i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Futebol feminino

Atleta da seleção vive maratona de decepções

Tendo de jogar por time catarinense, a meia Dayane, que estuda e trabalha em Curitiba, diz que paga para treinar

  • PorRobson De Lazzari
  • 28/08/2010 21:07
A meio-campista curitibana Dayane Rocha, de 25 anos, foi medalha de prata em Atenas, mas agora não consegue sobreviver do futebol | Valterci Santos/ Gazeta do Povo
A meio-campista curitibana Dayane Rocha, de 25 anos, foi medalha de prata em Atenas, mas agora não consegue sobreviver do futebol| Foto: Valterci Santos/ Gazeta do Povo

A medalha de prata na Olim­­píada de Atenas, em 2004, e o sta­­tus de ser a principal jogadora de futebol feminino do Pa­­ra­­ná não são suficientes para ga­­rantir à meia Dayane Rocha, de 25 anos, nem mesmo um local para treinar em Curitiba.

Sem clube após o fim do time do Novo Mundo (decretado no dia 16), a armadora se divide entre a faculdade de educação física, graças a bolsa de estudos do Dom Bos­­co, jogos na equipe de futsal da instituição de ensino, o trabalho como treinadora em uma escolinha de futebol e as viagens para representar o catarinense Kinder­­mann na Taça Brasil em troca de R$ 200 por jogo.

Realidade sacramentada logo após Dayane voltar da seleção brasileira. Entre os dias 4 e 15 deste mês, a jogadora participou de um período de treinos na Granja Comary visando ao Sul-Ame­­ricano, que ocorre no Equador, em outubro.

Ela, a zagueira Marina e a meia Cléo (outras paranaenses da seleção) estão no aguardo da convocação do técnico Kleiton Lima para a competição. Mas nem por isso estão em situação diferente de outras 30 meninas que ficaram a ver navios com o fim do Novo Mundo.

"Estamos envolvidas no projeto de transformar a cor da medalha olímpica de prata para ouro. Mas é difícil chegar em casa e logo saber do fim do meu clube", lamenta Dayane.

Cansado de gastar dinheiro do próprio bolso e não ver o retorno, Moacir Czeck, presidente do Novo Mundo, resolveu encerrar as atividades da equipe adulta. Manteve só as categorias de base, mas também não há grandes perspectivas. É o fim do time que colocou 10 mil pessoas no Couto Pereira para enfrentar o Santos, de Marta, em novembro do ano passado.

"Em 2009 gastamos cerca de R$ 70 mil com a equipe feminina. Sem patrocínio, apoio ou calendário não dava mais", explica o dirigente. "Aceito, mas não concordo", opina Dayane.

Com a expressão do cansaço no rosto, ela atendeu a reportagem na tarde de sexta-feira, mi­­nutos antes de iniciar o treino na escolinha do São Caetano, no Bairro Ahú, em Curitiba. Na noite anterior, marcou quatro gols no 8 a 0 do Kindermann sobre as gaúchas do Torrense, em Caçador, Oeste catarinense. Em seguida, dirigiu até as 4h30 da madrugada, dormiu por duas horas e iniciou sua rotina indo para a faculdade. À noite, também estuda, e quase não tem tempo para treinar.

"Pago para treinar. Com transporte, academia, suplemento...", diz. Na semana passada, ela aproveitou a visita do ministro Or­­lando Silva a Curitiba para pleitear apoio para o futebol feminino. Mas já parece exausta das promessas. "Quando voltamos da Olimpíada [2004], até os jogadores da seleção masculina prometeram ajudar. Mas não fizeram nada", comenta.

Apesar das dificuldades, ela pretende estar no Sul-Americano e – talvez em um futuro distante – não precisar ir ao exterior atrás de uma salário decente (já jogou na França, Espanha e Itália). "Estou aqui [em Curitiba] por não poder perder essa bolsa de estudos. Não tenho como pagar R$ 1,5 mil por mês. Por que os clubes grandes da capital não investem em futebol feminino? Uma folha de pagamento de R$ 40 mil não representaria quase nada para eles", sugere.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.