Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Educação
  3. Alunos e palestrante são expulsos a tapas da USP por manifestantes de extrema-esquerda

confusão

Alunos e palestrante são expulsos a tapas da USP por manifestantes de extrema-esquerda

Vídeo mostra grupo de alunos da faculdade expulsando presidente do movimento aos gritos de fascista. Dois estudantes de ensino médio que assistiam à programação dizem ter sido agredidos pelos manifestantes

  • Filipe Albuquerque Especial para a Gazeta do Povo
Vídeo registra momento em que um dos participantes do simpósio é agredido | Facebook Diário Online da Causa Operária/Reprodução
Vídeo registra momento em que um dos participantes do simpósio é agredido Facebook Diário Online da Causa Operária/Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quatro vídeos publicados na última quarta-feira (29) pela página do Diário Online da Causa Operária no Facebook mostram um grupo de jovens expulsando do campus da USP (Universidade de São Paulo) o presidente da Frente Integralista Brasileira, Victor Emanuel Barbuy. O fato ocorreu naquela tarde, quando Barbuy seria um dos palestrantes do 6º Simpósio de Filologia e Cultura Latino-Americana, realizado nas dependências da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). 

O evento, que não tem qualquer ligação com o integralismo, foi organizado pelo Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas e o Grupo de Pesquisa América România da própria faculdade. O site do simpósio informa que estariam aptos a participar da programação professores, pós-graduandos e graduandos. Segundo o site da frente integralista, Victor Barbuy é advogado e mestre em direito civil pela Faculdade de Direito do Largo São Francisco, da USP. 

O vídeo da expulsão de Barbuy mostra estudantes seguindo o integrante da frente integralista pelo campus aos gritos de “fascista, racista, não passarão”, “recua fascista”, “lugar de fascista é na ponta do fuzil” e “voa, galinha verde”, o último em referência à camisa verde utilizada pelos integralistas e ao episódio ocorrido em 7 de outubro de 1934, quando integrantes do movimento liderado por Plínio Salgado e a Frente Única Antifascista se enfrentaram na Praça da Sé, centro de São Paulo. Três dias depois do confronto, conhecido como o “A Batalha da Sé” ou “A Revoada dos Galinhas Verdes”, a publicação marxista Jornal do Povo estampou a manchete redigida pelo humorista Barão de Itararé: Um integralista não corre... voa!. 

Ao postar o vídeo, a página do Diário Online da Causa Operária utilizou as frases “fascistas, não passarão”, “ato contra os fascistas na USP”,  “lugar de fascista é na ponta do fuzil”. Um dos vídeos mostra ainda Barbuy indo embora do campus de ônibus enquanto é xingado pelo grupo de alunos. 

Estudantes agredidos

Na quinta-feira (30), um estudante do terceiro ano do ensino médio publicou em sua página também no Facebook um post em que afirma ter sido agredido por alunos da FFLCH enquanto ele e um amigo participavam, como espectadores, do simpósio. 

A programação, afirma o estudante, de 17 anos, teria sido interrompida por alunos da faculdade, parte do grupo que teria expulsado Barbuy. 

Em um post no Facebook, o jovem contou que ele e o amigo foram ao simpósio interessados na palestra de Barbuy, sobre municipalismo, sistema político que pede mais autonomia aos municípios e descentralização da administração pública, e também por certa simpatia às ideias do palestrante. 

“Quando cheguei, vi que o professor tinha acabado de ser expulso”, conta. Ele explica que, segundo as contas da Polícia Militar, as manifestações contra o membro da frente integralista reuniram cerca de 200 alunos da FFLCH. 

Ainda de acordo com o estudante, ele e o amigo decidiram permanecer na sala para tentar assistir à palestra que viria a seguir – segundo ele, sobre a vida de Frei Galvão, ministrada por um professor que ele identificou como sendo formado na USP –, que, diz o rapaz, teria sido interrompida por um grupo menor de alunos da faculdade. Ele diz que esse segundo grupo explicou que Barbuy foi expulso por representar “uma ameaça à democracia”. 

“A certa altura, começaram a xingar todos que estavam lá [na sala] de fascistas, inclusive o professor que havia assumido a palestra, como se fosse uma espécie de Mussolini. Foi uma situação cômica”, recorda. Ele diz ter achado graça e, com seu amigo, deram risada da situação, “mas sem provocação, sem dar gargalhada”. Um dos alunos que explicavam a expulsão de Barbuy teria visto e ido até eles. “Um malandro (sic) que devia ter uns 20 anos, fortão, veio tirar satisfação. Chamou a gente de integralista, fascista, que era melhor baixar a bola e que estava cheio de gente lá louco para dar porrada em gente como nós”. 

Ele explica que não adiantou avisá-los que ambos não eram integralistas e que estavam ali como estudantes, interessados no assunto. Foram expulsos e agredidos na porta da sala por um grupo de cerca de 20 alunos, alega. Ainda de acordo com o estudante, um outro grupo ainda os perseguiu na saída da faculdade. Eles registraram boletim de ocorrência na delegacia da Cidade Universitária. 

Em sua página no Facebook, Victor Barbuy relata a agressão aos dois estudantes e diz que outras pessoas teriam sido ameaçadas com pedaços de pau. Ainda de acordo com o estudante do ensino médio, alguns alunos que expulsaram o presidente da frente integralista usavam camisetas do PCO (Partido da Causa Operária), partido de extrema-esquerda. A reportagem tentou contato com o Barbuy, mas até o momento não conseguiu localizá-lo. 

Em nota, a direção da FFLCH informa ter tomado conhecimento do que aconteceu durante o evento, e declara que vai tomar as providências institucionais para apurar o episódio. “A Direção condena veementemente qualquer forma de intolerância e de agressividade na vida acadêmica", conclui.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE