender do que estamos fazendo e do que vamos continuar fazendo para combater a pandemia. Não acho que seja provável”, completa o professor.

Com uma perspectiva mais otimista, Vitor Vidal, economista da XP Investimentos, destaca que a agenda de reformas deve ajudar a trazer mais confiança aos investidores e empresários no segundo semestre. “O cenário é muito incerto, mas eu tenho um viés mais positivo. Muita gente ganhou o auxílio emergencial e fez uma poupança, postergando o consumo para quando a vida voltar ao normal. Acho que o mais importante para o desempenho da economia neste segundo semestre vai ser a questão sanitária. Até haver um remédio ou uma vacina para a Covid-19, tudo ainda estará muito incerto”, avalia o economista.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Rafael Minoli

    ± 12 horas

    Pelo que li, não será crescimento em V, como diz o título, mas sim em W.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • M

      marcelo bergerson

      ± 8 horas

      Erro básico, típico de quem não conhece o assunto sobre aquilo que está escrevendo e nem o revisor. Patético.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcelo

      ± 10 horas

      Rafael, coloca um V grudadinho no outro que vai parecer um W. Pronto. Resolvido

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

  • K

    Kaue

    ± 12 horas

    O grande problema do Brasil (brasileiro) é que os contras (quanto pior melhor) sempre enxergam o copo meio vazio! Esses “analistas” deveriam ir opinar na economia de Cuba, Apesar de que a única coisa que conseguem fazer é “opinar” (graças a Deus)!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marise Casaccia Soares

      ± 12 horas

      Confio muito mais na equipe do Min Paulo Guedes do que na opinião do professor. Na minha área (construção civil ) há um crescimento sustentável da atividade.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • H

        Hugo

        ± 13 horas

        concordo Eden.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • E

          Eden Lopes Feldman

          ± 13 horas

          A grande verdade é que praticamos uma quarentena copiada de modelos europeus, a sociedade se retraiu, muitos pelo medo e outros por discordância, os políticos foram populistas, o STF agiu de forma ideológica contrapondo ao governo federal, que por sua vez não efetuou o diálogo de forma correta com a sociedade, deixando o espaço aberto para a imprensa tendenciosa combater o presidente Bolsonaro, que havia cortado as verbas publicitárias desagradando aos grandes grupos de imprensa no país. Em resumo, um caldeirão de confusões. Mas a recessão econômica vai perpetuar uma péssima lembrança da atuação dos políticos que defenderam a quarentena de forma irrestrita, sem diálogo com a sociedade.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          2 Respostas
          • F

            Flávio Marini Fava

            ± 6 minutos

            DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA: são esses mesmos especialistas os que afirmaram que no final de julho o Brasil teria mais mortos que os EUA? E como você sabe que o isolamento social salvou 116 mil pessoas? Por que não 97 mil, ou então 154 mil? Você conseguiu esses dados com os mesmo especialistas que disseram que o pico da pandemia sera em maio, depois mudou pra junho, passou pra julho e agora é em agosto? Muito facebook e pouco conhecimento real.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

          • D

            DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA

            ± 9 horas

            A quarentena, mesmo de forma atabalhoada e sem coordenação nacional, salvou 116 mil vidas no Brasil. O maior responsável disso tudo é Bolsonaro. Se o ministro Mandetta tivesse sido seguido, teríamos muito menos mortes e estaríamos saindo da pandemia. Hoje à pandemia está fora de controle, vivemos um platô de mortes há dois meses. A pandemia irá adentrar 2021. A Universidade de Washington projeta 197 mil mortos no dia 1° de novembro. Quando o coronavaucher e o programa de proteção aos empregos acabarem virá uma recessão brutal. O cenário está armado para o caos.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

        • O

          odimn pesch badotti

          ± 15 horas

          Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • D

            DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA

            ± 22 horas

            O coronavaucher e o programa de proteção aos empregos estão sendo os respiradores da economia brasileira neste momento. Quando eles acabarem, vai vir uma retração brutal da demanda. O consumo vai cair, empresas vão quebrar. O desemprego irá explodir. Pra piorar, o coronavírus ainda estará aí (pois pouco ou nada se fez para controlar a pandemia). Isso irá impactar o investimento e o consumo. Quem vai investir neste cenário de incertezas? Quem vai consumir, a não ser o essencial? Uma recessão brutal está contratada para os próximos meses.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • E

              Epaminondas

              ± 23 horas

              A economia ainda vai cambalear muito; o raioX atual não é fidedigno. As coisas ainda estão muito mascaradas; a ficha ainda não caiu para alguns. Quero estar enganado, mas temo por uma onda maior de crise no pós pandemia.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              2 Respostas
              • D

                DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA

                ± 21 horas

                * Não vai ser [...] (faltou a palavra ser aí no comentário acima).

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

              • D

                DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA

                ± 21 horas

                Não vai no pós-pandemia. Vai ser em plena pandemia, daqui a uns dois ou três meses. Aguarde e verá.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.