Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A economia feita pelo governo para pagar os juros da dívida pública, o chamado superávit primário, somou R$ 4,575 bilhões em setembro, o menor resultado desde janeiro deste ano. Em agosto, o superávit havia totalizado R$ 13,182 bilhões e, em setembro de 2005, somou R$ 7,57 bilhões. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (25) pelo Banco Central.

O valor dos juros de setembro, por sua vez, foi mais do que o dobro do superávit: R$ 10,9 bilhões. A dívida pública se manteve estável, em relação a agosto, em R$ 1,09 trilhão - ou 50,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

A queda no valor da economia para o pagamento de juros em setembro deste ano está relacionada ao pagamento de metade do 13º salário dos aposentados e pensionistas no mês passado. Este é o primeiro ano no qual este pagamento é feito em setembro. Até 2005, os aposentados recebiam o benefício, em sua totalidade, em dezembro.

Em setembro, o superávit primário do Governo Central (União, Previdência Social e BC) totalizou R$ 65 millhões, enquanto que o resultado positivo dos estados e municípios somou R$ 1,994 bilhão. As empresas estatais, por sua vez, apresentaram um superávit primário de R$ 2,516 bilhões no mês passado.

"Todas as esferas de governo (Governo Central, estados, municípios e empresas estatais) apresentaram resultados positivos no mês passado. O superávit primário dos estados e municípios em setembro, de R$ 1,9 bilhão, é o melhor da série histórica para este mês", avaliou o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes. Ele disse esperar resultados melhores para outubro, novembro e dezembro.

No acumulado de janeiro a setembro 2006, o Governo Central (União, Previdência Social e BC) registrou um superávit primário de R$ 80,526 bilhões, ou 5,29% do PIB, contra R$ 86,502 billhões em igual período de 2005 (6,11% do PIB). Os estados e municípios, por sua vez, economizaram R$ 16,061 bilhões (contra R$ 19,050 bilhões em igual período de 2005) e as empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 15,041 bilhões.

Em doze meses até setembro, melhor forma de acompanhamento do resultado primário, o superávit primário do setor público somou R$ 87,530 bilhões, ou 4,28% do PIB. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, já havia antecipado nesta terça-feira (24) que o resultado em doze meses até setembro superaria a meta de 4,25% do PIB.

A meta de superávit primário para o setor público no ano de 2006, segundo informações da Secretaria do Tesouro Nacional, é de R$ 88,7 bilhões. Essa meta equivale a 4,25% do PIB. Deste modo, restam cerca de R$ 8 bilhões bilhões de esforço fiscal a serem feitos nos meses de outubro, novembro e dezembro.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]