Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Desta vez, não era amistoso. O Brasil entrou em quadra nesta quarta-feira para enfrentar a Alemanha e jogou para um passado remoto os dois tropeços na semana anterior ao Mundial. Com a vaga na semifinal em jogo, o cenário foi outro. Concentrada do início ao fim, a seleção de Bernardinho tratou de emplacar um 3 a 0, com parciais de 25/17, 25/20 e 25/19. E a partir de agora é que não vai ser amistoso mesmo. A não ser que haja uma zebra no jogo desta tarde, o adversário dos brasileiros na semi de sábado será a Itália, num choque para sair faísca valendo vaga na grande decisão.

Para avançar às semis, a Itália só precisa bater a França, às 14h. O duelo de sábado, se confirmado, transborda rivalidade. Como se não bastassem os títulos mundiais dos dois lados da quadra, os brasileiros reclamaram muito do regulamento "favorável" aos donos da casa, enquanto os italianos criticaram a polêmica derrota verde-amarela para a Bulgária. Caso a anfitriã não avance, o adversário será a seleção dos Estados Unidos, algoz dos brasileiros na final olímpica de Pequim.

Antes do Mundial, o Brasil disputou três amistosos contra os alemães e perdeu dois. Desta vez, contudo, não houve fuso horário ou cansaço que atrapalhasse. Com boas atuações de Murilo e Leandro Vissotto, a equipe dominou o jogo do início ao fim, sem dar chance para os rivais.

Vissotto recebeu de Bruninho o primeiro ataque da partida. Jogou para fora, mas depois se redimiu com uma paralela. Em dois erros seguidos de ataque da Alemanha, o Brasil abriu 3/1. Os vacilos persistiam no lado alemão, enquanto a seleção brasileira tentava deslanchar no placar. O gigante de 2,12m tinha uma torcida especial. Um grupo de quatro torcedores gritava por Vissotto, que correspondeu com dois bons saques, atrapalhando a recepção alemã.

O Brasil foi à primeira parada técnica obrigatória com 8/4. Quando o marcador apontava 10/5, o técnico Raul Lozano pediu tempo para acertar o time alemão. Não deu certo. Perdendo por 12/6, tirou um dos seus melhores jogadores, o ponteiro Kromm, para a entrada de Kaliberda. Na segunda parada, a seleção já tinha 16/9. No retorno à quadra, Bernardinho fez a inversão de 5-1, colocando Marlon e Theo no lugar de Vissotto e Bruninho.

Um bloqueio de Murilo, que tem sido o nome do Brasil no Mundial, abriu ainda mais o placar: 19/11. Com 20/14, o técnico brasileiro desfez a inversão e, nos 23/16, Lozano voltou com Kromm. Mas já era tarde, seu time já tinha errado demais. E justamente de um vacilo alemão veio o ponto do set: 25/17.

A Alemanha continuou cometendo erros, para desespero do seu treinador. Raul Lozano fez várias substituições para colocar sua seleção no jogo, mas o máximo que conseguiu foi manter a diferença no placar em dois e três pontos. Na primeira parada técnica, o Brasil tinha 8/6, e na segunda, 16/14. O 17º ponto brasileiro surgiu de um belo rali. As equipes defendiam os ataques e devolviam a bola. Mas Rodrigão definiu quando parou Grozer.

O Brasil abriu depois de mais um vacilo do levantador Steuerwald, que cometeu dois toques. Um ace de Murilo fez Lozano parar o jogo. Os alemães esboçaram uma reação, mas Bernardinho fez a inversão de 5-1 que decidiu para o Brasil. Marlon sacou flutuante e dificultou a recepção do rival, que atacou para fora. Um golpe de vista de Theo encerrou o segundo set em 25/20.

O terceiro viu uma Alemanha que não queria se entregar, mas não conseguia se manter à frente do Brasil. A equipe de Bernardinho manteve a vantagem apertada durante toda a parcial. Sem perder a concentração e contando com as viradas precisas de Vissotto, a seleção verde-amarela fechou o set e garantiu a passagem para a semifinal.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]