i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Universidades federais

Alunos de baixa renda ocupam 43% das vagas

Pesquisa nacional revela perfil dos universitários. Bolsas de estudo e outros benefícios são o caminho para diminuir a evasão no ensino superior

  • PorDa Redação
  • 03/08/2011 21:04
As universidades do Sul, como a UFPR, são as que têm menos alunos de baixa renda | Daniel Castellano/ Gazeta do Povo
As universidades do Sul, como a UFPR, são as que têm menos alunos de baixa renda| Foto: Daniel Castellano/ Gazeta do Povo

Perfil

O estudo feito pela Andifes em universidades federais do país revela que:

2,5% dos alunosmoram em residência estudantil.

15% participamde programas que custeiam total ou parcialmente a alimentação.

10% recebembolsa de permanência.

56% usamtransporte público para ir às aulas.

53,5% das vagassão ocupadas por mulheres.

55,5% moramna casa dos pais.

70% têm a internetcomo principal fonte de informação.

15% consomemfrequentemente álcool e tabaco.

As universidades federais do Sul concentram o menor índice de alunos de classes C, D e E do Brasil. São apenas 33% dos estudantes. No outro lado, as regiões Norte e Nordeste registram os maiores porcentuais nacionais, 69% e 52%, respectivamente. A média nacional fica em torno de 43%. Os dados fazem parte de um estudo da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Fe­­derais de Ensino Superior (An­­difes), lançado ontem, sobre o perfil dos universitários das instituições federais.Para a Andifes, o resultado do estudo, que teve como base 22 mil alunos de cursos presenciais, desmistifica a ideia da maciça presença de estudantes de famílias ricas nas universidades federais. Entretanto, os dados mostram que o porcentual de alunos das classes mais baixas permaneceu estável em relação a outras pesquisas feitas em 1997 e 2003.

Segundo o presidente da Andifes, João Luiz Martins, se não houvesse políticas afirmativas e a expansão das vagas nas universidades, o atendimento aos alunos de baixa renda nessas instituições teria diminuído no período. Ele destaca que, dentro desse público, 67% são estudantes com renda familiar até cinco salários mínimos (R$ 2.550).

Assistência estudantil

Esse é o público que deveria ser atendido – em menor ou maior grau – por políticas de assistência estudantil. A Andifes defende um aumento dos recursos para garantir a permanência do aluno de baixa renda na universidade. "Em uma família com renda até cinco salários mínimos, com três ou quatro dependentes, a fixação do estudante na universidade é um problema sério", disse Martins à Agência Brasil.

Para 2012, a Andifes reivindicou ao Ministério da Educação (MEC) que dobre os recursos destinados à assistência estudantil. A previsão é que a verba seja am­­pliada dos atuais R$ 413 milhões para R$ 520 milhões, segundo a entidade.

Vânia Silva, 26 anos, formada em Pedagogia pela Universidade de Brasília (UnB), contou, ao longo de toda a graduação, com bolsas e outros tipos de auxílio. No primeiro semestre, a ajuda era de R$ 130, insuficiente para os gastos com alimentação, transporte e materiais. Ela participou de projetos de pesquisa e extensão na universidade para aumentar o benefício e conseguiu moradia na Casa do Estudante. Mas viu colegas desistirem do curso porque não ti­­nham condições de se manter.

Os reitores destacam que a inclusão dos estudantes das fa­­mílias mais pobres não é a mesma em todos os cursos. Áreas mais concorridas como Me­­dicina, Direito e as engenharias ainda recebem poucos alunos com esse perfil. Cerca de 12% das matrículas nas federais são trancadas pelos alunos e, para a associação, a evasão está relacionada em grande parte à questão financeira.

"Em outras partes do mundo, a preocupação do reitor é com a qualidade do ensino e com a pesquisa. Mas aqui, além de se preocupar com um bom ensino, ele também tem que se preocupar com a questão social", compara Álvaro Prata, reitor da Uni­ver­sidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.