i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Estrangeiros

Escolas dão suporte a falantes nativos

  • PorCarlos Coelho
  • 16/02/2010 21:02
Nascida nos Estados Unidos, Giulia fala inglês em casa para manter a fluência e estuda diariamente para desenvolver a gramática | Pedro Serápio/Gazeta do Povo
Nascida nos Estados Unidos, Giulia fala inglês em casa para manter a fluência e estuda diariamente para desenvolver a gramática| Foto: Pedro Serápio/Gazeta do Povo

Filha de pais brasileiros, a estudante Giulia de Vivo Barsotti, de 8 anos, nasceu e passou os primeiros anos de sua infância nos Estados Unidos – onde a família morava. Foi ainda na terra do Tio Sam que ela aprendeu a falar. O convívio diário com o idioma a tornou fluente em inglês. "Ela fala como qualquer pessoa nascida lá, com o mesmo sotaque e as mesmas gírias utilizadas pelos norte-americanos", diz a mãe, Luciana de Vivo Ribeiro.

Em 2007, no entanto, a volta ao Brasil coincidiu com o início das aulas de inglês em sua escola. Naquele momento houve o seu primeiro encontro com a gramática. "Como ela é uma menina muito esforçada, estudou bastante e conseguiu aprender e resolver esse descompasso entre a fluência e a formalidade", afirma a mãe.

Desafio tão grande quanto balancear gramática e conversação, ensinar crianças e adolescentes falantes nativos também deve ser preocupação das instituições de ensino, defendem os especialistas. Para atender Giulia, a sua escola, a Nova Geração, optou por uma grade normal, mas com o professor atento às suas habilidades. "Nossa metodologia supria as necessidades dela", diz a sua professora, Juliana Lazari.Outra opção, ainda mais focada nesse público, são as chamadas escolas bilíngues. Apesar de receberem grande quantidade de alunos vindos de fora, a maioria também aceita estudantes brasileiros. "A diferença é que lecionamos o idioma não só para ser aprendido como uma língua estrangeira. Queremos que o idioma seja a segunda língua do aluno, que ele tenha contato com ela rotineiramente", diz Kelly Thomé, diretora da Little Kids – escola bilíngue de ensino fundamental.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.