Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

Rodada intensa. Fazia tempo que uma última volta do campeonato não tinha todos os seus jogos com algum tipo de interesse. Ou era para definir as primeiras colocações, ou a classificação, ou a tentativa de fugir do rebaixamento.

A intensidade de gols nas etapas finais fez com que o torcedor fizesse contas a todo instante, para tentar conferir a posição em que seu time se encontrava naquele instante.

Não houve surpresas. Pelo menos em relação à expectativa da rodada decisiva, pois os rebaixamentos de Maringá e Operário não estavam na conta de ninguém antes do início do Estadual. Afinal de contas, eram o vice-campeão de 2014 e o campeão ainda vigente, este último de linda história no Paraná, com mais de cem anos de existência. Queda mais do que lamentada (principalmente por todos nós, ponta-grossenses), mas já anunciada desde a metade do turno, quando a equipe mostrou os sinais de fraqueza, dos quais não conseguiu se livrar.

Escrevo de Cornélio Procópio, onde vi de perto (transmiti para o Premiere FC) o Paraná Clube chegar em primeiro lugar para a fase eliminatória. O que significa ter a vantagem de sempre fazer a segunda partida em casa, seja contra qual adversário for, até a final, caso tenha êxito e chegue até lá.

A partida foi muito estudada, com duas equipes muito cuidadosas, por terem o benefício do empate. Os paranistas sabiam (e contavam com isso antes do jogo) da derrota do Malucelli em Londrina e o PSTC, com o ponto, teria de ver tudo errado com a turma lá de baixo para perder a vaga.

Mesmo assim foi jogo de pelo menos uma boa defesa de cada goleiro e duas bolas perigosas no travessão – tocando depois do chão, perto da linha fatal, por fora – e que terminou com o mais comemorado dos 0 a 0 que acompanhei nos últimos tempos. Todos festejaram, em campo e na arquibancada, cada qual por suas razões.

De resto, o Atlético foi de reservas e perdeu, o Coritiba fez algumas experiências e ganhou bem e o Foz do Iguaçu, com muita garra, segurou a vaga no empate fora de casa. O Cascavel escapou por pouco e o Rio Branco mais uma vez ficou pela boa, conseguindo se livrar por alguns detalhes finais.

Agora chega a fase decisiva, jogando fora qualquer tipo de favoritismo, pois o mata-mata nem sempre premia os melhores, podendo surpreender em lances isolados.

E o interessante é que a primeira rodada dessa etapa terá todos os times de Curitiba jogando fora, acumulando todos os jogos em casa nas partidas de volta, na semana seguinte.

Ah, sim, tem o recurso do Londrina. Tem, sim. Mas, pela tendência de julgamentos recentes do STJD, o Tubarão não vai recuperar os pontos perdidos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]