i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições municipais

Pandemia e justificativa por aplicativo podem aumentar índice de abstenção em 2020

  • PorGustavo Ribeiro, especial para a Gazeta do Povo
  • 20/10/2020 19:42
  • Atualizado em 13/11/2020 às 11:49
Tribunal Superior Eleitoral decidiu adiar as eleições em Macapá a pedido do TRE do estado, que alegou questões de segurança.
Tribunal Superior Eleitoral decidiu adiar as eleições em Macapá a pedido do TRE do estado, que alegou questões de segurança.| Foto: Antonio Augusto/Ascom/TSE

A pandemia da Covid-19 teve impacto direto sobre as eleições municipais de 2020, com a alteração do calendário eleitoral e a adoção de cuidados extras para evitar a infecção de eleitores e mesários no dia do pleito. Mais do que isso, o novo coronavírus pode ter, também, reflexos no resultado das eleições, a depender do número de pessoas que optarem por não sair de casa para votar por medo de se contaminar. Com isso, é grande a chance de que o índice de abstenção, que já vem crescendo nos últimos anos, aumente ainda mais.

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), desde 2004 as eleições municipais apresentam elevação na ausência de votantes. Naquele ano, a abstenção no primeiro turno foi de 14,22%. No pleito seguinte, de 2008, o índice subiu para 14,5%. Em 2012, atingiu 16,41%. Na mais recente, em 2016, a abstenção chegou a 17,58% – todas essas taxas são relativas ao primeiro turno. E, para 2020, há o elemento pandemia.

Algumas pesquisas eleitorais deste ano apontaram que há uma parcela de eleitores que não pretende ir às urnas em 15 de novembro. No Rio de Janeiro, segundo levantamento do Datafolha divulgado em 8 de outubro, 21% dos entrevistados disseram considerar a possibilidade de não votarem devido ao medo de se infectarem com a Covid-19. Em São Paulo, esse índice é de 21% e, em Belo Horizonte, de 18% – ambos os números também foram coletados pelo Datafolha e divulgados em 8 de outubro.

Na época das pesquisas os dados de infecção e mortes relativos à pandemia estavam diminuído praticamente em todo país, inclusive em capitais como Rio de Janeiro e São Paulo, o que indicaria menos preocupação no dia da votação. Entretanto, dados do Ministério da Saúde na semana que antecede ao pleito mostram que o número de casos voltou a subir em alguns estados, de todas as regiões do país.

Apesar disso, segundo o cientista político e professor da FGV CPDOC, Sérgio Praça , a pandemia pode ser apenas uma justificativa para quem já não pretendia participar do pleito, inflando antecipadamente a taxa de abstenção.

“Acredito que o impacto da pandemia, do medo de sair para votar, está superestimado. Quem não vai votar neste ano talvez já não fosse votar antes de qualquer maneira. Dos que querem votar, acredito que poucos vão desistir”, avalia.

Para tentar evitar que a abstenção seja um fator significativo neste ano, o TSE vai implementar um protocolo de segurança sanitária no dia do pleito. O horário da votação, por exemplo, vai ser ampliado, das 7h às 17h, sendo que o período até as 10h será preferencial para maiores de 60 anos – grupo considerado de risco para o novo coronavírus.

O uso de máscara será obrigatório e haverá distribuição de álcool em gel em todas as seções. Além disso, o TSE recomenda que os eleitores levem a própria caneta para assinar a presença no caderno de votação.

Justificativa por aplicativo facilita a vida de quem não quer votar

O aumento da taxa de abstenção nos últimos anos aliado à pandemia já seria suficiente para as pessoas deixarem de sair de casa no dia da eleição. Mas outros fatores também podem contribuir: a facilidade na hora de justificar a ausência e o custo para quem não justificar.

Até o último pleito, os eleitores tinham que se deslocar às seções eleitorais no dia da votação para justificarem a ausência. Mas, devido à Covid-19, o TSE transferiu essa tarefa para o aplicativo e-Título. Dessa forma, o eleitor terá até 14 de janeiro de 2021 para explicar a ausência no primeiro turno e até 28 de janeiro em relação ao segundo turno. O aplicativo é gratuito e pode ser baixado para aparelhos Android e iOS.

Quem não justificar a ausência até essas datas deverá pagar uma multa para regularizar a situação com a Justiça Eleitoral. Em geral a multa é de R$ 3,51 para cada turno de ausência e pode ser quitada pela internet – os juízes eleitorais podem alterar o valor dependendo da situação. Ou seja, quem não quiser votar nem sequer precisa sair de casa para fazer a justificativa ou pagar a multa.

“Isso pode ter um impacto real na eleição”, aponta Praça. “O índice de abstenção já é bem alto para um país onde o voto é obrigatório. Quando baixa o custo para se ausentar, o voto fica, na prática, facultativo”, opina.

Em junho, o presidente do TSE e ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, chegou a cogitar a hipótese de anistiar as multas para quem não votasse nas eleições deste ano. Entretanto, o assunto não prosperou e a penalidade foi mantida. Outra possibilidade levantada e rejeitada no TSE era tornar o voto facultativo para maiores de 60 anos e outros grupos de risco. Hoje, o voto é obrigatório para alfabetizados maiores de 18 anos e menores de 70 anos, e facultativo para jovens a partir de 16 anos e para os acima de 70 anos.

Metodologia das pesquisas citadas na reportagem

  • O Datafolha ouviu 1092 pessoas em São Paulo, sob encomenda da TV Globo e da Folha de S. Paulo, entre os dias 5 e 7 de outubro de 2020. O levantamento tem nível de confiança de 95%, com margem de erro de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob a identificação SP-08428/2020.
  • Sob encomenda do jornal Folha de S. Paulo e da TV Globo, o Datafolha ouviu 900 eleitores do Rio de Janeiro, entre os dias 5 e 7 de outubro de 2020. O levantamento tem nível de confiança de 95%, com margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob a identificação RJ-09140/2020.
  • Sob encomenda da TV Globo e do jornal Folha de S. Paulo, o Datafolha ouviu 800 pessoas em Belo Horizonte entre os dias 5 e 7 de outubro de 2020. O levantamento tem nível de confiança de 95%, com margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob a identificação MG-09256/2020.
5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Cético

    ± 0 minutos

    Com uso de máscara, caneta individual, distanciamento, e se possível luvas descartáveis, o eleitor poderia quebrar essa espiral de poder não reelegendo o máximo de candidatos possíveis.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • D

      d'Amortan

      ± 8 minutos

      Infelizmente a obrigatoriedade é uma horrorosa condicionante. Não houvesse esse dever - é um dever, não um direito -, talvez votasse só quem «se interessasse».

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • A

        Alfred Carstens

        ± 12 horas

        Vou deixar de votar nestas eleições. Os protocolos de controle do TSE são robustos, mas há um lento nesta equação que e o ser humano. Hoje quase ninguém utiliza máscaras e não se preocupam com as condições de higiene pessoal.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          Francisco Krupa

          21/10/2020 11:02:39

          É a oportunidade e facilidade do povo mostrar que esta enojada com esses políticos e suas mordomias que só aparecem em época de eleição não comparecendo as urnas

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • J

            Joao batista lopes dos santos

            21/10/2020 2:20:12

            As eleições de 1990 para Governador , deputados e senadores no Paraná a abstenção foi incrivel ............teve deputado que se elegeu com 5.800 votos casdo do PAULO MAIA REPRESENTANTE DA APP ( PROFESSORES0 representando a cidade de Ivaiporã ...........Anibal Khouri se elegeu com 14 mil votos .........omais votadona época foi o radialistas Alborgheti e Carlos Simões......... o POVO estava enojado ....votaram todos em branco e nulo ...........jfeio

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.