Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Ser derrotado pelo Santos na Vila Belmiro e pelo Cruzeiro no Mineirão não é demérito para nenhuma equipe. Da maneira, po­­rém, como aconteceu com o Cori­­tiba, é para deixar o mais tranquilo torcedor coxa-branca preocupado, pois o time aceitou a derrota com passividade – algo que não é concebível pela tradição dessa equipe centenária. E o pior é que vai para a última partida, contra o Flu­­mi­­nense, precisando vencer para não ficar na dependência de outros resultados.

Do jeito como tudo aconteceu, boatos de­­ram conta de que o grupo está dividido. Quando se fala em divisão no futebol, logo vem ao pensamento a questão do numerário. E, nor­­mal­­­­mente, se perguntarem para os jogadores dificilmente eles diriam que sim, mesmo que assim o fosse. Boatos à parte, os atletas sabem o significado da vitória, neste mo­­mento, para sua torcida, que no ano do centenário nada comemorou. A queda para a Segundona se­­ria a pior decepção da história do clube.

O técnico Ney Franco cobrou de seus jogadores mais atenção, pois sofrer oito gols em duas partidas foi demais para quem tinha a pretensão de buscar a classificação para a Sul-Ameri­­cana.

Quanto à escalação da equipe, Ney Franco tem à disposição Rodrigo Heffner, que deve voltar para a lateral direita; Pereira, para a zaga; e os atacantes Ariel e Rômulo. Aposto na escalação de Ariel, pois, além da técnica, a disposição física pode ser o diferencial. Nesse quesito, o Gringo será fundamental, assim como o apoio da torcida que por vários jogos empurrou o Verdão.

Frente a isso, e mais, frente à responsabilidade do momento, ao estado emocional, à desarticulação da harmonia entre os jogadores e, sobretudo, ao grande mo­­mento de superação vivido pelo time das Laranjeiras, o Coritiba pre­­cisa ficar muito atento aos contra-ataques impostos – tônica que provavelmente será adotada por Cuca, treinador tricolor, em busca do resultado que lhe garanta na Série A do Brasileirão. A sorte está lançada.

De olho na Sul-Americana

O Atlético, de bem com a vida, considerando que cumpriu o objetivo proposto para o campeonato em questão, fecha sua participação contra o Barueri, em Presidente Prudente, lutando para vencer e com o olhar voltado para a Sul-Americana.

Para esse encontro, no entanto, não poderá contar com Paulo Baier, que cumpre suspensão auto­­mática (terceiro cartão amarelo) – desfalque significativo, pois tem sido o melhor jogador dessa temporada. Ainda assim, o técnico atleticano Antônio Lopes acredita na vitória. O Delegado, aliás, renovou seu contrato, medida acertada da diretoria do Rubro-Negro, pois, além da identificação com o clube, é um grande profissional. É isso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]