i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Brasil

Seleção cumpre protocolo da Fifa e visita favela

Ao ritmo infernal das vuvuzelas, o Soweto, principal foco de resistência à política de segregação racial, ferve para acompanhar a única atividade aberta da equipe de Dunga na África do Sul

  • PorRobson De Lazzari, enviado especial
  • 03/06/2010 21:03
Os jogadores do Brasil correm no gramado do Estádio Dobsonville, no Soweto, onde a equipe fez seu primeiro e único treino com presença de público antes do Mundial | Fotos: Albari Rosa/ Gazeta do Povo – enviado especial
Os jogadores do Brasil correm no gramado do Estádio Dobsonville, no Soweto, onde a equipe fez seu primeiro e único treino com presença de público antes do Mundial| Foto: Fotos: Albari Rosa/ Gazeta do Povo – enviado especial

Polêmica da bola

Dirigente que criticou brasileiros leva o troco

A Fifa e o comitê organizador da Copa do Mundo não gostaram das críticas dos jogadores brasileiros à bola oficial da competição: a Jabulani.

Após Júlio César dizer que a bola parece com as de supermercado, Robinho afirmar que se sente um Roberto Carlos na hora do chute (pela leveza da bola) e Luís Fabiano chamar a redonda de sobrenatural, a entidade que gere o futebol reagiu.

O secretário-geral, Jérome Valcke, disse que os atletas do Brasil estão arrumando desculpa para uma eventual eliminação do Mundial. A tréplica veio com o chefe da turma brasileira: Dunga.

"Se ele [Valcke] jogar e testar a bola, vai ter uma opinião diferente. Ele não entrou em campo, não deu um chute, só sabe falar. Se ele jogar, vier em um treino com todos vendo, aí pode falar", criticou o técnico, alegando que atletas de outras seleções também detonaram a Jabulani.

A bola do Mundial é fabricada pela Adidas e hoje, na concentração brasileira, o principal garoto propaganda da marca, o meia Kaká, concederá sua primeira entrevista desde a chegada à África do Sul.

  • O ônibus do Brasil chega ao Soweto: equipe teve segurança reforçada no trajeto e no estádio para garantir a tranquilidade na visita à região mais pobre da África do Sul

Famoso em todo o mundo por ter sido o foco principal de resistência ao apartheid, a política de segregação racial que durou 42 anos, o Soweto foi ontem notícia por outro motivo. A seleção brasileira escolheu a região mais populosa e pobre de Johannesburgo pa­­ra cumprir a exigência da Fifa e realizar seu único treino aberto aos torcedores antes da estreia na Copa.O ônibus que levou os pentacampeões foi cercado já do lado de fora do Estádio Dobsonville, que é público, mas recebe normalmente os jogos do Moroka Swallows, da Primeira Divisão sul-africana. Fo­­tos, acenos e muita alegria de quem não está acostumado a ver por perto craques do futebol internacional. As vuvuzelas (cornetas locais) fizeram barulho durante quase duas horas. Sem parar.

O esporte do Mundial é preferência absoluta na maior favela da África do Sul. Com isso, os cerca de 10 mil bilhetes distribuídos pela Fifa esgotaram-se rapidamente on­­tem pela manhã em escolas, repartições públicas e comunitárias.

Mesmo assim, nem metade das cadeiras estavam cheias. O horário comercial e a exigência de comprovante de residência no Soweto para entrar, deixaram muitos para fora. Nada de revolta. O dia era de alegria. "É o melhor time do mundo no Soweto. Nunca pensei que isso fosse acontecer. Já estou feliz só por vê-los passar", vibrava Tha­­bo Madisame, de 17 anos.

Lá dentro, o já tradicional som das buzinas ecoava. As cerca de 3 mil pessoas que entraram não precisavam nem de alambrado entre elas e o campo. So­­men­­te uma fita e uma barreira de seguranças em pé servia de obstáculo. Ninguém tentou invadir.

"Nós entendemos que o time está se preparando e precisa de tranquilidade. Sabemos até onde podemos ir", admitiu Nontsikeke­­lo Xabana, acompanhada pela mãe na arquibancada.

Os cantos e danças também não faltaram, apesar de, no gramado, as atividades darem prioridade à parte física. No fim, houve um trabalho especial em campo reduzido. "Tenho certeza de que para os jogadores também foi especial. O Soweto é o local mais conhecido do país no exterior", comentou Lau­­rewce Raboshaga, morador da re­­gião e voluntário da Fifa.

Dois grandes momentos ocorreram dentro do gramado. Antes de o treino começar, o técnico Dun­­ga recebeu dois garotinhos do So­­weto, posou para fotos ao lado deles e entregou-lhes kits da CBF e bandeiras do Brasil. Viraram personalidades entre os amigos.

Perto do fim do treinamento, Kaká bateu bola com um gandula, também morador local, e o cumprimentou com um aperto de mão. "Gostamos muito de sentir esse calor humano. Hoje a seleção não é fechada, mas é mais focada no trabalho. Peço desculpas mais uma vez ao torcedor, precisamos dessa privacidade", disse Dunga, recordando as críticas ao clima de algazarra na preparação para a Copa da Alemanha, em 2006.

Policiamento reforçado para o time de Dunga

Policiais por todos os lados, pouca informação e até um helicóptero fazendo a escolta da seleção brasileira no Soweto. Dentro da comunidade mais pobre – e uma das mais violentas – da Áfri­­ca do Sul, o time de Dunga foi tratado como um alvo em potencial.

A delegação ficou apenas duas horas na favela, mas já foi o suficiente para mobilizar um exército. Na porta do estádio, ou a pessoa entrava, ou saía. Não era permitido aos jornalistas ficar na arquibancada entrevistando torcedores.Quando o ônibus aproximou-se da massa próxima ao portão, alguns homens a pé também foram correndo e fechando o cerco.

"Não posso dizer quantos policiais estão trabalhando e nem como foi planejada a operação, Não posso te dar informação alguma", justificou-se um oficial da Fifa, com crachá e bótons da entidade, mas que também não quis se identificar.

Em treinos normais, na escola particular (de predomínio dos brancos) onde o time trabalha, a Hoerskool Randburg, os brasileiros são tratados como pouco visados. No grupo, com campo de golfe, os fãs raramente interagem com o time de Dunga .

Aspecto físico é a principal "neura" antes do MundialA dosagem da carga de trabalho é o principal desafio da comissão técnica brasileira para que o time chegue 100% na Copa. Nem todos os jogadores têm a exigência de fazer as seções de exercícios de maneira completa e de participar de todas as atividades.

As situações do goleiro Júlio César, do zagueiro Juan e do meia Kaká são as que mais preocupam. O camisa 10 participou de apenas 45 minutos do amistoso contra o Zimbábue, na quarta-feira; o defensor nem jogou e o arqueiro deixou a partida após 25 minutos com dores lombares.

Ontem, Júlio César ficou fazendo tratamento específico com o fisioterapeuta Luiz Rosan. Já Kaká e Juan treinaram.

"A comissão técnica é experiente, conversamos e tentamos dar a dosagem certa", disse o técnico Dunga. "Essa pancada que o Júlio sofreu não é nada demais. Estará bem em uns três dias", opinou.

Kaká sofreu lesão na coxa esquerda antes do fim da temporada europeia e Juan – que já ficou fora da Copa das Con­­federações por contusão, no ano passado – sentiu desconforto na perna esquerda e preferiu não arriscar frente aos zimbabuanos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.