Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

ferramenta

Gazeta do Povo tira do ar “Monitor da Doutrinação”. Entenda por quê

Reação de professores, parte dos leitores, advogados e empresárias levou o jornal a refletir se a ferramenta era condizente com sua finalidade editorial e personalidade

  • Gazeta do Povo
A confiança entre aluno e professor é essencial para o bom funcionamento do ensino e da sociedade. | Bigstock
A confiança entre aluno e professor é essencial para o bom funcionamento do ensino e da sociedade. Bigstock
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Na quarta-feira (6), a Gazeta do Povo pôs no ar uma ferramenta que se propunha a receber relatos de doutrinação ideológica nas salas de aula brasileiras, que seriam publicados após rigorosa apuração jornalística. O “Monitor da Doutrinação” provocou forte repercussão entre parte dos leitores, como também entre professores e seu sindicato no Paraná, advogados e empresárias.

 

A reação nos levou a refletir se a ferramenta era condizente com o papel da comunicação, a finalidade editorial e a personalidade da Gazeta do Povo. Se contribuía efetivamente para a construção de um ambiente permanente de debate cordial e construtivo. Se nos colocávamos de forma amiga, respeitosa e inspiradora para fortalecer a educação brasileira. Se estávamos, de fato, cumprindo o propósito de dar poder às pessoas para compreender e transformar para melhor o seu ambiente. Se colocávamos, nesta ferramenta, a comunicação a serviço do desenvolvimento de nossa terra e nossa gente, como é missão deste veículo. 

 

Como regra geral, em todas as áreas e temas de cobertura, buscamos uma visão mais propositiva. São mais valiosos modelos inspiradores do que a simples denúncia – o que não reduz a relevância e importância da denúncia para a sociedade e o exercício do jornalismo. 

 

Após essa reflexão, dizemos com total tranquilidade que concordamos em parte substancial com críticas contidas na nota da APP-Sindicato, divulgada na sexta-feira (8). Embora nem de longe fosse nossa intenção, a ferramenta acabava por “incitar, na escola, o clima de denuncismo e perseguição”. 

 

Uma sociedade é mais forte quanto mais sólidos forem os laços de confiança entre seus membros. Aquilo que o político e diplomata francês Alain Peyrefitte definiu como sociedade de confiança: “o elo social mais forte e mais fecundo é aquele que tem por base a confiança recíproca – entre um homem e uma mulher, entre os pais e seus filhos, entre o chefe e os homens que ele conduz, entre cidadãos de uma mesma pátria, entre o doente e seu médico, entre os alunos e o professor, entre um prestamista e um prestatário, entre o indivíduo empreendedor e seus comanditários – enquanto que, inversamente, a desconfiança esteriliza.” 

 

Um dos grandes males da sociedade é a quebra de confiança. Estimular essa ruptura, no segmento que for, é capaz de ferir mortalmente a democracia e a busca pelo bem comum. O dano é amplificado quando se trata de crianças e jovens ainda sem maturidade para avaliar corretamente se a postura de quem está diante de si para ensiná-los é adequada ou não. 

 

Entendemos, ainda, ser impossível que se prescinda totalmente de que se acredita. Nossos valores e visão de mundo são pano de fundo para nossos atos e manifestações. É algo inafastável da realidade humana. Naturalmente, vale também para docentes. Portanto, torna-se utópico querer que, em sala de aula, o professor apresente um conteúdo sem que isso seja influenciado por aquilo em que ele acredita. 

 

Por outro lado, não concordamos com situações de abuso. Elas existem e têm se tornado muito frequentes, tanto com a manifestação recorrente de opiniões de caráter partidário quanto com a exposição de temas moralmente inadequados. Temos total certeza de que é possível identificar abusos e desvios. Cabe, portanto, ao jornalismo o trabalho de identificar e apurar essas situações. 

 

Quando se deparar com estes casos, a Gazeta do Povo não deixará de atestar sua veracidade e publicá-los após rigorosa apuração jornalística. Porém não mais com o uso do “Monitor da Doutrinação”, tirado do ar a partir do momento da publicação deste texto. 

 

Este não é – como jamais foi – o foco único da editoria de Educação da Gazeta do Povo. Indicamos caminhos bem-sucedidos pelo mundo, como os modelos do Chile, da Coreia do Sul, da Finlândia e de Cingapura. Mostramos práticas inovadoras como os benefícios de se ensinar economia básica na escola, o uso da meditação para reduzir problemas de disciplina, o “whole brain teaching” e técnicas para estimular a leitura nas crianças em tempos de smartphone sempre à mão. Discutimos políticas públicas como associações entre municípios para a gestão da educação e a Base Nacional Curricular Comum

 

Contamos com a compreensão daqueles que se sentiram atingidos pessoal ou profissionalmente pela ferramenta. Também com a confiança daqueles que têm na Gazeta do Povo um jornal que traz olhar e valores únicos sobre as diversas áreas de cobertura. Seguimos em frente em nossa missão como veículo de comunicação, sempre abertos a reforçar a permanente reflexão sobre nosso papel sempre que os leitores e a sociedade assim desejarem.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE