i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Retratos da economia

Com demissões e pedido de recuperação, aéreas negociam “sociedade” com o BNDES

  • 09/07/2020 11:46
Aviões no Aeroporto Internacional Afonso Pena, em Curitiba, antes da pandemia.
No início da pandemia, companhias aéreas viram demanda por voos domésticos caírem 93%.| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

A queda vertiginosa da circulação de pessoas, uma consequência das medidas de distanciamento social para enfrentamento do coronavírus, provocou um choque sem precedentes no setor aéreo do mundo todo. No caso brasileiro, a crise já provocou a inclusão da Latam no pedido de recuperação judicial iniciado pela companhia nos EUA. O anúncio de que a Latam brasileira faria parte do acordo foi feito pela própria companhia nesta quinta-feira (9).

O pedido de recuperação, que envolve o acesso mais fácil a financiamentos e a elaboração de um plano de recuperação em até 120 dias, está em sintonia com as projeções para o setor. Com a maior parte da frota parada e a reabertura caminhando a passos lentos, a perspectiva é de que o retorno “à normalidade” também demore a acontecer: segundo a consultoria Bain & Company, as aéreas devem sofrer os efeitos do coronavírus ao menos até o fim de 2023.

A expectativa é de que, entre os fabricantes de aeronaves, as maiores dificuldades sejam sentidas entre os que produzem aviões de grande porte. Do lado das companhias aéreas, os efeitos também tendem a ser devastadores: segundo a Bain & Company, a demanda global por voos deve cair entre 40% e 55% em 2020.

No Brasil, a crise precipitou o rompimento do acordo entre Embraer e Boeing, avaliado em US$ 4,2 bilhões. Com o negócio desfeito, o governo deve voltar a fazer aportes na empresa, por meio da emissão de ações pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A ideia é dar liquidez à Embraer enquanto a crise durar para, depois, voltar a pensar em parcerias com outras empresas do mercado. Nesse sentido, um empréstimo de R$ 1,5 bilhão para a empresa já foi aprovado pelo BNDES.

Entre as companhias aéreas que operam no país, por sua vez, a perspectiva é de que os voos domésticos só voltem a ser como antes da pandemia em 12 ou 18 meses – isso se não houver mudanças drásticas no cenário. No pior momento, o do início da crise, a demanda por voos caiu 93% para rotas domésticas, e 100% para rotas internacionais. Os dados são da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Aos poucos, ainda de acordo com a Abear, o número de voos diários está aumentando – mas, ainda assim, está longe de ser o que era antes do coronavírus. A pior média foi registrada em abril, quando houve apenas 180 voos diários. Em maio, o número aumentou para 263; e, em junho, se aproximou dos 400. Para julho, a previsão da Abear é de que o setor registre 595 voos por dia – ainda assim, muito menos do que os cerca de 2,7 mil registrados no período pré-crise.

“Sentimos que estamos, devagar, recolocando os voos porque a demanda começa a reaparecer. Para o final do ano, a previsão é de que estaremos ao redor de 65% do que éramos antes da crise”, diz Eduardo Sanovicz, presidente da Abear.

Latam pede recuperação, e Azul deve reduzir operação pela metade

Diante dos números ruins, o valor de mercado das companhias despencou. Na Bolsa de Valores de São Paulo, as ações da Azul caíram de R$ 45,19 no início de março para R$ 21 no início de julho. As da Gol, por sua vez, foram de R$ 26,11 para R$ 20 – mas chegaram a valer apenas R$ 5,60 na metade de março.

A Latam não tem papéis comercializados na Bolsa brasileira desde 2016, mas viu seu valor de mercado derreter na Bolsa de Valores de Santiago, no Chile – e não só pela pandemia. No final de maio, o braço da companhia nos EUA entrou com um pedido de recuperação judicial, que incluiu afiliadas no Chile, Peru, Colômbia e Equador. A princípio, o pedido não havia incluído as operações no Brasil.

Mas, nesta quinta-feira (9), a companhia anunciou que fará parte do processo. O objetivo é ter acesso mais facilitado a financiamentos, por meio do mecanismo DIP (debtor-in-possession, em inglês), previsto pela legislação norte-americana para os casos de recuperação judicial.

Diante do cenário, além disso, as companhias aéreas tiveram que refazer planos e cortar gastos. De acordo com a Abear, as primeiras medidas das empresas incluíram a revisão das relações de trabalho, em negociações com os sindicatos. Antes mesmo da publicação da medida provisória 936, do governo federal – que permitiu a realização de acordos de redução de jornada e suspensão de contratos de trabalho –, as companhias já haviam costurado a revisão de salários. Todas as medidas, porém, não evitaram que houvesse demissões entre os mais de 60 mil postos de trabalho diretos oferecidos pelo setor.

A Azul, por exemplo, cortou o pagamento de fornecedores e fez acordos de redução de jornada logo no início da pandemia, buscando conservar caixa. Mas, no fim de junho, em acordo com sindicatos, a companhia estabeleceu um plano que inclui licenças não remuneradas, incentivos à aposentadoria e demissões voluntárias.

“É provável que isso não seja suficiente. Se não for, precisaremos fazer demissões. Em março, tínhamos 14 mil funcionários para voar 140 aviões. A companhia terá que ser reduzida para metade desse tamanho por algum tempo”, explicou Marcelo Bento Ribeiro, diretor de relações institucionais da Azul, em entrevista à Gazeta do Povo.

No início de julho já ocorreram as primeiras demissões. De acordo com o Sindicato Nacional dos Aeroviários, a companhia já dispensou mais de mil funcionários de terra.

A Latam, por sua vez, informou em nota que, como tem operação majoritariamente internacional, tem “negociações diferentes” com os trabalhadores. Afirmou, porém, que elas estão acontecendo ativamente, e que as propostas oferecidas aos sindicatos têm como foco principal “a preservação dos empregos e a sustentabilidade da empresa a longo prazo”.

As negociações da companhia com o Sindicato dos Aeronautas, para reduzir o salário de tripulantes por 18 meses, entretanto, ainda não foram concluídas.

A Gol informou, também em nota, que firmou com os sindicatos dos trabalhadores um "acordo inédito no mercado de aviação", com validade para os próximos 18 meses. "Os objetivos primordiais são a manutenção dos empregos e a preservação do caixa nesse momento desafiador", diz o texto. A medida abrange comandantes, copilotos e comissários de bordo, que terão redução de jornada e salários até dezembro de 2021. Além disso, o acordo também possui planos de demissão voluntária e aposentadoria. O acordo foi referendado pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Companhias aéreas compartilham rotas para manter presença no mercado

Em outra medida para tentar sobreviver ao pior da crise, Azul e Latam estabeleceram um acordo de compartilhamento de rotas domésticas que não são superpostas. “As duas empresas foram obrigadas a encolher, porque a situação exige. Mas, com esse acordo, ambas são capazes de manter uma presença maior nos mercados, ao compartilhar voos umas das outras", disse Ribeiro, da Azul.

Com a parceria, que deve ser implantada em agosto, também haverá compartilhamento dos programas de milhagem. Assim, quando viajar nas rotas incluídas no acordo, o cliente poderá escolher em qual programa de fidelidade deseja pontuar. De início, o plano envolve 50 rotas domésticas para Brasília (BSB), Belo Horizonte (CNF), Recife (REC), Porto Alegre (POA), Campinas (VCP), Curitiba (CWB) e São Paulo (GRU).

BNDES deve oferecer empréstimos e se tornar sócio de companhias aéreas

Além dos cortes de custos, o setor também negocia empréstimos com o BNDES para ter acesso a capital de giro. “O banco acenou com um pacote em que as empresas captam parte dos recursos no mercado, com bancos privados, e o BNDES complementa o valor, exigindo algumas garantias relacionadas às ações das empresas”, explicou o diretor da Azul.

Na prática, trata-se do que o ministro da Economia, Paulo Guedes, falou na reunião ministerial de 22 de abril, divulgada a partir de uma decisão do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), no âmbito do inquérito que investiga uma possível interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal.

"Não vai ter ‘molezinha’ para empresa aérea, para nada disso. É dinheiro que nós vamos botar usando a melhor tecnologia financeira lá de fora. Nós vamos botar dinheiro, e vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias", afirmou o ministro.

Segundo Marcelo Bento Ribeiro, da Azul, o BNDES “pode acabar tendo uma participação acionária” nas empresas aéreas, já que parte das garantias devem ser lastreadas nos papéis. “Não é que o BNDES vai virar dono. O banco deve passar a ter ações que vão valorizar na medida em que as empresas se recuperarem, e vai tirar parte do resultado dele com essa operação”, disse o diretor à Gazeta do Povo.

Ainda de acordo com ele, o desenho dos financiamentos deve se prolongar pelo mês de julho, já que trata-se de um arranjo “complexo”.

No caso da Latam, as negociações com o BNDES continuam. Mas, a adesão ao pedido de recuperação judicial nos EUA pode ser um indício de que as definições sobre os financiamentos estão demorando demais – e que, por isso, a empresa decidiu tentar ter acesso a liquidez por outra via.

Prorrogação de reembolso de passagens agradou setor, mas veto de Bolsonaro é criticado

No início da pandemia, outra medida do governo socorreu as companhias aéreas: a autorização para que os reembolsos de passagens que não foram utilizadas sejam feitas em até 12 meses. De acordo com as companhias, a medida foi importante porque, se todos os consumidores tentassem pedir o reembolso de uma só vez, elas não teriam caixa para honrar os pagamentos.

A prorrogação, prevista na medida provisória 925, já foi aprovada pela Câmara dos Deputados. Os parlamentares, porém, aumentaram para 18 meses o período de vigência dos créditos de passagens canceladas. O texto ainda precisa ser aprovado no Senado e sancionado pelo presidente para que tenha vigência em definitivo.

De outro lado, o setor não gostou do veto do presidente Jair Bolsonaro ao trecho da Lei 14.002 (originada da medida provisória 907) que previa alíquota zero de Imposto de Renda sobre o leasing – o aluguel de aeronaves – até 2022.

“A aviação brasileira é muito mais cara do que a internacional por conta dos tributos e do ambiente jurídico brasileiro. Se uma empresa estrangeira viesse operar aqui, gastaria 27% mais do que em seu país de origem. Isso acaba nos preços”, critica o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

Esta reportagem é parte da série "Retratos da economia", que detalha os efeitos do coronavírus sobre a economia brasileira. Os demais textos da série estão aqui.

Conteúdo editado por:Fernando Jasper
17 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 17 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • D

    Dexametasona!

    ± 2 dias

    Ah o BNDS! Ahhhhh o BNDS! Por que estas empresas não procuram o Bradesco, Itaú, Santander, Safra?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Antônio Carlos Portela Leôncio

      ± 2 dias

      Boa sacada do Ministro Paulo Guedes, o BNDS ser parceiros sócios das empresas Aéreas,uma mão lava a outra, e é interessante para as empresas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      1 Respostas
      • D

        Dexametasona!

        ± 2 dias

        Paulo Guedes não sabe de nada! Não sabia que existiam os "invisíveis". Não fosse o COVID, passaria 4 anos sem saber. É um ministro burrão, igual a toda direita brasileira. Não sabe fazer conta, não tem senso de humor, não tem senso de humanidade. É um ser desprezível. Deveria pedir as contas, fazer as malas e voltar para Chicago.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

    • F

      Freitas

      ± 2 dias

      Paulo Guedes, se você tem essa certeza toda, arrume investidores privados. Vamos ver se alguém vai entrar nessa enrascada.>>> ""Não vai ter ‘molezinha’ para empresa aérea, para nada disso. É dinheiro que nós vamos botar usando a melhor tecnologia financeira lá de fora. Nós vamos botar dinheiro, e vai dar certo e nós vamos ganhar dinheiro. Nós vamos ganhar dinheiro usando recursos públicos pra salvar grandes companhias", afirmou o ministro." >>> Vamos ganhar? Assina embaixo e dá o seu patrimônio em garantia?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • D

        DANIEL

        ± 2 dias

        Socorrer as Aéreas? Quando estavam operando no azul, as passagens com valores exorbitantes, redução de bagagem, etc... não estavam nem aí para o estado e o cidadão. Agora EU e VOCÊ teremos que socorrer o setor??? O mais engraçado é ver pequenos empresário quebrando em função de não conseguirem sequer um financiamento de 10, 20, 30KR$ no PRONAMPE para poder socorrer seus negócios e postos de emprego, que com certeza, são muito maiores que as aéras!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • W

          Willian Cardoso de Souza Jesus

          ± 2 dias

          “A aviação brasileira é muito mais cara do que a internacional por conta dos tributos e do ambiente jurídico brasileiro...". Essa fala poderia valer para quaisquer empresas de quaisquer setores do Brasil. Ela ajuda a reforçar uma constatação óbvia de que os tributos e entraves burocráticos em nosso país estão colaborando E MUITO na quebra das empresas. E como a ESQUERDA pretende solucionar toda essa crise? MAIS IMPOSTOS e MAIS GASTOS PÚBLICOS. Percebam que a ideia é criar um círculo de DEPENDÊNCIA cada vez maior DO ESTADO. Basta ver esse absurdo delas terem que vender ações para o BNDES (Estado). Não à toa GRANDE PARTE DA ESQUERDA TORCE PRO VÍRUS...OPORTUNISMO!!!

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • N

            Neto

            ± 2 dias

            Vejo que a grande maioria aqui é contra. Mas o que fazer? Deixar quebrar todo o setor aéreo brasileiro? No "novo normal" não vai mais existir viagem aérea?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            1 Respostas
            • F

              Freitas

              ± 1 dias

              Somos contra a falácia de que "vamos lucrar". Se houvesse possibilidade de lucros, investidores fariam fila para participar da recuperação da empresa. Pergunte ao Paulo Guedes se ele vai por um único centavo do seu próprio bolso. E pergunte a ele se, em caso de insucesso, ele responde com o seu patrimônio para cobrir o rombo. Esta é a questão: A FALÁCIA.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

          • T

            Tarso

            ± 2 dias

            Quando estão no lucro, arrotam estado mínimo. Na dificuldade correm mamar na teta do estado. Assim fica difícil vislumbrar um Brasil melhor.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • N

              Nico Gavelick

              ± 2 dias

              "BNDES deve oferecer empréstimos e se tornar sócio de companhias aéreas" - Que maravilha. Primeiro fazemos um isolamento que quebra as empresas. Depois, o Estado abocanha uma parcela maior dos meios de produção. Lênin deve estar orgulhoso.

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • A

                Armando

                ± 2 dias

                A tam que se tornou latam...virou um lixo.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                • D

                  Daniel M

                  ± 2 dias

                  Percebam a mudança de “Trend” da mídia do caos, de uma hora pra outra todos jornais começam a falar de crise econômica em diferentes áreas. Tá na agenda, e eles ganham pra isso.

                  Denunciar abuso

                  A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                  Qual é o problema nesse comentário?

                  Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                  Confira os Termos de Uso

                  • L

                    LUIZ PINHEIRO

                    ± 2 dias

                    O governo e o BNDES têm que estudar muito, onde vão se meter! Empresa Aérea é uma cousa complicada ... principalmente se tiver que ajudar a LATAM, pois essa empresa não é do Brasil, o nome Brasil é uma maquiagem ... a LATAM é do CHILE, com investimentos americanos ... é importante saber o que os donos da LATAM, lá do CHILE, e os americanos, vão fazer por sua empresa aérea! Quando tudo estava normal, perguntem para onde iam as polpudas RECEITAS da LATAM (abatendo seus compromissos aqui)?

                    Denunciar abuso

                    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                    Qual é o problema nesse comentário?

                    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                    Confira os Termos de Uso

                    • N

                      Neto

                      ± 2 dias

                      Devido à pandemia o setor aéreo se tornará um serviço estatal. Que tristeza mas parece não haver outra saída.

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      1 Respostas
                      • W

                        Willian Cardoso de Souza Jesus

                        ± 2 dias

                        A ideia a longo prazo é justamente essa. Se não 100% estatal, mas que o setor dependa totalmente do Estado para funcionar. O que está acontecendo no setor aéreo serve para antecipar o que grande parte da esquerda (a ala marxista) pretende para a economia brasileira. ESTATIZAÇÃO DA ECONOMIA. Quando o nosso país estava, finalmente, caminhando para o maior número de privatizações de sua história com um governo economicamente liberal, então surge o vírus chinês e cria um cenário caótico para o setor privado, quebrando diversas empresas ou fazendo com que elas tenham que vender ações para o Estado, agigantando-o ainda mais. No jogo da política e do poder, NÃO HÁ COINCIDÊNCIAS...

                        Denunciar abuso

                        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                        Qual é o problema nesse comentário?

                        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                        Confira os Termos de Uso

                    • F

                      Freitas

                      ± 2 dias

                      Vamos ser sócios de empresas que, historicamente, apresentam prejuízos?

                      Denunciar abuso

                      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                      Qual é o problema nesse comentário?

                      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                      Confira os Termos de Uso

                      Fim dos comentários.