i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
arbitragem

Clubes do Brasileirão resistem ao árbitro de vídeo

Atlético, Atlético-GO, Atlético-MG, Corinthians, Coritiba, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Ponte Preta, Santos, Sport e Vitória estão descontentes

    • Folhapress
    • 20/09/2017 12:26
    Teste na Holanda em 2016. | JERRY LAMPEN/AFP
    Teste na Holanda em 2016.| Foto: JERRY LAMPEN/AFP

    A abrupta decisão do presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, de acionar os árbitros de vídeo em meio à disputa do Brasileirão enfrenta resistência de clubes da Série A.

    Brasileirão: Ranking aponta times mais beneficiados e prejudicados pelos árbitros

    Levantamento feito pela reportagem sobre a introdução do recurso eletrônico no futebol brasileiro mostra que há unidade em torno da ajuda tecnológica aos árbitros. Porém, a maioria dos clubes (12) rejeita a implantação se a novidade ficar restrita apenas a algumas partidas determinadas pela CBF, como a entidade avalia e o regulamento geral de competições permite.

    Top 5: os piores erros de arbitragem no Brasileirão

    Há discordância também pela instauração com o campeonato em andamento – já foram disputadas 24 das 38 rodadas do Brasileirão.

    Ao mesmo tempo há questionamentos sobre quem arcaria com os custos da nova operação. De acordo com o chefe de arbitragem da CBF, Marcos Marinho, o investimento será de R$ 30 mil por jogo. A entidade ainda não informou quem bancaria o acréscimo à conta.

    Atlético-PR, Atlético-GO, Atlético-MG, Corinthians, Coritiba, Fluminense, Grêmio, Palmeiras, Ponte Preta, Santos, Sport e Vitória estão entre os descontentes ou reticentes com as condições apresentadas pela CBF.

    Apenas Chapecoense e Vasco se dizem confortáveis com qualquer que seja a decisão tomada pela CBF, enquanto Bahia, Cruzeiro e Flamengo aguardam detalhes por parte da confederação.

    Botafogo e São Paulo não se manifestaram até a publicação deste texto.

    O artigo 75 do regulamento geral de competições da CBF permite que o sistema seja usado somente em alguns jogos.

    Maurício Galiotte, presidente do Palmeiras, defende o uso da tecnologia a partir da próxima rodada, desde que atendendo a todos os clubes. “É preciso que as regras sejam seguidas em todas as partidas e em todos estádios.”

    Vice-presidente do Atlético-GO, Adson Batista é outro que pede uniformidade a partir da adoção da análise de vídeo. “É um campeonato de pontos corridos e todos têm o mesmo valor”, disse.

    Para Gustavo Bueno, gerente de futebol da Ponte, o planejamento deveria ser feito para o início da competição. “Cabe a adaptação dos clubes e da entidade esportiva para que isso aconteça”, disse. “Sou contra ter apenas em alguns jogos. É como o exame antidoping. Tem que padronizar, com tempo.”

    A diretoria executiva do Atlético-PR, em nota, questiona a falta de diálogo para botar em prática uma mudança tão significativa. “Trata-se de uma imposição, sem nenhuma experiência anterior.”

    TESTE COM DÚVIDA

    Até agora apenas dois jogos oficiais tiveram o uso do recurso de vídeo no Brasil. A tecnologia foi empregada na final do Pernambucano, entre Sport e Salgueiro, em maio.

    Na segunda partida, em Salgueiro, houve reclamações, após gol anulado dos anfitriões. O assistente Emerson Augusto de Carvalho sinalizou que a bola teria ultrapassado a linha de fundo em cobrança de escanteio.

    Péricles Bassols, árbitro treinado pela CBF para avaliar o vídeo, confirmou a anulação. Imagens da TV, porém, levantaram dúvida sobre a decisão.

    Para Arnaldo Barros, presidente do campeão Sport, a preparação não foi apropriada.

    “A câmera não ficou posicionada da forma adequada. Também não houve treinamento adequado dos árbitros.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.