Segundo o Ministério da Economia, investimento produtivo reagiu mais rápido em 2020 do que na crise de 2008 e 2009.
Segundo o Ministério da Economia, investimento produtivo reagiu mais rápido em 2020 do que na crise de 2008 e 2009.| Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

Em nota informativa publicada nesta segunda-feira (5), o Ministério da Economia afirma que a recuperação do investimento no Brasil foi mais rápida em 2020, após a crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, do que na retomada de 2008 e 2009.

A conclusão é baseada nos resultados do PIB do quarto trimestre do ano passado, que mostram que a chamada formação bruta de capital fixo (FBCF) superou o nível do mesmo período de 2019. Assim, a recuperação teria sido antecipada em um trimestre na comparação com a retomada a partir da recessão de 2008 e 2009.

A equipe econômica do governo federal destaca que o cenário se consolida com menor participação de bancos públicos. “Cabe salientar que a melhora ocorre a despeito da menor contribuição do crédito do setor público, inclusive do BNDES. Observa-se forte elevação do crédito em 2020, cuja principal fonte são os bancos privados. Outras fontes, como emissão de dívida interna e externa e o mercado acionário, foram importantes para o financiamento às empresas”, diz trecho da conclusão do informe.

Divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a série da FBCF é formada por indicadores como a produção de bens de capital e os insumos típicos da construção civil. Por incorporar, ao menos parcialmente, o resultado das exportações líquidas das plataformas de petróleo, dados trimestrais da série podem sofrer distorções em razão da importação de plataformas em 2020.

A nota informativa afirma, a partir de estimativa da Secretaria de Política Econômica, que, mesmo excluindo do cálculo o comércio internacional de plataformas, o investimento em 2020 supera o nível anterior à pandemia do novo coronavírus. “Cabe destacar que a quantidade de trimestres necessários para superar o patamar anterior do 4T19 é igual nas duas séries.”

Segundo o documento, “o esforço de desregulamentação e de inovações no mercado financeiro, com melhor suporte de garantias, possibilitou que os bancos privados pudessem alavancar a retomada”.

“Apesar de a recessão de 2020 ter sido uma das piores em 120 anos, a rápida recuperação do investimento no Brasil se relaciona com a taxa de juros em patamares baixos, melhorias estruturais no mercado de crédito e a expectativa de um ambiente econômico mais estável, fruto do processo de consolidação fiscal”, diz o texto.

Em tom otimista, a nota afirma ainda que o investimento retorna “em bases sustentáveis”, em ambiente “de consolidação fiscal e de baixos juros reais”, como resultado “da agenda de consolidação fiscal e reformas pró-mercado, mostrando que este deve ser o caminho a trilhar”.

O documento faz a ressalva, por outro lado, de que uma piora do cenário fiscal tem potencial para desancorar as expectativas de inflação e deteriorar a trajetória inflacionária, “elevando o risco país e a taxa de juros de longo prazo”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]