112424

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Educação
  3. MEC autoriza mais 13 cursos de Direito; OAB chama de “estelionato educacional”

reação

MEC autoriza mais 13 cursos de Direito; OAB chama de “estelionato educacional”

Moção ao Conselho Federal da OAB pede pressão sobre o governo para que sejam suspensos novos cursos de Direito nos próximos 10 anos

  • Da Redação
 | Bigstock
Bigstock
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Já se tornou uma constante: a cada aprovação de uma nova leva de cursos de Direito no Brasil, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e suas seccionais lamentam o que eles chamam de “estelionato educacional”. Foi o que ocorreu mais uma vez nesta segunda-feira (23), quando o Ministério da Educação (MEC) publicou no Diário Oficial da União a autorização para 44 graduações, 13 delas em Direito.

Leia também: MEC suspende por 5 anos a criação de cursos de Medicina no País

“De maneira irresponsável, o Ministério permite o funcionamento de instituições sem levar em consideração a qualidade de ensino”, escreveu em nota o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia. “A troca de favores estabelecida ao longo das últimas décadas transformou o Brasil em uma pátria de bacharéis enganados por algumas instituições de ensino preocupadas unicamente com o lucro”.

O Brasil conta hoje com 1.262 cursos jurídicos de nível superior.

Moratória de 10 anos

Depois da suspensão de novos cursos de Medicina no país, por um período de cinco anos, a OAB Paraná aprovou uma proposta, em fevereiro, de petição ao Conselho Federal da Ordem para que interceda junto ao Ministério da Educação para bloquear a abertura de novos cursos de Direito no país por um período de 10 anos. Segundo a assessoria de imprensa da seccional, uma moção similar teria sido ratificada pelos presidentes das 27 seccionais, no começo do mês.

“Hoje, em plena redução do mercado de trabalho na era da revolução tecnológica e das mudanças que são vistas diariamente no mercado, autorizar novos cursos sem nenhuma perspectiva para esses jovens que irão optar pelo Curso de Direito é profetizar uma frustração futura e promover a castração de sonhos”, enfatizou o Presidente José Augusto Araújo de Noronha.

Leia também: MEC planeja mudanças no ensino superior para focar no mercado de trabalho

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE