Na estreia do técnico Ivo Wortmann, o Juventude fez bonito diante da sua torcida e conseguiu somar três pontos importantíssimos para fugir da zona de rebaixamento. Dominando praticamente todo o jogo, a equipe gaúcha aproveitou duas cobranças de pênalti, convertidas por Mendes e Marcos Denner, para conquistar a vitória sobre o Figueirense: 2 a 0 no placar do Alfredo Jaconi.

Às 21h da próxima sexta-feira, o Alvinegro recebe o recebe o Vila Nova, em jogo válido pela 12ª rodada. No sábado, o Juventude enfrenta o América-RN, às 21h, em Natal

Juventude sufoca o Figueira e larga na frente

Juventude dominou todo o primeiro tempo, com as melhores chances passando pelos pés de Zezinho e Marcos Denner. Aos 13 minutos, o meia invadiu a área driblando, mas chutou fraco para a defesa de Wilson. Um minuto depois, o goleiro do Figueira segurou firme uma nova tentativa do camisa 10, desta vez de fora da área.

Aos 26, Ivo cruzou para Marcos Denner, que foi derrubado por Carlinhos no segundo poste. O árbitro assinalou o pênalti, e Mendes mandou para o fundo das redes sem chances de defesa. Este foi o 12º gol do jogador no ano, o que o tornou o artilheiro do clube na temporada.

Marcos Denner quase ampliou o placar dois minutos depois, mas a zaga conseguiu cortar em cima da hora. Aos 44, nova boa chance do atacante, que cabeceou para defesa de Wilson.

As únicas boas chances do Figueirense surgiram em cobranças de falta: aos 36, com Schwenk, e aos 45, com Rafael Coelho, da intermediária.

Segundo tempo pega fogo com mais pênaltis e expulsão

O Figueirense voltou com a marcação mais adiantada, e logo conseguiu um bom ataque. Aos 3 minutos, Egídio roubou a bola no meio e encontrou Schwenk livre. O atacante chutou forte, mas o goleiro Juninho conseguiu fazer a defesa.

Assim como na primeira etapa, Zezinho foi o principal articulador das jogadas do Ju e a maior vítima das faltas dos rivais. Em uma das disputas de bola, a torcida pediu pênalti, mas o árbitro Rodrigo Cintra nada marcou.

Sem o gol, Roberto Fernandes colocou Clodoaldo no lugar de Carlinho. Com três atacantes, a equipe catarinense acabou ficando ainda mais exposta ao ataque dos donos da casa. Aos 11 minutos, Mendes recebeu na cara do gol, mas se atrapalhou e não conseguiu mandar para o fundo das redes.

A insistência de Zezinho rendeu frutos. Aos 16, o garoto foi puxado pela camisa por Paulinho, e o juiz assinalou nova penalidade. Marcos Denner cobrou com categoria e deixou sua marca na estreia.

Por pouco a comemoração não foi estragada. No lance seguinte, Xavier derrubou Clodoaldo na área e recebeu o cartão amarelo. O atacante alvinegro cobrou do lado direito, e outro estreante brilhou: o goleiro Juninho caiu seguro, fez a defesa e segurou o placar.

Ainda no calor dos acontecimentos, Zezinho foi punido por ter simulado uma falta. Como já tinha recebido um amarelo na primeira etapa, o menino acabou expulso.

Com um a mais, o Figueira cresceu em campo e passou a pressionar um pouco mais. Mesmo assim, os atacantes não conseguiram furar o bloqueio da defesa. As melhores oportunidades foram com Clodoaldo. Com 31 minutos, o atacante pegou uma sobra na cara do gol, mas Juninho brilhou e evitou a comemoração. No minuto seguinte, o jogador tentou de cabeça, e a bola saiu pelo lado do gol por muito pouco.

Nos últimos minutos, um bombardeio do Alvinegro: aos 35, Schwenk testou por cima do gol; aos 37, Anderson Pico fez ótima jogada, mas ninguém empurrou para o fundo das redes; aos 41, o mesmo jogador chutou de longe com força, mas a bola subiu demais. Rafael Coelho também teve sua chance, e após se livrar da marcação, mandou para fora.

Após a blitz, no lance derradeiro, o Juventude não ampliou por muito pouco. Luiz Felipe cruzou na cabeça de Gustavo, e a bola passou tirou tinta do gol de Wilson. Fim de jogo e muita comemoração no Anfredo Jaconi.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]