143224

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Educação
  3. Em congresso, professores cantam hino da União Soviética e gritam “Lula Livre”

‘resistência’

Em congresso, professores cantam hino da União Soviética e gritam “Lula Livre”

Docentes universitários já começam a se articular contra o governo Bolsonaro, o qual acusam de ser protofascista, entreguista e de extrema direita

  • Isabelle Barone
“Resistir ao governo Bolsonaro, em defesa da democracia e dos direitos: abaixo a contrarreforma da previdência! Lula Livre!”. Essa é a principal pauta do sindicato em 2019 | Reprodução
“Resistir ao governo Bolsonaro, em defesa da democracia e dos direitos: abaixo a contrarreforma da previdência! Lula Livre!”. Essa é a principal pauta do sindicato em 2019 Reprodução
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

De punhos cerrados ao ar - símbolo universal de enfrentamento e resistência - professores universitários cantam a Internacional, hino entoado por movimentos comunistas, socialistas e anarquistas, e que teria sido adotado como canção da União Soviética entre 1922 e 1944. Ao fim da apresentação do saxofonista Marcos Cardoso, da escola de música da UFPA, os docentes gritam “Lula Livre!”, repetidas vezes. O episódio aconteceu no 38º Congresso do Andes-SN (Associação Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior), em Belém, no Pará, nesta segunda-feira (28). 

Vídeo do momento:

Agenda

A cena, no entanto, apenas marca o início do evento, que vai até sábado, dia 2. Um documento divulgado pelo site da Andes, no fim de 2018, já deixava claro a orientação das ações do Sindicato Nacional para o ano de 2019: “Resistir ao governo Bolsonaro, em defesa da democracia e dos direitos: abaixo a contrarreforma da previdência! Lula Livre!” e, ainda, “Centrar na reorganização da classe e no embate, certamente de resistência, à onda de orientação fascista que irá ocupar o Estado”.

As principais pautas do sindicato:

  • Defesa da Previdência pública - "Não mexam na Previdência”.  
  • Defesa da Universidade pública, revogação da EC 95. Defesa de sua integridade, de sua autonomia e da liberdade de ensinar e aprender de seus professores e estudantes.  
  • Defesa da Ensino Público nos três níveis contra o “ajuste” (consequência da EC 95) e também contra os ataques reacionários da "Escola sem partido”. Barrar a “Escola sem Partido”.  
  • Contra as privatizações, defesa do serviço público, das estatais, patrimônio do povo brasileiro, do Pré-Sal e das riquezas minerais em geral, e dos mananciais de água.  
  • Defesa dos direitos dos servidores e do serviço público estaduais. Barrar as privatizações operadas no contexto das renegociações das dívidas.  
  • Lula Livre, em defesa da democracia, das liberdades e dos direitos.  
  • Defesa dos sindicatos e das organizações dos trabalhadores.

A Andes também convocou os docentes a uma “campanha urgente contra a direita, através da proliferação dos comitês de luta contra o golpe e contra os fascistas, levantando a bandeira da liberdade para Lula”, “Por uma frente de luta que coloque em movimento uma mobilização contra os fascistas da ‘escola sem partido’, pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas”. No texto, o atual governo é caracterizado como “de viés autoritário, protofascista e entreguista e de extrema-direita”.

Greve nacional

À Gazeta do Povo, alguns docentes, que falaram anonimamente, relataram a possibilidade de que seja convocada uma greve nacional de professores universitários. Mas, até o momento, não há confirmação sobre isso. O tema pode ser discutido no evento.

A expectativa da Andes é de que 600 docentes universitários de todo o país participem do congresso até o dia 2.

Confira o documento completo:

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE