i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
amadorismo

5 trapalhadas do MEC em menos de 3 meses de governo

  • PorGazeta do Povo
  • 27/03/2019 12:03
O ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Foto: Renato Costa | Estadão Conteúdo
O ministro Ricardo Vélez Rodríguez. Foto: Renato Costa | Estadão Conteúdo| Foto: ESTADÃO CONTEÚDO

Em menos de três meses de governo, o ministro Ricardo Vélez Rodríguez já exonerou dezenas de pessoas em postos-chave no Ministério da Educação (MEC), voltou atrás em várias decisões e tomou uma série de medidas desastrosas.

Classificada como insossa ou fraca por alguns e desastrosa por outros, a administração de Vélez à frente do MEC consegue desagradar militares, bolsonaristas de todas as tribos, seus próprios ex-alunos, sem contar, é claro, a oposição.

Confira alguns dos fatos mais criticados até agora.

DIÁRIO DE CLASSE: O mínimo que você precisa saber para entender o que acontece dentro de escolas e universidades

Leia também: USP produz muito, mas está atrás da UFSC em impacto no Leiden Ranking

1. Confusão no edital de compra de livros didáticos

Em janeiro, uma mudança no edital para a compra de livros havia deixado de exigir das editoras referências bibliográficas nas obras (essencial para a qualidade de uma publicação).

Em nota, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, disse que a versão do edital, publicada no segundo dia de governo do Bolsonaro, era de responsabilidade da gestão Michel Temer. O ex-ministro da Educação na gestão de Michel Temer, Rossieli Soares, porém, negou essa versão. Até hoje, o MEC não explicou o que de fato ocorreu com o documento.

2. “O brasileiro viajando é um canibal”

Em 1º de fevereiro, uma entrevista de Vélez à revista Veja enfureceu a opinião pública.

Em um determinado momento, para defender a volta da educação moral e cívica nos currículos escolares, Vélez usou como exemplo os “adolescentes que viajam”. “O brasileiro viajando é um canibal. Rouba coisas dos hotéis, rouba assentos salva-vidas do avião; ele acha que sai de casa e pode carregar tudo. Esse é o tipo de coisa que tem de ser revertido na escola”.

A frase infeliz e a reação negativa de diversos setores da sociedade fizeram com que Vélez fosse tachado abertamente de “despreparado” para estar à frente do MEC.

E Vélez demorou para responder. Só no dia 18 de fevereiro, após ser notificado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para se explicar pelo ocorrido, o ministro pediu desculpas no Twitter.

3. Hino nacional com slogan de Bolsonaro nas escolas

Talvez um dos erros mais primários cometidos pelo MEC foi o de enviar uma carta a escolas públicas e particulares do país pedindo para que os diretores colocassem os alunos em fila para cantar o hino nacional e lessem uma mensagem, assinada por Vélez, que terminava com o slogan de campanha de Bolsonaro “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. O ato deveria ser filmado e enviado ao MEC.

Novamente, uma enxurrada de críticas inundou os canais do MEC. O ministro, no dia seguinte, afirmou ter percebido o erro de pedir a leitura do slogan e voltou atrás.

O equívoco, porém, trouxe à tona do grande público a guerra interna entre diferentes grupos no MEC. Seguidores do ex-assessor especial de Vélez, o coronel-aviador da reserva, Ricardo Roquetti, acusam uma ala “mais ideológica”, os alunos do escritor Olavo de Carvalho e seus amigos, pela ideia de enviar a carta às escolas. Já os "olavistas" ou "olavetes", como são conhecidos os integrantes da “ala ideológica”, culpam Roquetti pela ideia, julgando ainda que ele teria instigado o ministro com o objetivo de desmoralizá-lo. Nenhuma dessas versões foi confirmada.

4. Secretaria Executiva acéfala: MEC troca três “número 2” em menos de uma semana

A pressão do escritor Olavo de Carvalho também seria responsável pela demissão do Secretário Executivo do MEC Luiz Antonio Tozi, ligado a Roquetti, com confirmação dada pelo ministro em 12 de março.

Nos dois dias seguintes Vélez fez anúncios para o cargo que não se confirmaram. Primeiro, o Secretário Executivo seria Rubens Barreto da Silva. Depois, a escolhida para o cargo, em informação dada pelo próprio ministro no Twitter seria Iolene Lima.

Porém, na última sexta-feira, 22 de março, Iolene Lima comunicou no Twitter que não seria mais nomeada como secretária executiva do MEC. Em mensagem ela simplesmente afirmou que "não sabia o que dizer".

Muito menos Vélez, que permaneceu em silêncio sobre o tema e, até hoje, não anunciou quem ocupará o cargo de Secretário Executivo – função mais importante do MEC, depois da de ministro.

5. A portaria da discórdia: avaliar ou não o nível de alfabetização das crianças?

Outra trapalhada do MEC foi a publicação e a revogação de portaria que suspendia a avaliação do nível de alfabetização das crianças, a famosa “Provinha Brasil” até 2021.

O caso levou à demissão de Marcus Vinicius Rodrigues, ex-presidente do Inep, órgão responsável por essas e todas as outras avaliações do governo, como o Enem.

Marcus saiu do governo atirando: disse ter saído por discordar de comissão criada para analisar as questões do Enem e por tentar barrar integrantes de perfil ideológico e ligados ao filósofo Olavo de Carvalho. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Rodrigues afirmou ainda ter sido convencido pelo secretário de Alfabetização, Carlos Nadalim, a cancelar a avaliação de alfabetização no país.

Caso o governo seguisse com a ideia de não avaliar as crianças, ficaria 5 anos sem aferir o nível de alfabetização nos primeiros anos. No último levantamento, realizado em 2016, mais de 50% das crianças não estavam alfabetizadas no 3º ano do ensino fundamental.

Leia também: Milhões não sabem escrever um simples bilhete. Governo propõe mudança de estratégia para reverter quadro

>>>READ IT ON WISE UP NEWS<<<

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.