Acendeu o sinal vermelho no painel de controle dos atleticanos. Tem muita coisa acontecendo na mesma hora: a diretoria tentando transferir para o líder da oposição a responsabilidade de negociar com o governo e com a prefeitura as pendências da Arena da Baixada; o gramado ficou destruído após o primeiro show; a estranha mudança do nome oficial do quase centenário estádio e a impressionante escalada descendente do time.

O primeiro engano de Milton Mendes foi ter aceitado o elenco sem restrições, enfatizando que não necessitava de reforços. Saiu-se bem no começo ao descobrir um time competitivo. Mas eram apenas 11 e tão logo iniciaram o rodízio e as lesões, percebeu que estava pisando em terreno movediço. Quando começou a afundar, não parou mais.

Ontem, em nova derrota, desta vez para a Ponte Preta, o Furacão jogou bem na etapa inicial, porém foi uma fonte inesgotável de incompetência ofensiva na etapa complementar. Teve um pênalti sobre Cryzan não assinalado, mas no geral decepcionou a torcida que não economizou vaias.

Coxa esvaziado

O depoimento de Ney Franco na edição de ontem causou certa surpresa porque a maioria absoluta dos treinadores prefere esconder a sujeira.

Sincero, incisivo e muito claro em suas declarações, o técnico revelou as mazelas dos cartolas que tumultuavam o ambiente no futebol do clube. Destacou a atuação do presidente e mostrou-se confiante na recuperação do Coxa. O amadorismo com segundas intenções atrapalha muito o trabalho dos profissionais no futebol.

Descaracterizado pelas ausências de vários titulares importantes, o time demonstrou espírito de luta e, pela organização tática, poderia ter obtido melhor sorte no Mineirão, ontem. Sofreu o primeiro gol em pelotaço indefensável do ala Ceará e no segundo tempo partiu para cima do Cruzeiro. Quando estava próximo do gol de empate, o zagueiro Manoel cometeu pênalti não assinalado pelo árbitro. Na sequência, em contra-ataque do mesmo Manoel, a defesa estava desarrumada e William completou para fechar o escore em favor da equipe mineira.

A dor maior

Perder faz parte de qualquer modalidade esportiva. No futebol, entretanto, perder em casa representa a dor maior. Perante a torcida, frente a um adversário do mesmo nível técnico e com todas as vantagens de mandante o Paraná não conseguiu evitar mais uma derrota na Vila Capanema. O time continua oscilando, sem definição no meio de campo, sem explorar os alas com eficiência e, obviamente, sofrendo de verdadeira inanição ofensiva. Sobrou para Fernando Diniz, of course.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]