Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

ensino

Greve no IFPR afeta 16 dos 20 campi da instituição

Cerca de 5,5 mil alunos foram afetados até o momento

  • Angieli Maros
Adesão à greve do IFPR de Curitiba chega a 30% | Aniele Nascimento/Aniele Nascimento
Adesão à greve do IFPR de Curitiba chega a 30% Aniele Nascimento/Aniele Nascimento
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A onda de mobilizações que compromete os serviços públicos no estado cresce nas instituições de ensino. Além da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que iniciou nesta quarta-feira (12) uma greve por tempo indeterminado, professores e técnico-administrativos do Instituto Federal do Paraná (IFPR) também estão de braços cruzados, afetando aulas em 16 dos 20 câmpus do instituto espalhados pelo estado. A paralisação, de acordo com a assessoria de comunicação do IFPR, afeta cerca de 5,5 mil alunos do total de 18.902, matriculados em cursos de nível médio e superior, presenciais e a distância.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Educação Básica, Técnica e Tecnológica do Paraná (Sindiedutec), a paralisação atinge, em média, 70% dos trabalhadores das unidades do IFPR. O órgão não tem uma estimativa da quantidade de servidores em greve porque o número varia muito em cada uma das cidades que possuem câmpus do IFPR. A paralisação dos técnico-administrativos começou no dia 22 de junho. Já os professores tentaram uma nova negociação com o governo, mas, sem respostas, decidiram cruzar os braços na terça-feira passada (28).

Desde então, a adesão à greve já afeta 16 câmpus do IFPR. As únicas unidades que ainda não têm paralisação declarada são as de Londrina, Cascavel, Pinhais, União da Vitória e Pitanga, além dos câmpus avançados (que funcionam como extensão de unidades maiores) de Astorga, Barracão, Capanema e Quedas do Iguaçu.

Em Curitiba, 30% dos professores e técnico-administrativos estão em greve. Por enquanto, as únicas unidades que paralisaram 100% dos serviços foram as de Foz do Iguaçu e Palmas.

Até agora, segundo o Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes), já chega a 45 o número de instituições federais de ensino com greve deflagrada.

Reivindicações

Os servidores representados pelo Sindiedutec rejeitam o reajuste de 21,3% oferecido pela União – já menor que o exigido inicialmente pela categoria de todo o país, que era de 27%.

O montante oferecido seria pago em quatro parcelas, entre 2016 e 2019. Com isso, a reposição média seria em torno de 5,2% ao ano, enquanto só neste ano a inflação superou a taxa de 9%. “É uma proposta que traz perspectivas muito abaixo da inflação. Sendo assim, os professores e técnicos já começariam o próximo ano com defasagem salarial”, alega o presidente do sindicato, Nilton Brandão.

Por enquanto, o governo federal diz que só vai reabrir a discussão sobre o reajuste em 2017, caso a inflação saia do controle. Fora isso, o governo também se comprometeu a reajustar o auxílio-alimentação e o auxílio-saúde em 22,8% e o auxílio-creche em 317,3%, já que o valor não é reajustado desde 1995.

Na semana passada, o movimento organizado pelo Fórum dos Servidores Públicos Federais entrou com um novo pedido, que seria um reajuste de 19%, em uma única parcela, para corrigir as perdas inflacionárias de 2010 a 2015. A adequação, que ainda não foi avaliada pelo governo, valeria para todas as categorias de servidores federais em greve.

O Sindiedutec informou, no entanto, que os professores não concordam completamente com a nova proposta, porque ela não leva em conta os índices de reajuste já aplicados a cada uma das categorias entre 2012 e 2012 e porque contempla apenas a variação da inflação até junho deste ano. Outro problema visto pelo sindicato é que o índice não foi elaborado com base nos cálculos do Dieese, e sim INPC, que aponta uma inflação menor no período.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Educação

PUBLICIDADE