i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Edson Militão

O realismo mágico do futebol

  • Poredsonm@gazetadopovo.com.br
  • 18/04/2014 21:02

Em julho de 2001, estávamos na Colômbia cobrindo a Copa América pela Gazeta do Povo, quando o time de Felipão foi eliminado por Honduras e voltou para casa. Ato contínuo, a direção do jornal pautou uma reportagem sobre as Farc, o que justificaria nossa estada por mais alguns dias no país. O futebol perdera o interesse depois da precoce e humilhante derrota brasileira.

Sendo o responsável logístico para aquele evento, arquitetei nossa via-crúcis pelas entranhas da selva, depois de receber a autorização da cidadezinha de San Vicente del Caguán, considerada zona de distensão durante o processo de paz, e entrevistamos Raúl Reyes, segundo homem na hierarquia do grupo guerrilheiro.

Reyes, que foi morto em 2007, deu a sua versão – a do governo todo mundo já sabia – para a luta armada que as Farc adotam até hoje. O comandante nos deixou à vontade para fotografá-lo e livre para quaisquer questionamentos. Perguntei-lhe quem poderia intermediar o processo de paz, conciliando as correntes antagônicas da Colômbia. Respondeu-me de pronto: "Meu amigo Gabo [apelido do escritor Gabriel García Márquez]".

No clássico 100 anos de solidão, que rendeu a ele o Nobel da Literatura, Márquez retrata o poder e a exploração do antigo coronelismo, o que justifica, segundo Reyes, o surgimento das Farc como única saída contra a tirania da época. Garcia Márquez era flexível e respeitado pelos conservadores. Soube depois que ele não teve êxito na conciliação, por causa do sequestro da senadora Ingrid Bettancourt, voltando a estremecer o relacionamento entre as partes.

No meu caso, foi uma experiência jornalística extracampo bem interessante. Ontem, com a morte do escritor, considerado o colombiano mais ilustre de todos os tempos, busquei a paixão dele pelo futebol. Na sua primeira ida a um estádio, escreveu: "Uma das condições essenciais do torcedor é a da perda absoluta do senso do ridículo". Como jornalista, acompanhou a estreia de uma lenda do futebol brasileiro, Heleno de Freitas, contratado em 1950 pelo Junior Barranquilla, seu clube de coração. "O ‘dr. De Freitas’ – escreveu Gabo – redigiu com os pés memoriais e sentenças judiciais não apenas em português e espanhol alternadamente, mas também citações de Justiniano no mais puro latim clássico", escreveu. O time do dr. De Freitas ganhou do Milionários, do argentino Di Stéfano, por 2 a 1.

No belíssimo filme, O amor nos tempos de cólera, baseado no livro preferido do autor, lembro-me do apaixonado Florentino, que espera 50 anos para reencontrar o grande amor de sua vida, a bela Fermina. E consegue.

Neste sábado que antecede a Páscoa, e inspirado no imortal escritor colombiano, uso as palavras do próprio mestre: "Não chore porque acabou, sorria porque aconteceu". Aleluia!

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.