Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Loja do Baú em Maringá: rede tem 100 lojas no Paraná | Fábio Dias/ Gazeta do Povo
Loja do Baú em Maringá: rede tem 100 lojas no Paraná| Foto: Fábio Dias/ Gazeta do Povo

A reestruturação do Grupo Silvio Santos, após a venda do Banco PanAmericano, deve ter mais um capítulo nos próximos meses: a venda do braço varejista Baú da Felicidade. De acordo com o vice-presidente do grupo, Lázaro do Carmo Jr., o negócio deve ser fechado entre 60 e 90 dias e segue a venda da Braspag, de processamento de pagamentos on-line, para a Cielo, anunciada na terça-feira.

Depois de perder o PanAme­ricano, após uma fraude contábil que gerou um rombo de R$ 4 bilhões no banco, o Grupo Silvio Santos decidiu se reestruturar para não sofrer os impactos da venda da instituição financeira. Sílvio Santos ainda avaliava ter perdido a corrida no varejo com a consolidação de grandes redes como Pão de Açúcar-Casas Bahia e a Máquina de Vendas, que nasceu da fusão da Insinuante com a Ricardo Eletro.

A varejista paranaense MM Mercadomóveis saiu na frente e, em novembro do ano passado, fez uma oferta, mas o negócio não avançou. Em dezembro, o bilionário mexicano Ricardo Salinas, que tem 30 lojas de sua rede Elektra no Nordeste, também entrou na disputa. O executivo não quis revelar o preço que o grupo está pedindo pelas 127 lojas da rede do Baú, das quais 100 estão no Paraná e as restantes em São Paulo.

O grupo diz que vai focar em três pilares "estratégicos" nos próximos cinco anos: consumo, com a Jequiti Cosméticos; comunicação, com o SBT; e capitalização, concentrando esforços na Liderança Capitalização (Tele Sena). "Nós éramos um grupo muito pulverizado e resolvemos focar naquilo que é o nosso grande conhecimento. Assim, o foco dos investimentos será nos mercados de maior potencial para nós", afirma Carmo. "O banco não vai fazer mais falta para a gente."

Dentro desse plano, o grupo decidiu se desfazer da Braspag e do Baú. Outras empresas, como a seguradora Panseg, a construtora Sisan e os hotéis Jequitimar, permanecem no conglomerado, mas sem grandes investimentos, diz o executivo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]