Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Albari Rosa / Gazeta do Povo
| Foto: Albari Rosa / Gazeta do Povo

Aí, quando tudo parecia perdido, o Atlético se classificou. Nem tanto pelos próprios méritos, pois, mesmo jogando com todos os titulares, não conseguiu se impor perante um Paraná bem organizado e disposto a manter o serviço. Mas conseguiu a vaga porque o Rio Branco, já no fim da partida em Paranaguá, fez um gol e segurou o Foz do Iguaçu na tabela.

Tudo bem, faz parte, está previsto na disputa por posições do Campeonato Paranaense. Mas que o torcedor rubro-negro ficou muito desconfiado, isso lá ficou. E os tricolores, de seu lado, comemoraram, com razão e com justiça, mais um triunfo nessa série invicta de partidas na Vila Capanema.

Só que o destino reservou a prorrogação do confronto entre os dois clubes para a primeira fase eliminatória da competição. E no mata-mata tudo se transforma. O confronto direto somado à carga de pressão elimina fatores importantes de favoritismo.

Começa domingo outro campeonato. E aí tudo pode acontecer.

Desde, é claro, que realmente haja sequência no calendário – o que uma medida jurídica de alguns clubes do interior pode impedir, conforme o que acatar o tribunal, à espera do julgamento do recurso contra o J. Malucelli no STJD.

Paraná vence Atlético e equipes voltam a se enfrentar no mata-mata

Leia a matéria completa

A empolgante seleção

A vitória virá, será uma questão de tempo. O gol não sai, mas sairá a qualquer momento. É só saber administrar , com parcimônia e paciência.

É essa mensagem que passa a seleção brasileira, invicta, com 100% de aproveitamento e empolgante nesse período sob nova direção. Se a vitória no Uruguai foi surpreendente pela facilidade como aconteceu, o triunfo de anteontem, sobre o Paraguai, já exigiu uma concentração maior dos jogadores em campo e uma interessante cumplicidade com a paciente torcida na arquibancada.

Quem estava na Arena Corinthians – e quem assistiu pela televisão – sabia que o gol iria acontecer, mesmo que a zaga brasileira ainda carecesse de alguns ajustes nos primeiros momentos, quando permitiu um ou dois contra-ataques mais agudos dos paraguaios.

Confira como ficou a seleção da 11ª rodada do Paranaense

Leia a matéria completa

Os paraguaios, aliás, cumpriam o papel que deles se esperava. Cercavam Neymar por todos os espaços e atalhos. Bastava pegar na bola que já vinham pelo menos dois céleres marcadores pra cima dele. Não podendo disputar na bola, faziam falta. E o capitão brasileiro apresentou uma maturidade que fez a diferença no comportamento tático da seleção brasileira. Tempos atrás – e não faz muito – o craque brasileiro já teria reclamado, revidado ou algo assim.

Neymar foi maduro, apanhou quieto e continuou provocando os adversários com suas jogadas mais ousadas. E aí foi posta em prática uma alternativa que tem funcionado muito nessa nova fase do escrete brasileiro: a variação de jogadas. Valia com Gabriel Jesus e vem dando muito certo com Philippe Coutinho, também dotado de bons recursos para dribles e para jogadas verticais.

E se antes poucos davam bola às apresentações da seleção brasileira, já tem gente fazendo contagem regressiva para agosto, quando as próximas exibições desse timaço ocorrerão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]