i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Mineradora

Vale venderá supernavios se puder arrendá-los

  • PorReuters
  • 20/12/2011 17:20

A mineradora Vale poderá vender os supernavios que encomendou na Ásia sob a condição de fechar contratos com os compradores para arrendar estas mesmas embarcações. A companhia manterá a estratégia de fugir dos elevados preços à vista de frete no mercado internacional, garantindo contratos de longo prazo para transporte de minério, disse nesta terça-feira (20) o diretor executivo de Ferrosos e Estratégia da Vale, José Carlos Martins. O executivo reiterou que a Vale prefere contratos de longo prazo para transporte a ter uma frota própria. "Só partimos para construir esses navios quando não conseguimos a opção do armador", afirmou a jornalistas durante teleconferência. Nunca houve intenção, por parte da Vale, de ser dona de navios e a possibilidade de vender as embarcações sempre existiu, acrescentou. A Vale já possui contratos de arrendamento para um total de 16 navios gigantes, conhecidos no mercado como Valemax. Outros 19 navios gigantes foram encomendados para serem inicialmente da própria Vale, num total de 35 embarcações do mesmo porte. Dos que a Vale decidiu construir diretamente, 12 serão construídos na China e outros sete na Coreia. As encomendas integram a estratégia da Vale para reduzir custos de frete no mercado internacional, considerando que a maior parte do minério que exporta do Brasil tem a Ásia como destino - e a distância é uma desvantagem em relação a suas concorrentes. A estratégia de substituir navios contratados no spot por embarcações próprias ou contratadas no longo prazo foi iniciada há alguns anos pelo ex-presidente Roger Agnelli, quando os valores começaram a afetar a competitividade da companhia. O presidente atual da Vale, Murilo Ferreira, admitiu a possibilidade de vender as embarcações depois que a China, o principal destino do minério da Vale, começou a impedir a entrada dos navios em seus portos. Oficialmente, o país alegava que o tamanho das embarcações poderia causar algum dano ao país, mas o mercado avalia que a China não abre mão do controle do mercado de transporte no seu território. Como alternativa, Martins afirmou que a Vale poderá aportar em portos de países vizinhos, como a Malásia, onde a companhia investe em operações portuárias. A Vale pode começar a operar um centro de distribuição de minério de ferro nas Filipinas no começo do próximo ano, dois anos antes em relação a uma unidade similar na Malásia, segundo uma fonte disse à Reuters.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.