Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Randolfe Rodrigues, integrante da Comissão de Educação, Marcelo Castro,  presidente dessa comissão no Senado
Randolfe Rodrigues, integrante da Comissão de Educação, Marcelo Castro, presidente dessa comissão no Senado| Foto:

A Comissão de Educação do Senado aprovou uma série de requerimentos, nesta quinta-feira (31), para convidar membros do governo federal e prefeitos para serem ouvidos sobre as suspeitas de irregularidades no Ministério da Educação (MEC). A comissão aprovou um convite e uma convocação ao comandante interino da pasta, Victor Godoy Veiga, e também um pedido de informações ao ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner Rosário. Além disso, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) já mencionou a possibilidade de recolher assinaturas para instaurar a CPI do MEC.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

Há suspeita de que houve facilitação no acesso a recursos públicos do MEC a prefeitos mediante a intermediação de pastores e também indícios de tráfico de influência dentro da pasta. Nesta quinta, requerimentos aprovados também citam 12 prefeitos, mas nem todos serão chamados ao Senado.

O ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, convidado para falar à comissão, não compareceu - como já era esperado. A saída dele da pasta ocorreu após a divulgação de áudios relacionados a essas suspeitas. Ele entregou o cargo na segunda-feira (28) e o pedido de exoneração foi aceito pelo presidente Jair Bolsonaro (PL).

Para aprofundar as investigações sobre o MEC, senadores que integram a Comissão de Educação já falam em recolher assinaturas para a instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) - a CPI do MEC. Um deles é o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) - membro da Comissão de Educação e que também integrou a CPI da Covid. Rodrigues se referiu às suspeitas como "a mais grave crise ocorrida no âmbito da educação na história republicana".

Ao que tudo indica até o momento, também seria mais uma tentativa da oposição de tentar desgastar o governo Bolsonaro às vésperas das eleições 2022 - a exemplo do que foi feito na CPI da Covid.

Já o presidente da Comissão de Educação, Marcelo Castro (MDB-PI), adotou uma postura mais cautelosa e afirmou que é preciso agir com prudência. Além das pessoas já citadas, Castro quer que o presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Marcelo Lopes da Ponte, e os pastores citados nas denúncias sejam ouvidos pela Comissão de Educação. Mas, para Castro, a CPI deve ser instaurada somente se ao fim das oitivas na comissão ainda restarem dúvidas envolvendo o MEC e se houver a convicção de que as investigações devem ser aprofundadas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]